25 de abr de 2012

A Arte da Magia: Umbanda e Kimbanda

Supernova, sistema solar, estrela brilhante, universo em arte digital

Nos últimos anos, com o sucesso das obras do Róbson Pinheiro, o meio espírita pôde conhecer um pouco mais alguns dos conhecimentos da Umbanda, graças ao trabalho pioneiro desse médium, sobretudo com o grande sucesso “Tambores de Angola”, desmistificando uma visão muitas vezes errônea que alguns espíritas tinham da Umbanda.

Nesse post falarei sobre a magia branca e a magia negra, sobre o que é afinal a kimbanda, a diferença entre exus e kiumbas e qual a forma de se realizar um trabalho voltado pra magia branca, inclusive na questão do horário. Só pelo horário de um trabalho é possível saber sua finalidade.

Mas antes de mais nada, um importante esclarecimento do livro “Tambores de Angola”, que deixarei disponibilizado em link ao final desse post, é um livro pequeno com pouco mais de 60 páginas:

“Não se devem confundir as pessoas mal intencionadas, os médiuns interesseiros com a religião em si. Em qualquer lugar onde as questões espirituais são colocadas como uma forma de se promover, tirar proveito ou manipular a vida das pessoas, envolvendo o comércio ilícito com as esferas invisíveis, ocorre desequilíbrio e é atraída a tensão de espíritos infelizes.” (Capítulo intitulado “Um Recurso Diferente”)   

O comércio ilícito com as esferas invisíveis é justamente a troca de favores com entidades trevosas, ou seja, doar algo que elas necessitam (ectoplasma dos encarnados) em troca de algum benefício, é quando o médium deixa de se preocupar com a causa, religião ou doutrina a qual milita e passa a usar essa causa, religião ou doutrina apenas para o benefício da promoção da própria imagem, extraindo energias ectoplasmáticas das pessoas com as quais tem contato das mais diversas formas, desde processos de vampirização direta no astral chegando até mesmo a ações de vampirização em grupos inteiros.

É importante ressaltar que em toda ação ou trabalho, seja por aqueles que operam no bem (magia branca) ou no mal (magia negra) necessita-se de energia ectoplasmática. Nos trabalhos de magia branca o ectoplasma serve como condutor das energias em alta vibração enviada pelos mentores, pretos velhos, espíritos de alta evolução moral, para que essa energia possa ser usada como remédio nos encarnados. Da mesma forma, nos trabalhos de magia negra, a energia coletada dos encarnados através de vampirização é impregnada com criações e clichês mentais negativos pra fortalecer as equipes trevosas e possibilitar que essas ataquem algum ou alguns encarnados em determinado trabalho.

Esse ectoplasma é armazenado numa espécie de reservatório psíquico, simbolizado na Umbanda na figura do congá (o altar) pra onde todos aqueles que trabalham em prol do bem canalizam sua energia mental, criando ali uma verdadeira egrégora, que utilizará o ectoplasma que está nesse resevatório para energizar os médiuns, favorecer os trabalhos de desobsessão, encaminhamento e tratamento das entidades trevosas, em suma, pra dar a sustentação energética aos trabalhos.  Em oposição a esse trabalho de luz, na magia negra também existem os reservatórios psíquicos, utilizados pelas milícias (equipes de espíritos trevosos) a serviço dos magos negros e seus asseclas, encarnados e desencarnados, pra realizar todo tipo de trabalho de combate a luz.

As milícias, falanges trevosas, recebem na Umbanda o nome de kiumbas, ou seja, espíritos a serviço dos magos negros, de má índole, encarnados ou desencarnados. Os kiumbas encarnados procuram os desencarnados pra conseguir vantagens materiais, explorar os outros e até mesmo trabalhos de morte ou destruição contra outras pessoas.

Por esse motivo a kimbanda ou quimbanda é conhecida no Brasil como magia negra, em oposição a Umbanda, que é conhecida como magia branca, essas são as nomenclaturas mais usuais, o próprio Robson Pinheiro faz essa clara associação: kimbanda ou quimbanda – trabalho feito com kiumba. É a definição que acho mais simples e de fácil compreensão. Entretanto, existe na Umbanda um trabalho que também é de magia branca, só que voltado para o resgate de seres trevosos ou simplesmente perdidos no astral inferior, realizado com o auxílio específico de seres de boa índole, mas de índole guerreira, que atuam como protetores dos trabalhos da Umbanda, sobretudo na entrada da casa onde ocorrem os trabalhos como nos quarteirões envolta.

Guardião, guardiões, exú, hostes do cristo no umbral, guerreiros

São a polícia do astral, a falange do bem, espíritos justiceiros a serviço dos mentores e pretos velhos. São eles que combatem as milícias e falanges trevosas, bem como combatem os kiumbas e magos negros. Esse trabalho de resgate e de polícia é feito pelos espíritos conhecidos como guardiões, falange do bem, exus, é um trabalho conhecido na Umbanda como “Trabalho de Esquerda” pois visa o combate aos marginais do astral inferior, os kiumbas e também os magos negros e suas instalações no astral, que volta e meia são destruídas pelas equipes de guardiões/exus, dentre essas instalações muitas “usinas” de reservatório ectoplasmático, uma espécie de congá, só que utilizado para fins trevosos que em nada tem haver com a nobre função do congá usado na Umbanda.

Alguns desses casos são narrados no livro “Tambores de Angola” e também aqui no blog, na série de 5 textos sobre experiências com desdobramento. O primeiro desses 5 textos está  AQUI 

Inclusive muitos kiumbas tentam se apresentar nas casas de Umbanda e a seus médiuns (cavalos) como se fossem exus, pra gerar confusão e dúvida quanto a ação dos verdadeiros exus, que são os guardiões guerreiros da Umbanda. Por esse motivo muitas pessoas ainda enxergam com maus olhos os exus, pois os associam de forma errônea aos kiumbas.

Outra confusão ocorre com as pombas-giras, pois muitas pessoas ainda associam seu nome a espíritos de polaridade femina (perispírito na forma feminina) muito ligados ao sexo desregrado e bebedeiras. Antes de mais nada, é preciso esclarecer que pomba-gira nada mais é do que o nome das guardiãs, ou seja, as exus de polaridade feminina que exercem o mesmo serviço dos guardiões/exus, normalmente nos trabalhos de esquerda e na proteção das casas de Umbanda ou toda e qualquer casa (espírita, apométrica) que trabalhe com magia branca, ou seja, voltada pra luz, para o bem ao próximo visando o crescimento espiritual e a reforma íntima. Espírito que se apresenta na forma de mulher que gosta de sexo desregrado ou bebedeira não é pomba-gira mas sim kiumba matreira ou maga das trevas querendo enganar os médiuns menos desavisados. Na trilogia “Reino das Sombras” o médium Robson Pinheiro também esclarece a real natureza da pomba-gira.

Pomba gira, sacerdotisa da luz, guardiã, guerreira, exú feminino

Inclusive a principal ação das guardiãs pomba-gira é ajudar a frear os desvios sexuais do ser humano (por isso são tão atacadas pelos kiumbas, pois é do desvio sexual que surge grande cota de ectoplasma que as trevas se alimentam), desvios que normalmente aparecem na forma de sexualidade desregrada, promiscuidade, uso excessivo de energia vital e mental na prática sexual, obstrução do chacra cardíaco devido a animalização do ato sexual em detrimento do sentimento (o que nos médiuns faz com que estes não consigam mais entrar em contato com esferas superiores pelo bloqueio do cardíaco, fazendo com que necessitem de vampirização de ectoplasma pra “cobrir” o gasto excessivo que realizam), bem como o total desequilíbrio do chacra básico, deixando a energia kundalínea ou telúrica totalmente presa aos chacras inferiores, fazendo com que o instinto sexual obstrua cada vez mais a razão e obstrua de forma completa expressões mais elevadas de sentimento. A guardiã pomba-gira é, em suma, uma guerreira magista, uma autêntica sacerdotisa, que tem firmes os seus propósitos, sobretudo quando encarnada, não se deixando levar pela sexualidade desregrada ou uso da sexualidade pra conseguir ascensão social ou fama.

Outra questão interessante é quanto ao horário de realização dos trabalhos espirituais, tanto na Umbanda, Espiritismo e Apometria, bem como exercícios de mentalização e meditação. Quem já freqüenta casas espíritas, de umbanda ou apometria, sabe que todos os trabalhos a noite tem um limite de horário, todos invariavelmente terminam as 23 horas ou no máximo 23:30h (salvo raras exceções quando por falta de médiuns suficientes, algumas pessoas são atendidas após esse horário, mas nesses casos de exceção a segurança astral entorno do local é redobrada naqueles minutos extras) e praticamente em sua totalidade, não existe trabalho espiritual em época de carnaval (aqui no Brasil). 

Isso ocorre por um motivo muito simples: na época do carnaval, as equipes de guardiões, que protegem os centros e casas espíritas e espiritualistas, não tem como realizar a plena segurança desses locais, devido a tamanha carga de energias negativas que é gerada nessa época. Da mesma forma, entre meia noite e uma e meia da manhã é o horário onde fluem com mais força as energias negativas do astral inferior (umbral) para o astral intermediário ( a contrapartida astral da superfície terrestre), quando os espíritos trevosos chegam em maior quantidade e força a superfície. Exatamente por isso, trabalhos espirituais de magia branca, em centros ou casas, assim como mentalizações e meditações não são realizadas nesse horário, pois a influencia negativa dessas entidades é muito maior e desordenada.

Nesse horário, entre meia noite e uma e meia, no auge da escuridão, é que as pessoas encarnadas e desencarnadas ligadas a magia negra fazem seus trabalhos de baixa magia. Inclusive na kimbanda, existe um dia especifico pra esse tipo de trabalho, quando é ainda menos aconselhável realizar qualquer trabalho espiritual, é exatamente no primeiro segundo de sexta feira, ou seja, na virada da noite de quinta pra sexta, entre os últimos minutos de quinta e a primeira uma hora e meia de sexta, é o dia da semana onde ocorrem os mais terríveis trabalhos de magia negra.

A magia negra ( magia realizada com a intenção de fazer mal a alguém) é usada em cultos em algumas terreiras (que não possuem ligação com a verdadeira Umbanda) sob o nome de catimbó (do tupi “morte na floresta”), onde trabalhos com kiumbas são iniciados sempre a meia noite . Pai Da Matta (W.W. da Matta e Silva) esclarece o assunto nos livros “Mistérios e Práticas da Lei da Umbanda” pagina 27 e 28 e no “Segredos da Magia de Umbanda e Quimbanda” páginas 132, 133 (4ª edição), ambos da editora Icone. O link para maiores informações pode ser visto AQUI 


W.W. da Matta e Silva esclarece:

 “Nesse “Catimbó”, que ainda hoje em dia existe (infelizmente) e em muitos Estados e que, por aqui, pela Guanabara, já incrementaram como uma espécie de apêndice de muitos “terreiros”, o qual fazem funcionar depois da meia-noite. Isso é que há de mais escuro, trevoso e prejudicial. Nele, o que manda é o dinheiro e o mal. Os despachos, “as arriadas” para os tais mestres de linhas com seus encantados é coisa corriqueira e tudo é feito na base do pagamento...Os seus praticantes – os chamados de “catimbozeiros” são de baixíssima moral espiritual etc. Esses infelizes estão irremediavelmente presos nas garras do astral inferior – no que há de mais inferior mesmo, do baixo astral..”

Como já exposto aqui, entre meia noite e uma e meia da manhã é o auge da escuridão, quando a energia solar se encontra em menor quantidade sobre a terra. Isso se explica pelo nascente e o poente do Sol, no inverno temos dias mais curtos, com intervalos de até 13 horas entre o poente e o nascente. Isso explica porque em países com invernos mais rigorosos, mesmo com a boa qualidade de vida (Suíça, Noruega) o índice de depressão e suicido é enorme. No Brasil por exemplo, o estado do RS e a capital Porto Alegre são os recordistas nessas estatísticas proporcionalmente, justamente pela diminuição dos raios solares. Em virtude disto, dessa baixa energia solar que atinge o auge exatamente entre meia noite e uma e meia da madrugada é que os trabalhos de magia negra são feitos. Se pegarmos os mapas com o horário do nascente e do poente veremos que o auge da escuridão é exatamente próximo a esse horário:

2 de abril de 2012: 18:04 – 06:15  (auge 00:09)

21 de maio de 2012: 17:30 – 06:36 ( auge 00:03)   

Quem quiser ver um pouco mais:

Texto sobre os efeitos do inverno rigoroso: AQUI 

Efemérides: AQUI 

Kiumba feminino, catimbó, obsessor, umbral, kimbanda, magia negra

Mentalizações e meditações entre meia noite e uma e meia da madrugada, tornam-se ainda mais perigosos em dias de abertura de grandes portais, como por exemplo o de 11-11-11 ou o de 21 de dezembro de 2012, que curiosamente vai ocorrer numa sexta feira. 

Magos negros e kiumbas , sabendo dessa grande energia purificadora que virá pra Terra nos primeiros raios de sol da sexta feira, 21 de dezembro, tentarão desesperadamente fortalecer suas construções astrais e usinas reservatórias de ectoplasma com pesados trabalhos de magia negra, exatamente de quinta pra sexta (20 de dezembro pro dia 21), tentando conseguir o máximo de ectoplasma dos desavisados , pois sabem que a partir dos primeiros raios de Sol do dia 21 de dezembro, uma pesada ofensiva será imposta pelos guardiões, aproveitando a energia desse portal. 

Essa ofensiva dos guardiões ocorrerá no mundo todo, respeitando o fuso horário de cada país, quando os primeiros raios de Sol chegarem a cada território global, começará intensa ação no astral intermediário e depois no astral inferior, pra levar uma quantidade significativa de espíritos já considerados exilados pela justiça divina que estão no umbral da Terra bem como nas regiões inferiores lunares, pois estes já serão exilados na primeira vinda do Apophis, em 9 de janeiro de 2013, que levará a primeira leva de exilados através das duas “correntes” entre a Terra e o cinturão de fótons em Alcyone e depois em 2029 e finalmente um gigantesco número de espíritos em 2036.

Ver mais sobre o primeiro exílio: AQUI 

Muitas mentalizações e meditações devem e precisam ser feitas nesse dia, pelas pessoas interessadas pelo bem do planeta para auxiliar os guardiões, mas de preferência ao meio dia, no auge do Sol ou caso não seja possível, em virtude da rotina profissional de cada um, pode-se realizar essa ação a noite, mas de preferência antes das 23horas. 

Trabalho espiritual, mentalização e meditação jamais devem ser feitos entre meia noite e uma e meia da madrugada, muito menos de quinta pra sexta, pois é o dia mais usado pra magia negra. Se os guardiões desaconselham até mesmo médiuns experientes e casas sérias a trabalhar nesse horário, o aviso é ainda mais taxativo pros que não tem o conhecimento de como se defender no astral mediante certas situações de embate.

Que cada um de nós possa aproveitar a salutar energia desse portal, a partir dos primeiros raios de Sol de sexta até as 23horas do mesmo dia, pois dessa forma sintonizaremos com a luz em plena segurança e ajudaremos os guardiões a destruir as instalações astrais que receberam autorização pra destruir.

Portal de luz em 2012, alcyone luz azul, iluminação


Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook: 
http://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036


20 de abr de 2012

Plano Astral: O Modo de Vida atual e as Grandes Mudanças durante a Transição Planetária


Uma questão interessante englobando os temas abordados aqui no blog foi enviada  nos comentários, aproveito então pra compartilhar com os leitores:


“José, seu pai está numa das "cidades espirituais", no astral superior, certo? Mas há quem desencarne e fique por aqui mesmo, "vagando" por aí, o que seriam os "fantasmas", presos a esse ou àquele lugar, não? Eles estariam no astral intermediário? O astral intermediário seria mais ou menos por aqui onde estamos e teria muita gente desencarnando e vivendo nesse astral intermediário? E o astral inferior seria o "inferno", e só vão para lá os que cometem muitos ou graves pecados, aqueles muito egoístas e/ou muito maus?” (Alexandre)


Essa pergunta foi feita no quinto texto sobre experiências com desdobramento: AQUI 


Olá Alexandre, muito interessante tua pergunta, pois sintetiza algumas questões que abordei nesses 5 textos. O astral superior está na contrapartida astral do nosso céu físico, o astral intermediário está na contrapartida astral da superfície terrestre (onde estão as ruas, prédios, parques, praias e etc) e o astral inferior está na contrapartida astral das zonas crostais e subcrostais do plano material da Terra.

No astral inferior está localizado o chamado umbral, o local do astral mais denso e mais próximo da realidade física que os encarnados vivem. Nesse local existem diversos hospitais e bases guarnecidas pelos guardiões e são responsáveis por receber os desencarnados, pois salvo raríssimas exceções (espíritos de grande evolução moral, minoria na Terra) todos ao desencarnarem vão para os hospitais do astral inferior, pois apresentam o corpo astral ainda muito denso e preso as sensações da matéria, muitos inclusive ainda com fome e necessitando fazer suas necessidades fisiológicas como se encarnados ainda estivessem.

Em virtude do nível moral atrasado da maioria dos habitantes da Terra (algo entorno de 2 terços dos espíritos, ou seja, 14 bilhões) o umbral ou astral inferior passou a ser associado a um inferno ou local onde só existem espíritos ruins, mas é o local por onde a grandíssima maioria de nós necessita passar antes de ser encaminhado para hospitais em colônias ou cidades localizadas no astral superior e entre o astral intermediário e superior e mesmo essas cidades do astral superior como "Nosso Lar" estão ainda muito longe das cidades de imensa luz onde habitam os espíritos mais evoluídos da Terra, são cidades que ficam envolta da magnetosfera terrestre e que não podem ficar muito próximas do campo ou aura terrestre no momento atual devido ao algo grau de elementos tóxicos emanado pela maioria dos encarnados que vivem nos planos ou dimensões terrestres.


Ocorre também que muitas das pessoas que desencarnam ainda estão presas a vícios, como drogas, álcool, sexualidade desregrada, apego aos bens materiais, apego ao próprio corpo físico, apego aos familiares, apego a ódios contra outras pessoas e acabam simplesmente por se recusar a receber tratamento nos hospitais do astral inferior, normalmente fugindo e indo parar nos feudos comandados por milícias e magos negros, isso sem falar nos inúmeros casos de assassinos e criminosos contumazes que ao desencarnarem já são diretamente encaminhados a esses feudos por necessitarem purgar uma carga tão grande de toxinas astrais que somente nos charcos umbralinos podem efetuar essa drenagem para que somente depois disso e caso mostrem algum interesse moral e verdadeiro, possam receber ajuda dos hospitais superiores localizados no astral inferior e mesmo assim, em muitos casos, as milícias fazem de tudo pra manter essas pessoas presas aos charcos, o que gera volta e meia confrontos entre os milicianos ou kiumbas  contra os guardiões.


E o confronto entre as forças da escuridão (kiumbas) e da luz (guardiões) não para por aí, pois existem ainda as entradas ou portais entre o astral inferior e intermediário, que em virtude do atual momento conturbado da humanidade acaba fornecendo farta energia negativa aos seres trevosos, possibilitando que estes controlem diversos portais e pontos de ligação no astral intermediário. Através desses portais, pessoas perdidas no astral inferior acabam fazendo todo tipo de acordo pra poder “passear” no astral intermediário, normalmente pra obsediar alguém , seja por uma vingança, seja pra relembrar sensações da matéria como “montar” em pessoas que bebem em demasia ou usam drogas ou ir aos inferninhos aurir a energia mais densa do sexo desregrado, instintivo, sem sentimento.

A maioria dos espíritos que perambula pelo astral intermediário está nesta situação, mas existe ainda um segundo caso: pessoas desencarnadas que após se recuperarem  nos hospitais do astral inferior e depois nos hospitais do astral superior (ambos controlados por equipes socorristas ligadas as fraternidades do Bem) se propõe a trabalhar pela sua reforma interior e o fazem de diversas formas: seja ajudando pessoas encarnadas, muitas vezes familiares e amigos próximos, sendo uma espécie de auxiliar do mentor ou espírito guardião dessa pessoa, muitas vezes fazendo o “meio de campo” entre o encarnado e o mentor, pois muitas vezes o encarnado está tão invigilante ou perdido que o mentor não consegue se aproximar do campo vibratório do seu protegido, necessitando de um espírito que possua um laço de amizade ou carinho e que tenha uma energia mais densa, para que então ele possa atuar.

Muitos desses desencarnados interessados no trabalho pela reforma moral também se tornam auxiliares das equipes socorristas, que volta e meia atuam no socorro a espíritos recém desencarnados, em acidentes automobilísticos ou aéreos, muitas vezes o espírito, por mérito ou ausência de determinado karma, é desplugado milésimos ou segundos antes do acidente ou choque fatal, nem sentindo o impacto ou o sofrimento do choque e pra essa trabalho é necessário um numero grande de espíritos trabalhadores.

Explicado isso, posso responder as tuas perguntas:

Meu pai atualmente trabalha numa das equipes ligadas a fraternidade do Sol e da Lua, junto com outros médiuns ostensivos desencarnados (ou seja, que eram médiuns ostensivos quando encarnados) atuando no preparo de muitos médiuns encarnados e auxiliando em diversas tarefas e experiências desses médiuns encarnados, como no desenvolvimento de mediunidade, ampliação de experiências astrais como desdobramento entre outros serviços ligados a essa linha de trabalho.

Da mesma forma são colaboradores de equipes socorristas que atuam em diversos centros espíritas e espiritualistas, pois devido a esse conhecimento e experiências com mediunidade ostensiva, podem melhor inspirar os médiuns de mesa  ou de umbanda e facilitar a aproximação das entidades superiores, seja na roupagem de um mentor ou de um caboclo ou preto velho.

Outra atividade importante desse grupo é rastrear médiuns que porventura estejam buscando, mesmo que inconscientemente ao dormir (ou seja, não lembram disso ao acordar), aliança com magos negros, buscando fama ou reconhecimento por causa de sua mediunidade, normalmente são médiuns que desejam ganhar fama e reconhecimento com seu dom mediúnico, seja por algum trabalho de cura ou de palestra ou de escrita de livros e acabam, por causa desse desejo, abandonando os cursos no astral ministrados pelas equipes ligadas a falanges do bem (como essa que meu pai participa) e acabam por buscar alianças escusas com magos negros, que ensinam, por exemplo, determinados comandos de voz, o uso de símbolos magísticos astrais em determinado texto que seja escrito, tudo pra causar alienação e hipnose nos menos avisados, para que a pessoa acabe enxergando esse médium como alguém superior ou perfeito, que jamais erra.

Tem um relato interessante sobre uma dessas missões que foi realizada por outro médium aqui do sul, apesar de não concordar com tudo que ele escreve e achar que ele se confunde em algumas questões, como por exemplo, com a questão dos dragões, a essência deste relato em si é muito boa, valendo a pena ser lido:  AQUI 


Quanto à questão das pessoas desencarnadas presas ou vagando pelo astral intermediário (que está na contrapartida astral das ruas, prédios, cidades do plano físico): sim, tem pessoas que ficam presas em diversas situações, que muitas das vezes desencarnam e não aceitam abandonar o corpo físico, necessitando de um desligamento total para que sejam encaminhadas aos hospitais do plano astral inferior, devido à grande densidade que seu corpo astral apresenta.

Em muitos casos de pessoas que morrem doentes, muitos membros da família não desejam que a pessoa vá embora e em outros casos o doente não aceita o desenlace, então o corpo físico é enterrado, mas a alma, com seu corpo astral, continua na casa, presa ao campo mental dos moradores da casa, muitas vezes formado pelos próprios familiares e em outros casos formado pela própria pessoa, sendo na maioria dos casos necessário que a família ou o membro da família mais saudoso procure uma orientação espiritual pra permitir que o campo seja enfraquecido e o espírito encaminhado.

Em certos casos se estabelece um laço tão forte, quase simbiótico, que são necessárias semanas de trabalho da equipe socorrista na casa, pois muitas vezes o mentor ou espírito guardião precisa doutrinar o membro da família ou a pessoa que desencarnou, tratar o espírito ali mesmo na casa (no astral intermediário) para que só assim, com os laços energéticos desfeitos e um mínimo de entendimento o espírito seja encaminhado. Quando isso não ocorre, muitas vezes é o sofrimento no campo mental do espírito que desencarnou (mas não aceita se desligar da sua casa no plano físico) que abre brecha  no campo envolta dele para que ele seja levado.

Existem ainda outras questões, como por exemplo, locais que foram usados pra muita morte ou sofrimento, como prisões, antigos quilombos ou terras que foram palco de enfrentamentos armados. Nesses locais pode acontecer (e muitas vezes isto acontece) de portais serem abertos por entidades trevosas, entre o astral intermediário e o inferior, e muitos facínoras ou espíritos altamente endividados acabam por ficar presos, tanto no astral inferior como no astral intermediário dessas localidades físicas.

Em virtude de toda essa trama, que ainda envolve outras questões como construções no astral intermediário (como relatei nessa série de 5 textos sobre experiências com desdobramento e nos 3 textos sobre chacras planetários), é que teremos a partir de 2012 uma intensificação da faxina no astral inferior e intermediário da Terra, levando os espíritos que tenham de ser exilados nessa janela de 2012-2036 e destruindo instalações muitas das vezes milenares, de magos negros e milicianos.


Obviamente que essa limpeza não vai ser um único dia, não acordaremos dia 22 de dezembro de 2012 numa Era de Luz ou Regeneração, mas sim com o convite de nossos mentores e amigos espirituais pra pegar na vassoura e no esfregão e ajudar não apenas na nossa higienização moral, mas também pra colaborar na higienização física, astral e mental do planeta, num processo longo que terá de expurgar muita sujeira escondida, necessitará de muito suor, coragem e luta e vai drenar essa sujeira das mais diversas formas, mas isto é necessário para que a Terra e seus moradores possam entrar com a túnica limpa e suas colunas também limpas na Era de Regeneração ou Era de Luz, que vem depois da transição planetária, ou seja, somente após 2036. 


Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook: 
http://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036


19 de abr de 2012

Experiencias com Desdobramento (Parte 5 / Final) - A Vida após a morte

colonia espiritual nosso lar, entrada e portal de nosso lar, andre luiz


Parte IV: AQUI

Pra fechar essa série de textos relatando experiências em desdobramento astral, vou contar uma maravilhosa experiência que eu pude vivenciar. Meu pai foi um dos médiuns mais atuantes do Dr. Fritz, incorporando esse espírito por aproximadamente 30 anos. Segundo relatos do próprio Dr. Fritz, nas mais de 500 reuniões semanais que pude presenciar e que ocorriam todas as sextas na casa onde eu morava, sua equipe conta com mais de 400 médicos e pertence a uma fraternidade presidida pelo espírito de Frei Fabiano de Cristo. Dentro dessa fraternidade existem outras equipes, não apenas equipes médicas, mas também uma equipe de guardiões liderada por dois pretos velhos: Tio Elias e Pai Jeremias. Essa equipe chamada pelo Dr. Fritz de “tropa de choque” é a responsável pela segurança das reuniões no astral, pois todos esses encontros são muito visados por milícias umbralinas que não tem interesse na execução deste trabalho de ajuda ao próximo.


preto velho, pai velho, negro na umbanda, caboclo, espírito de luz

Essa fraternidade espiritual tem o nome de Fraternidade do Sol e da Lua, segundo informações trazidas pelos espíritos amigos nas reuniões do Dr. Fritz. Essa fraternidade inclusive é relatada de forma velada no livro “O Caminho dos Essênios”.

Ela congrega espíritos que desde a época da Atlântida trabalharam pela disseminação de conhecimentos sobre o intercambio mediúnico, espiritualidade e busca da paz entre os diferentes grupos, tribos e famílias, sobretudo na região da Ásia e do Oriente Médio, sendo que nos últimos séculos tem trabalhado mais ativamente na Europa e na America, seguindo o movimento de divulgação do Espiritismo e intercambio de informações que começou a ser mais acelerado, com a vinda das obras de Ramatís, espírito que também faz parte dessa fraternidade.

E porque esse nome? Pois ela representa a dualidade do Universo, do que está além da Terra (por isso Sol e Lua), emoção e razão, masculino e feminino, fim e recomeço. Essa fraternidade iniciou-se com as sacerdotisas dos povos vermelho e branco da Atlântida, numa época bem anterior a vinda dos exilados de Capela e do afundamento da Atlântida.

sacerdotiza atlante povo vermelho, sol e lua, cigana da luz

Essa fraternidade inclusive colaborou na construção da Esfinge antes do afundamento da grande Poseidônis. As sacerdotisas do povo vermelho eram conhecidas como as do Sol, realizavam normalmente suas cerimônias ao amanhecer, nos primeiros raios de luz da manhã enquanto as sacerdotisas (também conhecidas como magas da luz) do povo branco realizavam suas cerimônias ao entardecer, quando o céu da Atlântida começava a ficar violeta. Estes eram os horários ou períodos destinados as cerimônias magísticas voltadas para o bem, o autoconhecimento e crescimento moral, somente com a vida dos rebeldes exilados que começaram a encarnar entre os atlantes é que essas cerimônias começaram a ser profanadas, com matança de animais, banhos de sangue, "cerimônias" que em verdade eram verdadeiras orgias e sempre se iniciando no auge da noite, à meia noite para canalizar ainda mais energia negativa. Nessa época, já próxima ao afundamento final da Atlântida, as sacerdotisas que realizavam essas cerimônias de magia negra eram conhecidas como as da Lua Negra ou Lilith, usavam como vestimenta tradicional um manto escarlate e sobre os chacras terceiro olho e da nuca pintavam com sangue símbolos magísticos para que conseguissem potencializar ainda mais suas experiências no astral inferior durante as cerimônias da meia noite.

Já os símbolos do Sol e da Lua utilizados pelos magos e magas da luz percorreram várias nações após o fim da Atlântida como o símbolo da Divindade, mas para os iniciados e pertencentes a fraternidade, era também um símbolo daqueles que conheciam e entendiam a busca pela espiritualidade através do Deus único.

Foi assim com Akhenaton, simbolizando Deus como um Sol, da mesma forma com o povo hebreu simbolizando na estrela de Davi (o Sol é uma estrela) a Divindade e da mesma forma no Islã a Lua simbolizando a Divindade. A grande maioria dos essênios, desde os sacerdotes (primeiro grau da hierarquia), os terapeutas (segundo grau da hierarquia), os zeladores/guardiões (terceiro grau da hierarquia) eram de espíritos pertencentes a essa fraternidade, umas das muitas que trabalhou e trabalha pela disseminação do conhecimento da espiritualidade e da reforma moral ao longo desses vários milênios.

A experiência astral que tive ocorreu justamente 13 meses após o desencarne do meu pai.

Havia aproximadamente um ano que ele desencarnara e então, após dormir, fui levado a um apartamento no plano astral, muito semelhante a um dos apartamentos que vivi durante a minha infância e onde presenciei as primeiras reuniões com o Dr. Fritz, isso com 6 pra 7 anos de idade. Esse apartamento possuía um comprido corredor que terminava na sala principal, onde ficava a porta de entrada do apartamento.

Estava lá, desdobrado conscientemente nesse corredor, mas havia uma espécie de barreira mental entre o final desse corredor e a sala, do que então apareceu uma jovem senhora, de cabelos até o ombro, meio avermelhados, alguém que não conhecia no plano material, mas que transmitia uma energia de tranqüilidade e paz. Algo que busquei treinar sempre desde jovem, foi a prática do “rastreamento”, para identificar vibrações negativas mesmo em espíritos aparentemente bons.

Ela me perguntou se eu estava realmente pronto para o encontro, pois havia pouco tempo que meu pai desencarnara. Falei mentalmente que sim, estava pronto e muito feliz pela oportunidade. Meu pai desencarnou próximo de completar 65 anos, tive então uma grata surpresa: após a barreira mental ser desfeita, segui até a porta e a abri, já sabendo que ele aguardava do outro lado.

Aparentava pouco mais de 40 anos, pleno em saúde. Dei então um longo abraço nele, feliz por vê-lo de forma tão clara e lúcida naquele momento, como ele estava bem. Senti uma troca de energias muito especial e sentia-me muito grato por aquele momento que os espíritos amigos me permitiam.

Após esses breves momentos, em virtude da grande emoção e do tempo que era permitido a mim e a ele para esse reencontro, fui tracionado para o corpo físico, e assim que adentrei o corpo físico me levantei, sentando na cama e vi do lado, na cabeceira da cama já com os olhos físicos abertos, um aparelho eletrônico, que estava no astral, e que mostrava em seu visor diversos caracteres do alfabeto atlante.

Era uma máquina que havia sido especialmente utilizada para proporcionar esse encontro e manter-me pelo tempo suficiente desdobrado conscientemente e também não perder as lembranças do encontro que acabara de ter vivenciado e que já estavam perfeitamente gravadas no meu cérebro físico.

Sabia da existência dessas máquinas, pois nas próprias reuniões com o Dr. Fritz ele havia mencionado o uso desses aparelhos para tratamentos de saúde aos pacientes, mas era a primeira vez que vi, tão claramente com a vidência “aberta” um desses aparelhos modernos utilizados para colaborar em desdobramentos conscientes.

Fiquei muito feliz por esse presente dos amigos da espiritualidade, pois em ocasiões anteriores a esse desdobramento já havia visitado meu pai num hospital do astral e pude ver toda a progressão da sua recuperação após o desencarne. Foi um grande presente e uma grande prova para mim que a vida após a morte longe de ser uma simples crença religiosa, é muito mais, é uma ampla realidade da qual sou testemunha ocular. 




Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook: 
http://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036

15 de abr de 2012

Guiné Pipi, mais forte do que Arruda

Guiné-Pipi, Amansa-Senhor, planta, erva, banho descarrego




"A arruda não é uma planta miraculosa e capaz de livrar o homem das projeções fluídicas inferiores, mas ela presta-lhe o inestimável serviço de assinalar, no ambiente físico, a natureza boa ou má dos eflúvios ou fluidos do mundo oculto. Quando a arruda se mostra vigorosa, ereta e viçosa na sua cor verde-azulada, exsudando o seu odor forte e peculiar, ela desabrocha num ambiente impregnado de bons fluidos; e quando emurchecida e amarelecida, então sofre o bombardeio dos eflúvios e emanações perniciosas do ambiente! Afora qualquer crítica ou análise científica, a arruda é o mais eficiente e sensível barômetro vegetal.



Há casas, zonas ou terrenos, onde ela não vinga de modo algum, pois sucumbe à ação muito agressiva dos maus fluidos do ambiente. É por isso que as benzedeiras ou pretos-velhos, então, preferem usar os galhos de arruda molhados na água benta ou fluida, para benzer de quebranto ou acalmar os vermes excitados, porque ela assinala, realmente, os fluidos danosos. Assim, à medida que os galhos de arruda emurchecem, eles os vão substituindo por outros até se mostrarem viçosos.

Enquanto a arruda funciona como um barômetro vegetal, a guiné-pipi é o transformador vegetal, pois absorve os fluidos deletérios do meio ambiente e em troca exala eflúvios salutares. A guiné-pipi realiza, no plano do psiquismo vegetal, a mesma operação que é própria das plantas no campo físico, quando elas absorvem o anidrido carbônico e exsudam o oxigênio puro!

A existência de plantas cuja seiva, tóxicos ou vapores gasosos podem causar distúrbios psíquicos no ser humano, descontrolando-lhe o comando mental e emotivo, induz-nos a crer na existência do seu extraordinário potencial oculto ainda mais poderoso. A arruda e a guiné-pipi, portanto, além de suas qualidades vegetais físicas e até medicamentosas, ainda funcionam no plano psíquico como barômetro e transformador vegetal. Sua natureza tão generosa Deus pôs a serviço incondicional do homem tão cético!

Reconhecemos que a plantação pródiga de arruda e guiné-pipi em torno das residências terrenas jamais seria recurso eficiente e defensivo, caso os seus moradores continuem alimentando o ódio, o ciúme e a irascibilidade no ambiente doméstico. Embora a arruda e a guiné-pipi não sejam vegetais com o poder miraculoso de afastar os “maus espíritos”, elas assinalam e advertem a natureza fluídica e a necessidade de purificação do ambiente, o que pode ser feito pela prece ou pela elevação da conduta moral do ser. Enquanto a arruda funciona como generoso barômetro vegetal a indicar o teor fluídico do ambiente, a guiné-pipi ajuda na absorção dos eflúvios inferiores e num transformismo sacrificial ela os devolve purificados. A verdade é que se trata de mais um recurso abençoado por Deus, no sentido de advertir a criatura humana, quando envolve-se nos maus fluidos do mundo!" ( Texto do livro "Magia de Redenção" de Ramatís)


Texto excelente desta maravilhosa obra de Ramatís, devo acrescenta que nas reuniões do Dr.Fritz que eu participei, ele indicava muito esta planta pra ajudar na limpeza do ambiente. Na Umbanda está planta é utilizada em banhos de descarrego, inclusive para abrir caminhos e ajudar na proteção contra fluidos negativos pela sua ação transmutadora de energia. Outro uso interessante é utilizar uma folha sob o pé (em contato direto quando se calçar um sapato), de preferencia no pé de apoio. 

11 de abr de 2012

Coruja: Simbologia

Coruja branca vôo


As corujas possuem hábitos noturnos, possuindo um vôo silencioso. Vamos analisar então o significado das corujas. 

Elas podem girar sua cabeça em 270 graus pra qualquer direção e também tem a capacidade de imitar o sibilar das serpentes quando desejam afastar predadores maiores. Na mitologia é associada à filosofia e a sabedoria, por ser o símbolo da mitológica deusa grega Atenas. Segundo a crença popular podem adivinhar a morte de alguém com o seu piar e esvoaçar. No xamanismo, a coruja é o símbolo da transmutação, da transformação, pois representa a morte do velho para o nascimento do novo. É uma exímia caçadora noturna pela sua aguçada visão e vôo silencioso, sendo por esse motivo também um símbolo ligado aos guardiões que procuram manter a ordem no astral inferior (umbral). 

A coruja também é muito associada à magia antiga, sobretudo a alquimia, a alquimia da alma humana, transformando a pedra bruta em ouro alquímico, o símbolo da iluminação, do renascimento moral. A coruja é vista por alguns índios americanos como a águia da noite e seu principal símbolo no céu é a Lua. A coruja representa o olhar além das aparências externas, o olhar que descortina a verdade por trás do véu que esconde a verdade, aquela que adentra com a visão aguçada e enxerga a escuridão. 

Assim como o mocho, a coruja está associada a justiça e a retidão, podendo ter sua força evocada para ajudar em questões legais, sobretudo de natureza kármica (quando os guardiões do astral são diretamente evocados pra capturar algum kiumba ou obsessor), sendo por este motivo associada ao orixá Xangô (da Justiça). É portanto um bom sinal visualizar uma coruja.     

Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:
http://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036


9 de abr de 2012

Rússia novamente demonstra preocupação com o Apophis


Apophis explosão, fótons de Alcyone, planeta de luz no universo




Há alguns meses astrônomos e cientistas russos têm demonstrado preocupação quanto a queda do asteróide Apophis na Terra em 2036. Há alguns meses o professor de mecânica celeste da Universidade de Petesburgo, Leonid Sokolov, em entrevista ao jornal russo Pravda relatou que a queda do asteróide em 2036 é certa, pois devido ao seu peso e tamanho e aproximação, em 2029, da área de satélites geoestacionários, ele automaticamente entrará em ressonância gravitacional com a Terra, caindo em abril de 2036. Meses depois, Rússia e demais países europeus deram início, em janeiro de 2012, a um projeto intitulado NEOShield (escudo contra objetos espaciais próximos da Terra), sediado na Alemanha e contando com verbas das agências espaciais russa e européias. Hoje, dia 9 de abril, chega nova notícia vinda de astrônomos russos, através do conceituado jornal russo Pravda, ressaltando essa preocupação com o asteróide Apophis. O texto está abaixo:


“Os cientistas russos planejam enviar até 2020 uma estação de pesquisa automática para a órbita do asteróide Apophis, a maior ameaça para a Terra, para evitar a possível catástrofe, ou seja, a colisão com a Terra.

O principal objetivo desta missão será colocar em órbita do objeto um satélite pequeno que vai especificar a trajetória do Apophis até 2036, quando, como se acredita, este iria colidir com nosso planeta. O satélite estará equipado com um farol de rádio autônoma,  assim como com uma fonte de energia radioisótopa e uma bateria.

A missão científica também inclui uma investigação sobre as características físicas e químicas do asteróide, o solo, a sua estrutura e do espaço em torno dele. Planeja-se um 'pouso' sobre a superfície do asteróide. Do ponto de vista técnico, a missão pode ser realizada a partir de 2015, segundo RIA Novosti.

Estes planos estão contidos no projeto de programa de estudos sistema solar até 2025, elaborado por cientistas da Academia de ciências da Rússia.

O documento disponível para a RIA Novosti diz que o Apophis (2004 MN4) de 390 metros atraiu a maior atenção, como é atualmente a ameaça mais séria no espaço conhecido da Terra. Em 2029, este organismo ficará a uma distância de apenas cerca de 30.000 milhas do nosso planeta — no auge das órbitas dos satélites geoestacionários. Preso nas imediações da Terra, o Apophis poderia mudar sua órbita de modo de se aproximar à Terra e colidir com ela em 2036.

Operações durante a missão "Apophis" em muitos aspectos são semelhantes aos que pretendia realizar no "Fobos-Grunt". Portanto, os cientistas estão planejando implantar o projeto da nave espacial as unidades da sonda da "Fobos".

Peritos espaciais de todo o mundo estão desenvolvendo vários projetos para evitar o suposto desastre. Entre as soluções encontra-se também o uso de armas nucleares para destruir Apophis, quando este ficar a uma distância segura da Terra.”

Devo ressaltar que em breve durante essas missões os cientistas descobrirão que em sua base química, o asteróide é composto basicamente por ferro. Em recente edição, a revista Veja (número 2238), na página 143, falou do perigo deste asteróide, deixando claro que os astrônomos reconhecem a dificuldade em desviar o asteróide da rota de colisão com a Terra. O Apophis tem 390 metros de comprimento, segundo o diretor do programa de observações da NASA Lidley Johnson um asteróide com 100 metros de comprimento poderia destruir por completo a ilha de Manhattan, um asteróide de 1000 metros poderia causar um estrago em escala global e provavelmente, se o Apophis caísse em algum continente, poderia dizimar boa parte desse território, abrindo uma cratera de 1 km se cair em terra firme ou, na hipótese mais provável de cair na água (defendida pelo renomado astrofísico Neil de Grasse Tyson) abriria uma cratera de 5 km no oceano, criando dois imensos tsunamis do ponto de partida.

7 de abr de 2012

Experiencias com Desdobramento (Parte 4 de 5) - Desdobramento em Porto Alegre

torre cilindrica, torre astral, estrutura umbralina


Parte III: AQUI

Antes de ler esse relato é interessante ler o relato sobre as estruturas astrais do Egito nesse texto do blog:  AQUI 


Na capital gaúcha, em plena esquina democrática (ruas Borges de Medeiros e rua dos Andradas), no centro da região, está localizada uma estrutura que começa no astral intermediário e vai até o astral inferior denominada pelos guardiões de “A Torre”, uma gigantesca estrutura metálica em formato cilíndrico, com a aparência de um hotel de luxo nas cores vermelho e dourado predominantes na estrutura interna e um azul escuro quase marinho na estrutura externa, que devido a sua inúmeras janelas parece uma “colméia cilíndrica”, é  o centro de comando da milícia umbralina que controla o astral inferior da capital gaúcha, local onde ocorrem reuniões , cerimônias, canalização de energia (já que a estrutura funciona como uma imensa usina sugando e se alimentando de qualquer energia negativa emanada na região). Essa estrutura é uma espécie de portal central da região, possuindo ligações por elevadores e túneis com diversos outros pontos astrais da cidade, entre esses pontos “o açougue” e “a mansão” que falarei no decorrer desse texto.

Nos níveis mais inferiores dessa estrutura, ou seja, localizados no plano astral inferior existe uma estrutura similar a uma garagem, mas que não tem carros e esconde na verdade uma gigantesca criatura que se assemelha a um enorme ovóide de aparência enegrecida e gelatinosa, tendo aproximadamente uns 8 a 10 metros de altura e que de tempos em tempos emerge do subterrâneo a superfície para servir como uma esponja que suga uma névoa negativa de ectoplasma e leva até os fundos da torre. Esse ser possui um único e pequeno olho, sua boca parece a de uma piranha cheia de dentes afiados e dessa estrutura ovalada, como se fosse uma cabeça gelatinosa e esponjosa, surgem vários tentáculos.

criatura feroz, forma pensamento no astral de porto alegre

Deparei-me com essa criatura em plena luz do dia em um desdobramento consciente durante o sono para resgatar a “identidade” de uma pessoa que estava com parte do seu corpo astral aprisionado num dos quartos da torre, a entrada foi rápida e a saída mais ainda, pois assim que a equipe de guardiões saiu o bicho emergiu furioso em sinal de alerta da invasão.

Acredito que nem todos os médiuns de Porto Alegre juntos teriam energia pra destruir aquela criatura e muito menos “a Torre” visto a farta “alimentação” que ela encontra na região onde está localizada.  Isso no entanto não impede que os guardiões e equipes de médiuns realizem juntos missões na região e acompanhem o que ali ocorre, procurando ajudar da melhor maneira possível quem está disponível a receber ajuda.

torre no umbral, torre no astral inferior de porto alegre, magos negros

No centro de Porto Alegre, em outro ponto que não consegui identificar, localizada no astral inferior existe outra torre, semelhante “a Torre”, mas com um aspecto mais rústico, utilizada para raptos e seqüestros, além de vinganças específicas com moradores encarnados da cidade. Essa torre rústica tem por fora um aspecto acinzentado e seus quartos e andares são bem simples e modestos, a semelhança de hotéis de baixa categoria. Numa incursão a esse local junto a uma equipe de guardiões fomos retirar uma moça encarnada, que também estava com parte do seu corpo astral preso a região, ela foi raptada segundo me contou um dos guardiões por causa de uma vingança de um assecla (encarnado) de um mago trevoso da região gaúcha que após diversas tentativas de possuir a moça carnalmente estava tentando aliená-la no astral para conseguir efetuar seu intento no plano material

Mas sem dúvida a estrutura mais assustadora em termos de alienação coletiva é “a mansão”, é uma casa de aproximadamente 3 andares com um tamanho segundo os meus cálculos de mil metros quadrados a 1.500 metros quadrados, sem divisórias por paredes, mas com ambientes bem definidos. Precisaria de muitas páginas para descrever o luxo do local, o refinamento, o requinte, a decoração moderna, mas sem ser extravagante, rica em brilho, amplamente decorada com vários sofás, mesas, adegas, vi pelo menos três escadarias para os andares superiores. A maioria da casa é vista por quem está dentro, com pequenas paredes e amplas janelas, modernos vitrais, mas pra quem esta de fora é vista como uma mansão de mármore e de fino acabamento.

sala luxuosa, moradia de magos negros, umbral

Pesquisei o local, observei cada canto do lugar com a ampla lucidez que aquele desdobramento me permitia naquele momento. Havia sido convidado pelo dono do local, que fazia o mesmo com vários moradores da cidade, buscando alienar e oferecer “tentadoras” ofertas de desejos materiais. Sua aparência era exótica, possuía um discreto cavanhaque preto, o cabelo curto e usava um terno muito elegante, buscando disfarçar sua aparência astral, já que estava encarnado. 

O disfarce não durou muito e logo percebi que o cidadão era um assecla do verdadeiro dono da casa, que obviamente não se manifestaria ali e muito menos para alguém em projeção consciente. Fui informado depois pela equipe de guardiões que várias pessoas estão sendo alienadas naquele local, mas que eles os guardiões não podem fazer muito com relação aquele caso especificamente, pois as pessoas que chegam ali estão, na sua grande maioria, por livre e espontânea vontade, tentadas por promessas de riqueza material, sucesso e prestígio profissional e amplas facilidades na conquista sexual e dispostas a fazer qualquer negócio em troca dessas “benesses” mesmo que pra isso tenham de se submeter a alianças com milícias umbralinas e asseclas de magos trevosos.

Vale ressaltar que processos semelhantes estão ocorrendo em outras cidades do Brasil e no resto do mundo, muitas vezes de forma semelhante ao que foi encontrado no RJ e em Porto Alegre.

Faltou falar do “açougue”. De forma resumida em nada parece com um frigorífico comum, está localizado em um túnel que liga “a torre” à "torre rústica” e sua estrutura é toda coberta por azulejos de extrema brancura, na verdade a entrada “maquiada” do local é para que os incautos que por ali passem não saibam o que ali acontece. Minha missão naquele momento era apenas de mapear o lugar que posteriormente sofrerá a ação dos guardiões mas que necessitará da ajuda de muita energia (ectoplasma) de vários médiuns que necessitavam saber onde estava esse local e que em breve, no momento devido, serão chamados para participar da operação de destruição do local.

Espero que esses relatos possam ser úteis e ajudar algumas pessoas, sobretudo nas cidades aqui mencionadas, a despertar para uma realidade mais ampla e acima de tudo buscar defesas contra a ação trevosa que infelizmente tem se manifestado cada vez mais nesses tempos que precedem a grande tribulação. No próximo e último relato dessa série descreverei uma linda experiência de desdobramento mostrando a realidade da vida após a “morte”. 


Parte V: AQUI


Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook: 
http://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036

2 de abr de 2012

Experiencias com Desdobramento (Parte 3 de 5) - Magos Negros, Formas Pensamento e Corpo Astral

dragão com armadura, magos negros, senhores da escuridao, trevas

Parte II : AQUI 

Muitos magos negros e seus asseclas (aprendizes que se aliam a milícias de magos negros) utilizam certos conhecimentos de hipnose, utilizando combinações de pulsos magnéticos através do olhar, da entonação da voz e até mesmo na combinação de algumas palavras para causar fascinação e atingir seus objetivos, muitas vezes para estabelecer uma ligação mental com pessoas que desejam fascinar, dominar ou simplesmente ter como aliados em seus intentos.

Algo muito comum que ocorre, sobretudo com os asseclas encarnados, é utilizar esse conhecimento para o desregramento sexual, não apenas para conseguir um número cada vez maior de parceiros sexuais, mas para conseguir de certa forma uma cota maior de ectoplasma que vampirizam dessas pessoas.

Muito comum, porém, é algo sair errado nesse processo magístico, pois a maioria de asseclas de magos negros, sobretudo os encarnados e os que supõem que um dia foram magos ou que acham ser magos atualmente, não dispõe do controle mental para manter um mínimo de equilíbrio com as várias relações mentais estabelecidas com suas várias vítimas.

Ao perceber que não consegue estabelecer esse controle, sobretudo se estiver em um estágio tamanho de desregramento que tenha atraído dezenas ou até mesmo uma centena de vítimas ao mesmo tempo, o assecla/aprendiz acaba decidindo por “abandonar” o controle mental de algumas ou boa parte de suas vítimas e esse certamente é um erro fatal, muito comum nos conflitos entre milícias de magos negros.

Ao cortar abruptamente o comando mental de uma ou mais vítimas, o assecla libera na sua vítima uma intensa carga de confusão e raiva, pois a maioria percebe rapidamente, mesmo que inconscientemente, que estava sendo usado ou usada de alguma forma e então começa na maioria dos casos uma obsessão, de encarnado pra encarnado.

A vítima começa a emitir pulsos de energia mental e magnética em direção ao assecla que outrora a vampirizou formando uma forte egrégora, um forma pensamento exatamente igual a estrutura astral do assecla que a vampirizava. Quando isso ocorre com várias pessoas ao mesmo tempo, que por algum motivo despertaram de algum processo de fascinação, obsessão ou vampirizaçao, a coisa começa a ficar feia para o assecla que realizou tal intento, pois a egrégora negativa com a mesma forma do seu corpo astral começa a ganhar cada vez uma forma mais forte, real e com um único desejo: atacar e destruir o assecla.

Toda essa trama causa algumas situações peculiares na guerra astral que envolve guardiões e milícias de magos negros. Milícias rivais de magos negros utilizam essas egrégoras, seja de asseclas ou de próprios magos negros (encarnados ou desencarnados) para perseguir e enfraquecer os seus rivais. Em muitos casos quando o assecla percebe que a situação esta insustentável, acaba pedindo socorro aos guardiões, espíritos a serviço da alta hierarquia moral do planeta Terra, a polícia do Grande Conselho que atua tentando manter o mínimo de ordem no astral inferior e, sobretudo para proteger as instalações do governo planetário nessas regiões, como por exemplo, os hospitais, centros de resgate e as próprias bases dos guardiões nessas localidades, bem como os portais de ligação com o astral intermediário, na superfície terrestre controlados pelos próprios guardiões.

Ao pedir ajuda aos guardiões o assecla normalmente acaba entregando, em troca de proteção à intensa perseguição da egrégora mental que ele mesmo ajudou a criar, preciosas informações sobre instalações, laboratórios, centrais de informação utilizadas por alguma milícia.

Muitas vezes, quando o problema que persegue o assecla é atenuado, esse assecla se torna um espião infiltrado nas próprias bases que já trabalhava em troca da redução de seus débitos kármicos que são diretamente reduzidos nos arquivos da central do akasha.

Essas reflexões nos levam a um novo entendimento sobre esse conflito, essa guerra, que longe de ser uma simples batalha entre guardiões e magos negros é algo que envolve alianças entre os dois lados e conflitos internos dentro da própria estrutura de poder existente nas milícias umbralinas, muitas inclusive com magos trevosos não aceitando o mando dos dragões, que utilizam o domínio do sol negro como pesado cabresto sobre os magos negros, que necessitam dessa fonte de energia.

Antes de iniciar esse relato sobre as experiências em desdobramento realizadas por mim em Porto Alegre é importante explicar um fenômeno que ocorre tanto nos processos de tratamento espiritual como em processos de alienação coletiva, a técnica é a mesma, o que difere é o objetivo (nobre ou escuso), da mesma forma que a diferença entre o veneno e a cura está na dose.

Quando uma pessoa busca tratamento espiritual, seja por cirurgia espiritual, Apometria, espiritualismo, é muito comum o paciente ser informado que ficará em tratamento em determinado hospital no astral. Esses hospitais podem estar localizados tanto em bases fixas (no astral superior) como em bases móveis (naves e centros de comando também localizados no astral superior). Nessas bases o corpo astral do paciente, onde está manifestado o foco da enfermidade que se manifesta no seu corpo físico, é tratado. No entanto esse tratamento não ocorre apenas enquanto o paciente dorme, basta que uma pequena parte do seu corpo astral fique num desses hospitais para que todo o tratamento cause uma ressonância em todo o corpo astral do paciente.

gif homem vitruviano, corpo astral brilhante, da vinci obra

O corpo astral, diferentemente do corpo físico, não é sólido, apesar de apresentar certas características de um corpo sólido, sobretudo quando está no plano astral, onde interage com um meio semi-material, equivalente a estrutura semi-material do corpo astral, ou seja, é como se estivesse no plano físico, mas com algumas diferenças e menos limitações, devido à menor materialidade tanto do meio como do próprio corpo (astral) onde se manifesta.

Sabemos que o espírito, o centro consciente, não se divide, mas pode estar em mais de um local ao mesmo tempo, assim como um Sol que permanece no mesmo local, mas emana raios para diversas direções e nem por isso tem sua estrutura central divida. Da mesma forma que um espírito pode enviar seu pensamento a vários pontos diferentes ao mesmo tempo, esse pensamento poderá estar manifesto revestido com a estrutura que é própria, ou seja, o corpo astral, o perispírito, manifestando uma projeção ativa da sua consciência, não o próprio espírito, mas uma espécie de holograma que manifesta a vontade e a consciência do espírito que o comanda. 

Mas porque é necessário compreender isso?  Ao sabermos disso, entendemos que quando alguém é tratado em um hospital espiritual, não necessariamente precisa ficar lá conscientemente durante o tratamento, apenas uma pequena parte do corpo astral, um “filete” da sua estrutura energética é levado e todo o tratamento ali feito com a tecnologia do astral superior reverbera em todo o corpo astral.

O problema é que essa capacidade do corpo astral também pode ser usada de forma negativa, quando alguém estabelece profunda sintonia com algum sentimento ruim , entra em algum grande desequilíbrio emocional e acaba indo, durante o sono, a locais comandados por milícias trevosas que habilmente atraem os desavisados (e os avisados que fazem ouvidos moucos também) e mesmo após retornarem ao corpo físico acabam deixando um pequeno “filete” do seu corpo astral, que irá reverberar e potencializar os pensamentos e estados de desequilíbrio que levaram o encarnado a procurar esses locais no astral.

Nos casos de obsessão mais complexa, algumas milícias umbralinas oferecem serviços de “enganchamento”, onde a partir de um pequeno filete de corpo astral conseguem plasmar artificialmente uma forma pensamento igual ao corpo da vitima em desequilíbrio, normalmente com ectoplasma da própria vitima e criam uma forma pensamento quase idêntica ao corpo astral da pessoa encarnada e engancham, literalmente, essa forma pensamento, exatamente como é feito nos açougues com os pedaços de carne, para que a vítima se sinta desvitalizada e não tenha forças para reagir ao processo obsessivo. Normalmente esse “serviço” é requerido em casos de vingança, por encarnados e desencarnados que desejam atacar alguém. 

A equipe de Apometria que trabalho em Porto Alegre já detectou um caso desses, retirando uma dessas formas pensamento plasmadas do gancho e desfazendo assim o trabalho de enganchamento sobre essa pessoa. Esse local em Porto Alegre eu nomeei de “o açougue” e relatarei em seguida a ligação desse local com outros locais não aprazíveis do astral intermediário e inferior da capital gaúcha.

Quem quiser ver uma imagem parecida com o que eu vi (imagem forte, desaconselhável aos mais sensíveis ou impressionáveis) , é só entrar nesse link AQUI  


Parte IVAQUI


Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook: 
http://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036