26 de out de 2012

Os Três Dias de Escuridão

Brasil na transição planetária, luz azul, fótons na Terra

A profecia dos três dias de escuridão tornou-se conhecida por ter sido divulgada através de alguns sensitivos, sobretudo no meio católico, mas sem qualquer referência nas profecias mais conhecidas, como as bíblicas ou de Nostradamus. O Apocalipse, assim como o sermão profético, fala sobre um evento que escurecerá o Sol, sabidamente ligado à Grande Tribulação (auge da transição planetária), mas não determina em momento algum o número de dias:


"Logo após estes dias de tribulação, o sol escurecerá, a lua não terá claridade, cairão do céu as estrelas e as potências dos céus serão abaladas". (Mateus 24:29, Marcos 13:24)

"Depois vi o Cordeiro abrir o sexto selo; e sobreveio então um grande terremoto. O sol se escureceu como um tecido de crina, a lua tornou-se toda vermelha como sangue e as estrelas do céu caíram na terra, como frutos verdes que caem da figueira agitada por forte ventania. O céu desapareceu como um pedaço de papiro que se enrola e todos os montes e ilhas foram tirados dos seus lugares". (Apocalipse 6:12-14)

“Houve, então, relâmpagos, vozes e trovões, assim como um terremoto tão grande como jamais houve desde que há homens na terra. Todas as ilhas fugiram, e montanha alguma foi encontrada”. (Apocalipse 16:18, 20)

O Apocalipse na verdade fala em três dias e meio e não em três dias. Existe porém uma associação dos eventos descritos no Apocalipse e no sermão profético sobre o escurecimento do Sol com a praga descrita no Velho Testamento que fala sobre 3 dias de trevas:

"O Senhor disse a Moisés: “Estende a mão para o céu, e que se formem sobre todo o Egito trevas (tão espessas) que se possam apalpar.” Moisés estendeu a mão para o céu, e durante três dias espessas trevas cobriram todo o Egito. Durante esses três dias, não se via um ao outro, e ninguém se levantou do lugar onde estava. Ao passo que todos os israelitas tinham luz nos lugares onde habitavam." (Êxodo 10:21-23)  

Esses "Os três dias de escuridão" foram uma praga que Moisés jogou sobre o Egito e descrita em Êxodo.

Mas vamos descobrir o que significa, afinal, os três dias e meio citados no Apocalipse.

O Apocalipse fala no capítulo 11 em 3 dias e meio, que são uma referência aos 1260 dias também mencionados no mesmo cap 11 e também são uma referência aos 42 meses citados também no cap 11 do Apocalipse, todos eles equivalem a 3 períodos e meio que devem ser convertidos em décadas e dizem respeito a construção (1966), queda (2001) reconstrução (até 2036) e queda (2036) das torres gêmeas, que são as duas testemunhas descritas no capítulo 11 do Apocalipse.

"O átrio fora do templo, porém, deixa-o de lado e não o meças: foi dado aos gentios, que hão de calcar aos pés a Cidade Santa por quarenta e dois meses." (Apocalipse 11:2)

"Mas incumbirei às minhas duas testemunhas, vestidas de saco, de profetizarem por mil duzentos e sessenta dias." (Apocalipse 11:3)

"Muitos dentre os povos, tribos, línguas e nações virão para vê-los por três dias e meio, e não permitirão que sejam sepultados." (Apocalipse 11:9)

"Mas, depois de três dias e meio, um sopro de vida, vindo de Deus, os penetrou. Puseram-se de pé e grande terror caiu sobre aqueles que os viam." (Apocalipse 11:11)

Fiz um vídeo a quase 2 anos que explica todas as “chaves” desse capítulo 11, como por exemplo o “Egito Espiritual”, “Sodoma” e “duas testemunhas vestida de saco como dois candelabros e duas oliveiras”

O vídeo explicando a interpretação completa deste capítulo da Revelação está aqui:



3 períodos e meio (lembremos que em Daniel 9:2 é dito que um período equivale a um ano), ou seja, 3 anos e meio que equivalem a 42 meses, que por sua vez equivalem a 1260 dias. João deixa a pista pro entendimento, que esses 3 períodos e meio equivaleriam a 3 períodos e meio de uma década, pois colocou os valores em dias, meses e anos.


Ou seja, 1966 +35 = 2001, 2001+35 = 2036 



Curiosamente se somarmos o capítulo com os versículos,onde esse tempo é mencionado, teremos: 11+2+3+9+11 = 36



Coincidências, talvez....

Vimos, portanto, que o Apocalipse, sermão profético de Jesus e o livro de Daniel não falam em 3 dias de escuridão, isso na verdade é uma visão profética divulgada por algumas pessoas que supostamente tiveram visões do futuro, de algum evento grandioso no futuro causando uma escuridão momentânea, evento esse que associaram a profecia apocalíptica dos 3 dias e meios ou ainda a praga que Moisés colocou sobre o Egito.

Eu particularmente discordo dessa interpretação pelos motivos que expus acima, mas acredito que, por exemplo, a queda de um asteróide ou a súbita mudança do eixo terrestre poderia ocasionar eventos sísmicos e vulcânicos com força suficiente pra escurecer o dia por horas. Se considerarmos a interpretação que expus no blog, de que o Apophis atingirá seu ponto máximo de aproximação da Terra às 10 horas da manhã pelo horário de Grenwich (meio dia em Israel, 7 da manhã no Brasil) em 24/04/36, então ele poderá causar em pleno dia uma noite momentânea, por algumas horas.

Em termos escatológicos, a única associação que podemos fazer a "3 dias de trevas" com o Apocalipse, é o relato feito por João Evangelista sobre os "3 ais" (Apocalipse 9:12), que são relatados como os três grandes eventos da Tribulação. Considerando que cada um destes 3 eventos ocorrerá em um dia específico, teremos 3 dias de trevas.

Acredito que podemos considerar sim 3 dias específicos como "dias de trevas" atribuindo pra cada um desses dias um dos 3 "ais", mas não acredito que serão 3 dias seguidos de escuridão por causa do evento final ou terceiro ai ou ainda ápice da Tribulação (diferentes nomes para o mesmo evento), acredito que o evento decisivo trará escuridão momentânea por algumas horas e não por dias.


Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:  http://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036

19 de out de 2012

A Aparência dos Futuros Exilados - O Exílio "The Walking Dead"

Gliese 581g - o mundo exilio no exilio planetário


Recebi essa pergunta hoje (19 de outubro) e resolvi publicá-la em forma de post no blog, pois esse era um assunto que eu já queria abordar há algumas semanas:

"Olá José, lendo sobre os exílios que ocorreram e que vão ocorrer fiquei curioso a respeito das mudanças na forma do perispírito que ocorrem durante os exílios planetários. Você tem idéia de como será a fisionomia dos espíritos no novo planeta? Pelo que já li sei que serão necessários alguns anos para o perispírito se adequar devido à diferença de densidade da matéria da Terra para a do novo planeta, mas a sua forma vai continuar como a nossa do Homo Sapiens ou vai ser ligeiramente diferente?" (Ricardo Couto)

Essa pergunta foi feita no post "Os outros exílios além de Capela"AQUI

Um complemento desse post está em um texto publicado na fanpage "Os outros exílios além de Capela, dos dragões à Atlântida"AQUI


Olá Ricardo, esse é um tema muito interessante e inclusive foi mencionado no Apocalipse como “a segunda morte” (Apocalipse 20:6 e Apocalipse 20:14), ou seja, além da morte do corpo físico e do duplo etérico que morrem na “primeira morte”, os exilados passarão por uma “segunda morte”, tendo que deixar os elementos pertencentes ao princípio material que existe tanto no corpo astral como no mental inferior (os três corpos superiores não possuem principio material mas tão somente fluido universal). Dessa forma, os exilados serão levados para o mundo exílio com um corpo astral e um corpo mental inferior que conterá apenas o fluido universal que forma esse corpos envolvidos por um principio material provindo da nuvem energética emanada por Alcyone A (Eta Tauri) que muitos conhecem como “cinturão de fótons”, criando assim um corpo semi material (perispirito) com elementos materiais que não são nem da Terra e nem do futuro mundo exílio.

Dessa forma, o perispírito dos futuros exilados não levará elementos materiais oriundos da Terra, mas levará impresso no seu perispírito, através do fluido universal que existe tanto no atual corpo astral como no mental inferior, características genéticas que representarão avanços físicos graduais, quando esse perispírito receber os elementos materiais do futuro mundo exílio, assim que o espírito exilado com seu perispírito adentrar nos domínios do astral dessa futura morada. Com o passar das encarnações, essas características genéticas mais avançadas do perispírito dos exilados em comparação com o perispírito dos moradores que já vivem nesse mundo exílio começarão a trazer avanços graduais, a semelhança do que ocorreu com a atual humanidade, do homo erectus ao atual homo sapiens sapiens.

A fisionomia do corpo físico dos exilados no mundo exílio será semelhante a do homem de neandertal, na verdade eles trarão uma mudança genética semelhante aquela que deu fim ao homo erectus e origem ao homem de neandertal. (que significa vale do homem novo) a aproximadamente 300 mil anos atrás na Terra. O mundo exílio será semelhante a Terra de 200 mil anos atrás e aqui vale ainda mais uma consideração, pois acredito que não teremos apenas um único mundo exílio, mas vários que orbitam a estrela vermelha Gliese 581.

o mundo exilio

Tudo na Alta Espiritualidade e seus engenheiros siderais obedece um cronograma lógico e perfeitamente ordenado, visando um processo evolutivo que seja o mais eficiente e menos traumático possível, dessa forma esses grandes cientistas, sabendo de antemão que bilhões de espíritos não aproveitariam a oportunidade de evolução do atual ciclo provacional da Terra que chegará ao fim em breves décadas, também preparam os mundos exílios que no futuro viessem a receber os exilados da Terra com formas perispirituais e físicas mais adaptáveis a forma atual do perispírito da atual humanidade e que também servissem como veículo necessário para a repetição das provas que não foram aproveitadas pelos exilados durante sua estadia na Terra .

Sendo assim, os futuros exilados, com suas características genéticas impressas no fluido universal que existem em seus perispíritos, fará com que surja no meio da humanidade do mundo exílio uma espécie semelhante ao homem de neandertal, muito adaptada ao frio, muito musculosa e com um cérebro com capacidades de concatenar informações e inclusive possibilitando uma fala com alguma articulação nas palavras. A escolha desse tipo de espécie semelhante ao neandertal também tem como objetivo propiciar um corpo físico mais robusto para os perigos naturais que os exilados terão de enfrentar após um período de algumas encarnações quando essa espécie estará plenamente fixada no mundo exílio.

Naturalmente ocorrerá um período de adaptação, até que o perispírito dos futuros exilados esteja perfeitamente adaptado ao corpo físico do mundo exílio. E nesse período que será de algumas encarnações, a Alta Espiritualidade aproveitará para drenar ao máximo as toxinas kármicas que os exilados da Terra trarão impressas no seu “código genético astral”, fazendo com que nas primeiras encarnações tanto ao longo da infância como na adolescência, em algum desses momentos, os futuros exilados terão uma aparência bem semelhante a dos zumbis que aparecem na mídia desde o famoso clipe do Michael Jackson, passando por grandes sucessos de bilheteria como “Resident Evil” ou ainda o mais recente “The Walking Dead”.  

exilados zumbis, exilados walking dead

Inconscientemente a humanidade apesar de sentir temor por essa figura arquetípica , também sente de alguma forma alguma ligação, como se algo ali fosse familiar e realmente será para 2 terços da humanidade. Os “zumbis”descritos nessas obras artísticas trazem uma aparência muito semelhante com aquela que os corpos físicos das primeiras encarnações dos exilados no mundo exílio terão: dificuldade para andar, feridas por parte do corpo, dificuldade para falar e com funções cerebrais bem limitadas.

Muitas teologias inclusive, sobretudo a protestante, falam em uma “ressurreição dos corpos mortos”, algo que também nada mais foi do que um vislumbre da realidade dos futuros exilados que realmente serão ressuscitados em corpos físicos nas suas primeiras encarnações no mundo exílio semelhantes aos dos zumbis da ficção terrestre.

Todos esse processo doloroso nas primeiras encarnações evitará que os futuros exilados reacendam antigos ódios ou guerras atrozes entre si, criando uma contenção natural que os convidará a duras reflexões sobre a sua condição. Após esse primeiro passo, que deverá levar algumas encarnações, se estabelecerá então uma nova espécie no mundo exílio, semelhante ao homem de neandertal de 200 mil anos atrás e assim uma jornada evolutiva de milhares de anos até que apareça uma espécie semelhante ao atual homo sapiens sapiens. Postos mais avançados de evolução, com instrutores espirituais também nascerão à semelhança da Atlântida, uma colônia astral localizada no chacra mais energético do planeta Terra e que de tempos em tempos se materializava no antigo continente físico que sofreu vários afundamentos até desaparecer, novas lendas a respeito de “anjos” e “gigantes” serão criadas.

Muitas pessoas inclusive têm sonhado e até mesmo se desdobrado para localidades no astral intermediário da Terra onde tem a oportunidade de ver imagens ou até mesmo experimentar um “tour mental” pelo mundo exílio (algo semelhante ao que acontece no “O Vingador do Futuro”) vivenciando certos acontecimentos e trazendo para as lembranças físicas parte daquilo que vivenciaram,  tudo isso com a colaboração dos mentores e espíritos amigos que tentam usar desse tipo de experiência para motivar através da forte impressão que a pessoa passa ao ver e sentir a realidade terrível do mundo exílio, um desejo de mudança moral que permita a essa pessoa tentar se salvar do exílio através de uma profunda mudança moral. 

Tour mental no plano astral - o vingador do futuro

Muitas pessoas que tem vivenciado suas primeiras experiências em desdobramento, guiadas por mentores e espíritos amigos, acreditaram que estiveram em zonas umbralinas do astral inferior mas muitas delas foram levadas pra enxergar a realidade do mundo exílio através das escolas que existem no astral intermediário. O fascínio atual que muitos têm em relação a algumas séries com essa temática de “zumbis” nada mais é do que um reflexo dessas experiências e de uma lembrança quase inconsciente, muito mais uma sensação, que os mentores e amigos espirituais tentam plantar para motivar uma mudança moral nessas pessoas.

Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:
        

10 de out de 2012

O Grau 33


acacia mimosa

Volta e meia recebo alguma pergunta sobre a maçonaria e seus símbolos e justamente por esse motivo decidi criar esse post, apesar de não ser maçom. Antes de mais nada é preciso esclarecer que os 33 graus pertencem ao Rito Escocês Antigo e Aceito (REAA), o rito mais popular nas lojas maçônicas do Brasil.


Esses 33 graus são constituídos de 3 graus simbólicos (os três primeiros) e 30 graus filosóficos que tem por objetivo estudar a filosofia e moral através dos mitos associados simbolicamente a cada um desses graus, estimulando a gentileza, honestidade, honradez e compreensão, mas, sobretudo a fé, esperança e caridade.

Os 33 graus são também divididos em simbólicos (1 ao 3), inefáveis (4 ao 14), capitulares (15 ao 18) areópagos  ou filosóficos (19 ao 30) e administrativos (31 ao 33). Cada grau possui uma denominação.

Mas afinal, porque exatamente 33 graus? Esse número representa, simplesmente, a jornada de todo homem (que visa à ascensão espiritual) através da sua própria lapidação. O primeiro modelo simbólico dessa jornada encontra-se na própria descrição da vida de Jesus que simbolicamente viveu 33 anos, morreu e ressuscitou após receber a coroa de espinhos de acácia, morrer na cruz e ressuscitar 3 dias depois.

escada caracol


A acácia é tradicionalmente um símbolo solar, pois sua flor imita o formato do disco solar e suas folhas se abrem com a luz do sol e se fecham ao anoitecer. No tabernáculo, segundo consta no antigo testamento, a madeira da acácia, devido a sua característica de não apodrecer foi utilizada na Arca (coberta por ouro), na Mesa e no Altar. Além disso, as flores da acácia cegam, suas sementes matam, mas a raíz cura, o que simbolicamente mostra que nela habitam a morte e o renascimento.

Ela também representa a essência divina que existe dentro de cada alma humana, essência que jamais pode morrer e que impulsiona a alma a se elevar, a subir através da escada de Jacó, a subir através da arvore das vidas, através de sucessivas mortes e ressurreições (reencarnações).

A acácia representa, portanto, a arvore que sustenta cada pessoa, simbolizada pela coluna vertebral com suas 33 vértebras, representa os espinhos e o veneno que precisamos vencer dentro de nós mesmos com aquilo que temos dentro de nós mesmos, pois na raiz da acácia, a raíz da arvore que sustenta a própria pessoa está o antídoto, ou seja, elevar a energia da raiz (base da coluna) através do desenvolvimento filosófico, de si mesmo, o autoconhecimento, com o objetivo de desenvolver o aspecto moral e assim atingir a sabedoria, a coroa, a esfera/ponto mais alto da arvore das vidas cabalística.

A luz divina e a luz do cristo estão simbolizadas dessa forma através da acácia. Considerando que a acácia é a própria arvore das vidas, podemos analisar então o aspecto principal dos 33 graus simbólicos do REAA.

arvore das vidas



A própria arvore das vidas apresenta em sua estrutura simbólica 3 colunas (esquerda, centro e direita) que representam as 3 colunas que sustentam o templo ou loja maçônica em seu aspecto espiritual com sabedoria, força e beleza. A Sabedoria imagina a construção, organiza o caos, determina a vontade para a realização, a Força executa com base nas sábias instruções para que assim seja erguida com Beleza a edificação, fruto da harmonia que se reflete nas formas e nos simbolismos que representam os aspectos morais que são os propósitos e os verdadeiros pilares visíveis através da fraternidade e da caridade: a verdadeira Beleza, criada pela Força orientada pela Sabedoria.

Na arvore das vidas, como observado na figura acima, temos 10 sephirot e 22 caminhos entre elas, que representam os 22 arcanos maiores (devidamente numerados na imagem acima). Além desses elementos, que somam 32, temos uma sephira oculta, que fica entre Kether e Tipheret, denominada Daath que representa o grau 33, o conhecimento (da’at) oculto, quando a sabedoria e a força se manifestaram, fazendo com que todos os chacras, como flores de acácia se abrissem para a luz (solar) divina, depurando por completo seu veneno pra que dessa forma essa luz circule perfeitamente ao longo das 33 vértebras, num movimento que forma o símbolo do infinito em subida e descida, morte e renascimento, tal qual a escada em caracol que representa na escada de Jacó a ascensão moral do homem (subida) através do recebimento cada vez mais consciente da luz divina (descida) vinda do Alto.

Daath está associada também ao abismo e esse simbolismo representa plenamente o despertar para o renascimento através da sabedoria e da força, pois na mitologia antiga, no abismo residia uma gigantesca serpente primitiva, serpente essa que representa a energia que flui ao longo da coluna e dos chacras (kundalini) e que no abismo, no interior profundo de cada pessoa, se apresenta como o instinto primitivo, o impulso animalesco e feroz que precisa ser primeiro domado e depois controlado, controle esse que somente a sabedoria aliada a força (de vontade) pode realizar, permitindo então que a serpente, agora livre do seu primitivismo, se eleve e encontre as forças superiores, tal qual a serpente que se eleva no bastão de Asclépio, símbolo da medicina, e que representa exatamente a cura de qualquer veneno.  


Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:



2 de out de 2012

Os Dragões e Magos Negros (Parte VII) - Ovóides Petrificados e Processos Obsessivos

Dragóes do abismo, líder das trevas, exilados de Erg, ditadores abismo

Parte V: Os dragoes e magos negros

No texto  sobre o exílio dos dragões (Parte V dessa série de textos) eu abordei o processo diferenciado de exílio desses seres, em virtude do avançado grau de deterioração que o corpo mental inferior deles se encontra, muitos inclusive no estágio de ovos ou ovóides petrificados. Mas vamos ao início disso tudo, pra compreender porque os dragões recusam a reencarnação na Terra. No livro “A Marca da Besta”, capítulo 4, página 184 e 185 têm excelente explicação, quando um guardião das equipes do Cristo fala sobre os dragões:

“Diversos integrantes de sua organização haviam enlouquecido durante os milênios de rebeldia e prisão nos recantos mais obscuros e tenebrosos do planeta. Poucos conservavam a razão. Além disso haviam abandonado por completo a forma humanóide que um dia apresentaram. Talvez os superiores, os representantes da justiça divina, almejassem a plena deterioração do aspecto que tinham previamente ao degredo, a fim de assumirem em caráter definitivo a compleição humana na Terra. Mas, para ele, isso representava, além de um retrocesso uma humilhação; a verdadeira degradação. “Ora, misturar-me com aqueles primitivos ou sequer ser confundido eles...Jamais!” Sem contar que, para tal, deveria ter aceitado, num passado longínquo, reencarnar em meio aos espécimes da raça terrena, imergindo no mundo das formas, algo completamente impensável para os maiorais.” 

Temos informações impressionantes nessas poucas linhas. Primeiramente, os maiorais (sinônimo no livro para os ditadores do abismo, os dragões, a classe suprema na hierarquia das trevas) não encarnaram na Terra, isso está claramente definido nas últimas linhas. Em segundo lugar que, devido a essa escolha (de renegar a reencarnação por milênios) a maioria dos dragões enlouqueceu, ou seja, sucumbiu ao processo de ovoidização, quando após a completa deterioração do corpo astral, o corpo mental inferior regride a forma de um pequeno ovóide, de aspecto enegrecido e gelatinoso, que fica girando alucinadamente no seu eixo central, como um chacra totalmente desregulado, fazendo com que o espírito entre num estado de loucura, vivenciando os próprios ódios e pensamentos destrutivos que começam a tomar conta de si próprio. Esse é o estágio conhecido em diversas literaturas espíritas e espiritualistas como ovóide.

É interessante relembrar que nos processos de deterioração ou diluição molecular das células astrais que compõe o corpo astral e o corpo mental inferior, o primeiro corpo que se dilui totalmente no processo de ovoidização é exatamente o corpo astral. Chega num ponto que as toxinas e feridas no corpo astral tornam-se tão grandes que a energia vital advinda dos chacras e do espírito não consegue mais circular pelas camadas que formam a matriz astral, causando sua diluição por completo, sobrando apenas o corpo mental inferior sofrendo o processo de ovoidização.

O corpo mental inferior em desequilíbrio, ou seja, quando apenas canaliza seu intelecto para práticas antifraternas (caso dos magos da escuridão e dragões) ou quando se torna refém do instinto e sentimentos inferiores (espíritos que desencarnaram e cultivam esse tipo de comportamento, mas não tem o conhecimento iniciático para manter o mínimo de equilíbrio no corpo mental inferior), nesses dois casos ele deixa de possuir seu aspecto ovalado, com brilho, luminosidade e cores, que se expandem num raio de atuação da sua esfera oval entorno de 3 a 4 metros e assim se torna um ovóide, com pouco mais de 1 metro, enegrecido, de textura gelatinosa, girando alucinadamente no próprio eixo em virtude do desequilíbrio dos seus chacras (centros de força).

Esse processo, no futuro, causará a perda da consciência, visto que o corpo mental inferior está intimamente ligado ao cérebro astral no corpo astral e caso esse se dilua, a ligação do cordão dourado entre os dois corpos se perde, e o corpo mental inferior entra em processo de total desequilíbrio, perdendo sua capacidade de servir de veículo ao espírito, tornando-se uma prisão para o espírito que passa a viver entre a inconsciência e a própria ação desequilibrada na própria mente. Nesse caso ele entra numa espécie de inferno interior, algo como no filme “A Origem” onde o espírito passa a viver dentro da própria mente e das próprias projeções, medos e sombras criadas ao longo dos milênios.

Link com o trailer do filme: AQUI 


Esse processo chega no limite, quando o ovóide (corpo mental inferior) simplesmente pára de girar e se torna um ovo "sólido", de matéria astral, com as camadas energéticas totalmente petrificadas. Mesmo esse limite, que pode atingir os dragões, pode ser revertido pela Alta Espiritualidade, pois não existe morte e nem involução para os espíritos criados por Deus, tudo que o espírito aprendeu e vivenciou não se perde, assim como o espírito não morre e nem se desfaz, todo o espírito foi criado com a essência divina e um dia despertará dentro de si essa essência de amor. 

Nesse estágio de ovóide petrificado, que vai além do processo clássico de ovoidização, o espírito perde por completo o contato com o exterior, adentra de tal forma no próprio subconsciente que passa a considerar aquilo como a realidade. Justamente em virtude da gravidade desse processo, é que os dragões terão de ser alocados em um local diferente durante o exílio planetário.


A grande diferença entre magos negros e dragões está justamente na capacidade de postergar esse processo de diluição, enquanto os magos negros necessitam reencarnar de tempos em tempos para evitar a diluição do corpo astral e consequentemente a ovoidização do seu corpo mental inferior, os dragões não apenas conseguem passar pela diluição do corpo astral e ovoidização do seu corpo mental inferior criando corpos artificiais para manifestação, algo muito além na ciência das trevas do que uma simples coluna artificial de matéria astral (ver mais sobre isto no link ao final deste post) e ectoplasma que os magos negros conseguem criar. Inclusive, podemos ainda fazer uma análise com a metáfora dos dragões (nome dado a espíritos muitos antigos que foram exilados pra Terra centenas de milhares de anos antes do exílio de Capela, quando vieram os magos negros), pois os dragões formam a categoria de espíritos que possuem pleno domínio dos elementos (o dragão mergulha, voa, cospe fogo e anda pela terra): os dragões deixam no “ninho” (leia-se Sol Negro) os “ovos” ( seus corpos mentais inferiores já ovalados e petrificados) para que seus espíritos  possam ter energia suficiente para ficar fora desses ovos (que não servem mais como corpos para seus espíritos) e utilizar corpos artificiais, feitos com uma combinação de matéria astral e intensa radiação vinda do Sol Negro.

Todos os dragões que estão nos confins das trevas estão com os seus corpos de origem já no estado de ovóide petrificado, a grande questão é que alguns poucos ainda conseguem manter a consciência devido ao uso de corpo artificiais (como relatado no capítulo 4 de “A Marca da Besta”), fornecido pela líder dos ditadores. Todos aqueles que em algum momento tentaram rebelar-se contra essa liderança, perderam o direito de utilizar esses corpos e inevitavelmente ficaram aprisionados ao ovóide petrificado. Aqueles que se submetem as diretrizes da líder dos dragões, podem usar esses corpos artificiais e assim assegurar uma manifestação mais livre em relação aos seus corpos de origem já em decomposição, no estágio de ovóide petrificado.

Na página 187, capítulo 4 da “A Marca da Besta” é esclarecido que existem mais de mil dragões aprisionados na Terra, sendo que pouco mais de 600 conservam lucidez e dentre esses, existe uma elite com 7 maiorais e um supremo líder. Nessa mesma página é relatado o aspecto escultural do aparato humanóide criado pela líder dos dragões e que serve de corpo artificial aos dragões que não perderam a consciência (ou seja, ficaram definitivamente presos ao seu corpo mental inferior de origem em estado de ovóide petrificado). Foi essa forma humanóide mais perfeita que tentaram criar em meio a humanidade de mais de 800 mil anos atrás e ao perceberem que seria impossível criar aquela forma em meio ao mundo das formas (dimensão material), decidiram-se por nunca reencarnar na Terra.

Atomo, sol negro, movimento orbital, fractal, imagem digital

O número de dragões exilados na Terra diz respeito ao conjunto de inteligências originárias de Morg que vieram pra Terra após diversas batalhas e destruições de vários orbes, inclusive Erg. O número exato desses seres é de 1777, sendo que todos os 1777 corpos mentais inferiores na forma de ovóides petrificados está disposto em 24 grupos de 72 corpos, grupos esses agrupados em forma circular ao redor da egrégora do Sol Negro, que nada mais é do que um conjunto de duas pirâmides semelhantes ao diamante girando dentro de uma esfera imaginária como se fosse um átomo e ao longo dessa esfera duas correntes de energia, uma expandindo e a outra atraindo energia. No centro dessa egrégora, existem 49 corpos em estado de ovóide petrificado, sendo um deles o da líder dos dragões e demais 48 corpos pertencentes aos mais fortes mentalmente, que ainda preservam a lucidez, utilizando corpos artificiais feitos pela líder dos dragões e que  formam uma espécie de campo retangular, onde estão agrupados 12 em cada um das pontas do retângulo, agrupados formando um pequeno círculo em cada um dos vértices desse retângulo, totalizando 48 corpos e no centro o corpo da líder, canalizando essa energia toda da egrégora do Sol Negro, o que possibilita um poder acima de todos os demais dragões, sobretudo na atividade mental.

Esse campo retangular possui a dimensão da câmara dos reis, só que em proporção maior: 104 metros de comprimento, 52 de largura e 58 de altura, um campo totalmente fechado, apenas aberto no “teto” em um retângulo central proporcionalmente menor, com 10.40 metros de comprimento, 5.20 metros de largura e 5.80 de altura, onde está depositado em um pedestal o corpo petrificado da líder dos dragões.

Toda a estrutura astral do Sol Negro é semelhante a estrutura astral das pirâmides atlantes, a única diferença é que os dragões utilizam essa egrégora para o mal, enquanto que na Era de Ouro Atlante, os magos da luz utilizavam o conhecimento dessa geometria sagrada para realizar o bem. Inclusive em um passado remoto, os sumérios representaram essa estrutura de poder dos dragões em imagens e que muitos estudiosos da cultura suméria pensam ser a representação de Nibiru ou algum planeta extrasolar:


Tábua Suméria mostrando o Sol Negro (Nibiru)

Nesse cuneiforme e em um outro aparecem figuras semelhantes: uma espécie de estrela de 4 pontas formando uma cruz, irradiando uma espécie de energia, como podemos ver na figura acima. O movimento do Sol Negro em três dimensões é como um átomo girando e se fossemos representar artisticamente essa visão em duas dimensões, ficaria bem semelhante ao disco com a figura acima. Como já exposto aqui no blog sobre os textos da Transição Planetária, o que ocorrerá no auge da Tribulação é que o Sol Negro será imantado ao Apophis e formará algo no céu parecido com um segundo Sol ou um outro planeta visível no céu , pois não existe a possibilidade matemática e astronômica de algum orbe, anã marrom ou planeta extrasolar chegar a Terra nas próximas décadas como já mostrado na série de posts comentando a palestra do André Luiz Ruiz e em vários textos da fanpage.  

Coluna Artificial de matéria astral: AQUI          

Esse post complementa o assunto abordado na fanpage sobre os outros exílios além de Capela, sobretudo o exílio da constelação de Perseus a 800 mil anos atrás, que deu origem a toda mitologia de Perseu, inclusive a lenda da Medusa e das Górgonas (mulheres aladas com serpentes no lugar dos cabelos), uma antiga referência mitológica que já existia desde os tempos da Atlântida a respeito da líder que comanda os dragões que existe até os dias de hoje. O assunto está descrito nesse item da fanpage: AQUI

FanPage Profecias o Ápice em 2036: 

http://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036