14 de dez de 2016

Dr. Estranho - Os Elementos Espirituais e Significados Ocultos do Filme mais Iniciático da Marvel

Doutor Estranho forma pensamento

Plano astral, formas pensamento, projeção astral entre outros assuntos estão presentes de forma abundante no filme mais espiritualista da Marvel. As próximas linhas desvelarão não apenas vários significados e spoilers do filme, mas outra questão interessante: qual a razão para entender e estudar os simbolismos e arquétipos que envolvem os estudos iniciáticos (Astrologia, Cabala, Visualização entre outros) e o que compõe a essência do poder criativo utilizado na magia.

Um dos temas mais recorrentes do filme é a utilização de formas pensamento, ponto fundamental no estudo da magia, baseada no exercício da visualização e, sobretudo da vontade. Sobre esse tema específico trouxe dois textos recentes sobre o terma:

Formas pensamento: uma prévia para o filme do Dr.Estranho:

Apometria e suas criações mentais: tecnologias do astral:

Mas vamos ao que interessa: elementos espirituais e significados ocultos do filme. O tema central do filme, baseado na jornada do Dr. Strange é que o sofrimento motiva a busca pelo conhecimento e espiritualidade e que é somente através do conhecimento da realidade espiritual que é possível verdadeiramente vencer o sofrimento. A mensagem apesar de evidente no filme, ao mostrar um arrogante e genial médico preso às preocupações (leia-se ilusões) da matéria como luxo (coleção de relógios, o carro último modelo que capota) e o gosto pela posição social são demolidos quando ele perde o seu principal instrumento de trabalho ao ter as mãos dilaceradas tirando tudo o que ele tinha (fisicamente) em um piscar de olhos. Infelizmente a maioria só busca a espiritualidade em situações semelhantes (morte de alguém, doença, mazelas financeiras, etc).

A cena que ele tem o seu último relógio (vendeu todos após o acidente) quebrado em uma tentativa de assalto mostra exatamente o começo da sua mudança, pois aquele relógio havia sido um presente da doutora Christine (um antigo affair e a pessoa que mais tentou ajudá-lo) e ao ver o relógio quebrado ele percebe que o seu egoísmo (ego do tamanho do Himalaia) havia quebrado uma das únicas coisas verdadeiras na vida de ilusão que ele levava até procurar “socorro espiritual”(ainda achando que algum mestre resolveria pra ele o que cabia tão somente a ele resolver internamente)

O Dr. “Egoistrange” chega então a um lugar chamado “Kamar Taj”. Taj significa coroa em sânscrito e “kamar” é um anagrama fácil de ser percebido para a palavra KARMA. Coroa é o chacra mais elevado do corpo astral, o chacra da consciência superior, ou seja, ali no templo quem entra é para despertar a consciência (através do conhecimento e muito trabalho duro) dos karmas (que significa “ação”, no sentido de atitudes) que praticou e juntou para si ao longo da vida.

Outro ponto que confirma essa dinâmica, mostrada no filme, do sofrimento como motivador da busca pelo conhecimento da espiritualidade é que o Dr Strange descobre a existência do “templo do karma” através de um paciente que se curou misteriosamente de uma paralisia na coluna. O nome do paciente é Pangborn que significa literalmente “nascido do sofrimento/agonia”. 

Curiosamente o caso dele havia sido rejeitado pelo Dr Strange. Essa passagem do filme é interessante, pois o início da cura (interior) do Dr Strange começa exatamente quando ele começa a lutar contra o seu principal defeito (a arrogância) ao adquirir uma postura humilde de pedir ajuda, reconhecendo em outra pessoa alguém mais capacitado do que ele para resolver aquele problema. Em todas as jornadas e caminhos de ascensão a luta contra a fera (os demônios interiores) ou numa linguagem espírita “a busca pela reforma íntima” é ponto fundamental no processo de despertar interior (normalmente pela via dolorosa das provações ou como Jeremias gosta de dizer, pelo “desperta-dor” tocando bem alto)

Há vários outros anagramas e significados ocultos nos nomes dos outros personagens. Kaecilius que antagoniza com o Dr Strange é uma referência a cobra cega com os olhos atrofiados conhecida como Caecilia, sendo que a cobra é um simbolismo clássico da energia kundalini, ou seja, o uso cego e errôneo dessa energia representada pela cobra. Não à toa os olhos do personagem são envoltos por feridas enegrecidas (quem tiver o livro "Brasil: Ordem em Progresso pesquise as páginas 90 e 91).   

O vilão poderoso do filme é Dormammu que representa a entidade que controla o astral inferior, a maldade que busca dominar o mundo, a raiva, a ira (a criatura destrói de todas as formas possíveis o Dr. Strange enquanto ambos estão em um looping temporal criado pela magia do olho de Agamoto). Ocorre que o nome do personagem é em si um anagrama para explicar que essa maldade ou lado sombra é algo presente no próprio homem: Dormammu é dor (se fala “door” ou porta) + ummam (anagrama que se pronuncia “human” ou humano). Superar essa porta ou portal, o portal que todo o ser humano possui e leva aos seus instintos mais primitivos é o grande desafio do karma, da reforma interior: vencer o sofrimento através da busca do conhecimento interior, do conhecimento da própria espiritualidade, da essência em constante evolução domando os impulsos inferiores.

Se o Dr, Strange mostra um pouco dessa jornada de superação e iluminação, o mesmo não se pode dizer do personagem Mordo (que o ajuda em boa parte do filme). Mordo tem exatamente as primeiras letras de Dormammu e seu nome contém tanto as palavras “door” (portal) como “doom”(desgraça), exatamente o que ocorre ao final do filme no segundo extra após os créditos.

Doutor Estranho projeção astral

Dentro do “templo do karma” o Dr. Strange vivencia nas suas primeiras experiências com A Anciã, dois tipos de viagem: uma viagem astral e uma viagem mental, ou em uma linguagem mais usual, uma projeção ao plano astral e uma projeção ao plano mental inferior. Na primeira ela dá um soco espalmado no chacra cardíaco, fazendo com que o corpo astral do Dr Strange saia do corpo físico e ele conscientemente se enxergue na dimensão astral. Como o corpo astral é usualmente associado ao campo das emoções, a associação com o chacra cardíaco como ativador da projeção astral é um simbolismo bem simples que o filme buscou transmitir.

Já a segunda projeção ocorre no plano mental inferior (maiores informações sobre esse tema no livro “Brasil o Lírio das Américas”) quando o Dr Strange inicia uma viagem psicodélica e consciente por suas próprias formas pensamento, imergindo no próprio inconsciente (exatamente quando enxerga várias mãos saindo do chão e nascendo da própria mão, pois era o pensamento mais recorrente do seu inconsciente irradiando por todo o seu campo mental)

Doutor Estranho projeção mental

Os portais que são criados pelos personagens em movimento circulares horários e antihorários são claras referências a fisiologia dos chacras que significa, literalmente, “rodas que giram”. Aqui é importante ressaltar que os acontecimentos mostrados no filme como ocorridos no plano físico ocorrem, na verdade, no plano astral intermediário (a contrapartida astral que interpenetra o plano físico) e isso é perfeitamente compreensível pela licença poética da obra (que é de ficção), já que seria complicado mostrar e explicar de forma fácil para o espectador as duas realidades coexistindo ao mesmo tempo, além do que a idéia principal da história é realmente superdimensionar o que acontece no plano astral intermediário como afetando diretamente e ostensivamente o plano físico. 

Na verdade o filme mostra o plano astral como uma coisa só, como o “outro lado” do plano físico sem entrar em detalhes de “plano astral intermediário”, “plano astral inferior” (quando o Dr Strange vai até o portal que o leva a Dormammu que no filme representa o acesso a fonte de vida física eterna, uma clara representação do materialismo, da busca pela eternidade do corpo físico quando na verdade a eternidade é do espírito. Vale ressaltar que existem muitos acordos entre encarnados com entidades trevosas que fornecem ectoplasma e outras formas artificiais de prolongamento da vida no corpo físico é nesse sentido que o filme aborda a ilusão da busca pela vida física eterna)

Um ponto interessante do filme é quando A Anciã está prestes a desencarnar e sai, conscientemente do corpo físico, encontrando o Dr Strange também projetado no plano astral. A cena mostra a diferença de tempo entre os dois planos, com um helicóptero parado no ar enquanto um trovão lentamente espalha seu brilho em uma noite chuvosa. Ao mesmo tempo A Anciã reconhece o erro que cometeu ao buscar perpetuar a sua vida física, ainda que o motivo fosse nobre: ensinar uma sabedoria antiga aos alunos do “templo do karma”. Vale ressaltar, fazendo uma ligação com o mundo espiritual, de que tal artifício é semelhante ao uso de agêneres para que espíritos se manifestem fisicamente sem um corpo físico gerado, um artifício semelhante e fora dos padrões comuns da manifestação física que é pela via da encarnação e, mesmo assim, tal utilização pode ocorrer tanto por espíritos de baixa evolução como de evolução moral superior, como foi o clássico caso de Saint Germain (o filme cita inclusive o livro de Cagliostro, homem que existiu e que conheceu pessoalmente Saint Germain, tendo também estudado os mistérios da fonte da juventude física só que utilizado tais conhecimentos, ao contrário de Saint Germain, para fins pouco edificantes)

Outro ponto interessante do filme é o início do treinamento (de visualização e criação de formas pensamento) do Dr Strange com A Anciã. As formas pensamento ou criações mentais são chamadas de “feitiços”, “programação mental” (programar a realidade tal qual um computador realiza suas tarefas após receber um programa) ou simplesmente “magia”. Essa definição de magia (ação da mente, criando a partir da vontade pessoal formas mentais com o objetivo de agir na realidade, como por exemplo, criar armas a partir de formas pensamento) ficou simples e exata, assim como as cenas que mostram os alunos do templo fazendo exercícios de visualização, descobrindo que é somente a vontade interior que pode realizar tais criações (o exemplo do velhinho sem mão criando uma bela forma pensamento e o Dr Strange tendo que sair de um monte gelado criando pela primeira vez um portal mostram bem essa dinâmica, de que o pensamento direcionado pela vontade está acima de impedimentos físicos). O tema (magia e criações mentais) é vastamente abordado no livro “Brasil: Ordem em Progresso” como um prelúdio do material ainda mais amplo que virá na saga atlante

Doutor Estranho visualização mental e formas pensamento, magia, criações mentais

O filme também aborda todas as 7 leis do Hermetismo, algumas muito fáceis de serem percebidas, como por exemplo quando A Anciã explica que a ação da mente sobre as células pode curar um distúrbio físico ocasionado por algum problema das células ou órgão (lei do mentalismo) ou na bela definição da lei do ritmo, quando A Anciã explica que para controlar é preciso se entregar (ao fluxo), sendo impossível controlar um rio, mas sim utilizar o curso do rio para ir ao ponto que se deseja chegar. É uma bela definição que explica em boa parte o que a humanidade vivencia em seus ciclos, seja a nível coletivo ou pessoal, sobretudo em um grande ciclo de Saturno (36 anos a partir de 2017) mostrando exatamente os limites, a necessidade de disciplina, foco e realismo: um homem não pode controlar o curso de um rio, mas pode aproveitar tudo que esse curso de água traz ou leva a partir do momento que entende como ele funciona, que é mais fácil construir uma canoa ou ter um barco motorizado do que fazer um aterro ou barragem, aprendendo a utilizar a força do rio ao invés de tentar controlá-la

Uma informação interessante sobre A Anciã é fornecida no filme: ela é uma antiga celta. Na batalha final (na qual ela é ferida mortalmente) ela cria com pedaços do chão uma estrutura idêntica a um famoso símbolo celta: o nó celta  

Doutor Estranho simbolismo celta Anciã


A RAZÃO PRÁTICA PARA ESTUDAR CIÊNCIAS OCULTAS

Mas após toda essa análise interpretativa fica uma questão: qual a razão para entender e estudar os simbolismos e arquétipos que envolvem os estudos iniciáticos (Astrologia,Cabala, Visualização entre outros, componentes do poder criativo e autoconhecimento utilizado na magia)?

Curiosamente a própria pergunta e o próprio texto trazem a resposta: o motivo principal é que no conhecimento, entendimento e maior percepção da essência espiritual e da realidade além da matéria está a chave para vencer o sofrimento, através do aprendizado das regras que regem o mundo físico (karma, vida espiritual, ação do pensamento, das emoções, da vontade) e como "navegar" de forma mais adequada nesse fluxo que rege o fluir da vida para um destino mais feliz, destino esse que representa a eternidade.

Símbolos e arquétipos, como os existentes na Astrologia, na Cabala, nos Arcanos Maiores (amplamente estudados aqui no blog) são ferramentas, metáforas que buscam mostrar, através de determinadas representações (planetas, casas astrológicas, signos, sefiras ou cartas) significados profundos da essência humana (questões comportamentais, assuntos principais, dúvidas existenciais) na busca por conhecer e entender melhor o ser humano, simplificando as questões de comportamento e assuntos principais da vida humana na forma de símbolos e arquétipos que decodifiquem, traduzam essas questões e assuntos, colaborando no processo de autoconhecimento. 

Sendo assim, em última análise, quem aprende, por exemplo, a entender os símbolos e arquétipos de Astrologia (uma das muitas ferramentas presente no estudo iniciático) aprende a “traduzir” para o profano ou para o neófito um texto simbólico (no caso o mapa ou disco) para que o profano ou o neófito entendam o que os planetas, signos e casas de um mapa estão “dizendo”. Entender essa e outras ciências ocultas é desvelar questões existenciais, potenciais e provações, a nível pessoal e coletivo codificadas em uma linguagem, em um “idioma” que se aprende exatamente no estudo iniciático.

O mesmo equivale aos aspectos da magia: entender como funcionam fluxos de energia, as regras que regem outros planos, como canalizar a vontade pessoal, o poder criativo, conjugar e equilibrar o mental e emocional, tudo isso para, a nível prático, mudar a realidade física, a influência sobre o mundo físico a partir de ações conscientes no astral e no mental (tema vastamente abordado no livro “Brasil: Ordem em Progresso”). Eis a importância e o objetivo de se estudar as ciências ocultas.

Vamos a um exemplo prático? O tema muito em voga nesse final de ano é o grande ciclo de Saturno que está chegando em 2017 (tema que eu já abordei no blog lá em janeiro de 2011, quem quiser pesquise no arquivo). Porque afinal eu vou querer entender esse negócio de “grande ciclo de Saturno”? A resposta é porque o simbolismo de Saturno e sua ação como arquétipo já é bem estudada há milênios, a nível pessoal e coletivo (desde a mitologia de Cronos dos antigos gregos e romanos, mitos que regem, por exemplo, os dias da semana até hoje, observem que “Saturday” é o “Saturn Day” só para ficar em um exemplo de um idioma).

O estudo da ação do arquétipo de Saturno nos signos e casas astrológicas remonta a Antiguidade e exatamente por isso é fácil “traduzir” (para quem conhece o idioma Astrologia) Saturno em signo tal, casa tal ou um grande ciclo de Saturno. Como também já mencionei anteriormente, esse grande ciclo ocorre a cada 252 anos, período que na última vez que aconteceu coincidiu com a revolução americana e francesa. Entender esses significados é compreender o “fluxo” dos próximos 36 anos já que Saturno será o regente maior desse período, entendendo que o “fluxo” de Saturno não é um palco colorido cheio de artistas e extravagâncias (a la anos 80) como foi o ciclo solar (1981-2016), mas sim um quartel com um sargento bem exigente, disciplinador que terá prazer em tirar o máximo dos recrutas com grandes desafios para transformá-los em soldados (2017-2052). Entendido isso não adianta o “recruta” querer colocar o quartel abaixo com saudade das artes e prazeres descontrolados do grande ciclo solar, pois o grande ciclo de Saturno ou esse fluxo do rio vai disciplinar o “recruta” quer ele queira quer não. 

Saturno representa o limite, superação de barreiras e do medo, desenvolvimento através do esforço e persistência, o resgate kármico, o aprendizado através do desapego e da destruição de situações que precisam ser renovadas. Saturno é a foice que ceifa a terra, por isso que simbolicamente representa processos revolucionários (assim como o arcano da morte, que regeu o Brasil de setembro de 2015 a setembro de 2016, estudo já apresentado aqui no blog também) que exigem determinação e sacrifício (o sagrado ofício para despertar a virtude de não sofrer com o dever a ser cumprido, pois se a dor é inevitável o sofrimento é opcional).

Tal ação será sentida por todas as pessoas, não apenas por pessoas do signo “A” ou “B”, ainda que as pessoas com o elemento fogo predominante no mapa (signo solar ou com 5 ou mais astros nos signos de fogo que são Leão, Sagitário e Áries) tendam a sentir um pouco mais o ciclo, pois o fogo quer brilhar, expandir, soltar labaredas incontroláveis por todos os lados, enquanto que Saturno vem com a foice de chumbo e joga terra em cima. 

O signo de fogo é como o recruta alegre e artístico que entra no quartel querendo festa, liberdade, agitos, fortes emoções e terá que lidar com o sargento ranzinza e disciplinador e toda a estrutura rígida (saturnina) do quartel. 

Isso não significa que as pessoas devem deixar a alegria de lado ou serem ranzinzas, pelo contrário, o maior êxito nas questões de Saturno é exatamente aprender a ter alegria na realização da tarefa, da prova, tanto que Saturno apesar de valorizar muito o trabalho e esforço pesado também valoriza (e exatamente por tamanho esforço) o merecido descanso ou lazer (obviamente controlado a determinados períodos), exatamente como ocorrida na Antiguidade, quando o dia de descanso dos romanos (sábado) recebeu o nome de “dia de Saturno”, mas para merecer esse dia é preciso ralar com a foice os outros 6 dias.... 

A casa na qual Saturno estiver é o assunto/área da vida que a pessoa precisa mais trabalhar, se superar, vencer medos e na qual será mais cobrada nesse grande ciclo, já o signo que Saturno estiver no mapa mostra como a pessoa deve trabalhar esses desafios (há textos no blog sobre isso, assim como um bom estudo do mapa natal ajuda a analisar essas questões)

O assunto dos ciclos e da interligação entre Astrologia e Cabala foi abordada nos dois textos a seguir, serve como aprofundamento para entendermos maiores significados desses posicionamentos:

Grande ciclo de Saturno:

Ligação entre Astrologia e Cabala:

Se você leu os dois links acima, então você vai entender, agora, como a tabela dos ciclos maiores (36 anos) e menores (anual) foi montada. E se leu o segundo link com atenção (em especial a parte da kamea solar) já sabe por que o ciclo é de 36 anos....

Os ciclos maiores estão baseados nos arquétipos da mitologia grega. Se observarmos os dias da semana, cada um deles foi dedicado pelas antigas civilizações à uma divindade (que por sua vezes representa um arquétipo), porém os ciclos maiores seguem uma ordem inversa aos dias da semana:

DIAS DA SEMANA

Domingo – Apolo (Sol)
Segunda – Artemis (Lua)
Terça – Ares (Marte)
Quarta – Hermes (Mercúrio)
Quinta – Zeus (Júpiter)
Sexta – Afrodite (Vênus)
Sábado – Cronos (Saturno)


CICLOS MAIORES DE 36 ANOS

Saturno (2017-2052)
Vênus (2053-2088)
Júpiter (2089-2124)
Mercúrio (1873-1908)
Marte (1909-1944)
Lua (1945-1980)
Sol (1981-2016)

A explicação para essa inversão (ciclos maiores no sentido contrário da ordem dos dias da semana) é que o simbolismo dos ciclos maiores não está ligado aos dias da semana (e suas respectivas divindades arquetípicas), mas sim à própria mitologia das divindades: Cronos ainda jovem castrou com sua foice o seu pai, Urano. A partir dos restos castrados que caíram na água, surgiu Afrodite. Somente depois disso é que Cronos teve o seu filho Zeus, que por sua vez deu origem aos outros deuses: Hermes, Ares, Artemis e Apolo. Ou seja, os ciclos maiores contam a história mitológica dos deuses gregos a partir de Cronos (Saturno) na construção do Monte Olimpo que arquetipicamente representa o sistema solar e na Astrologia o disco zodiacal tendo a Terra como centro no lugar do Sol

Já os ciclos menores respeitam a ordem decrescente, a partir de Saturno, dos astros com maior órbita. Temos, portanto:

Saturno – 29,5 anos
Júpiter – 12 anos
Marte – 2 anos
Sol – 1 ano (movimento aparente em relação à Terra, durante a translação, pois a Terra é o centro do disco zodiacal)
Vênus – 7 meses e meio 
Mercúrio – 88 dias
Lua – 29 dias

Os ciclos maiores simbolicamente representam a criação dos deuses, arquétipos dos astros e exatamente por isso sua ordem obedece o surgimento do primeiro entre os 7 astros/divindades/arquétipos conhecidos pela Astrologia no passado. A partir do surgimento dos 7 astros se estabeleceu a primazia daquele com a maior órbita até a menor órbita para identificar o fluir dos ciclos menores. Assim está explicada a tabela abaixo e porque teremos em 2017 um ano regido duplamente por Saturno, sem nada haver com Vênus ou outros astros na regência, bem como tal regência no arquétipo dos orixás está identificada com Omulu/Obaluaye e não com Oxóssi ou qualquer outro orixá regendo ou apontando o fluxo principal do próximo ano.  

Tabela grande ciclo de Saturno 36 anos 2017


ENCARNAÇÕES PASSADAS, MAGOS NEGROS E OS GUARDIÕES

Que o filme do Dr. Estranho e esse texto possam contribuir na expansão desses estudos fascinantes do ocultismo. Quem realmente deseja se conhecer, conhecer sua missão de vida, investir verdadeiramente em autoconhecimento sobre seus potenciais e limites e assim entender e melhor trabalhar suas próprias questões kármicas vai encontrar no estudo e compreensão dos simbolismos e arquétipos das ciências ocultas essas respostas (e na minha opinião, especialmente e essencialmente pela Astrologia). Esse é o verdadeiro caminho da magia, do desenvolvimento magístico. Sobre esse tema há um texto interessante na fanpage que responde em parte essa pergunta:

“Pergunta: Como saber se alguém da sua convivência ou mesmo vc já foi um Mago Negro? Tem como se ter essa informação? Há algumas pessoas que dizem que foram e não são. Outras dizem não ser e são... Tem muito animismo e fantasia.... Seria isso impossível de se saber?”

Texto completo com a resposta:

E por fim, finalizando e voltando ao tema principal que é a análise do filme: o Dr Strange, A Anciã e alguns outros membros do “templo do karma” são GUARDIÕES buscando defender a ordem e o equilíbrio entre o mundo físico e astral. Sobre esse tema vale a leitura do texto a seguir que explica o que faz um guardião e o que é necessário para ser um guardião:

Como ser um guardião:

Como sempre relembra o amigo guardião Jeremias, antes de querer mexer o caldeirão é preciso aprender a acender o fogo. Para conhecer as profecias cumpridas e adquirir os livros lançados até o momento:




4 comentários:

Bruno Rosa disse...

Texto sensacional! Eu particularmente achei o filme muito "padrao marvel", as mesmas piadas, o mesmo enfoque de crescimento moral do protagonista, achava ate que os roteiristas do filme eram os mesmos de outros filmes da empresa (Homem de Ferro, Thor, etc,); mas percebo pela sua explicação que estou enganado. As pessoas desse roteiro tinham conhecimento mais que apenas causal sobre espiritualismo.

P.S.: Livro sobre Atlantida, esse ano ainda? Ou só quando Saturno chegar?

Taísa Marques disse...

O nome da enfermeira que tem um relacionamento com o Strange também tem um significado especial.
Christine significa "cristã" e Palmer significa "peregrino(a).
E no filme ela demonstra amá-lo incondicionalmente, mesmo depois de ele mandar ela embora e com todos os defeitos que ele tem, assim como ensina o cristianismo primitivo.

José Alencastro disse...

Bem observado Taísa

José Alencastro disse...

Novidades em breve Bruno