23 de abr de 2015

Experiências com Projeção Astral: Tsunami, Atlântida, Cumbre Vieja e Apophis



Evento no Atlântico - Cumbre Vieja, Apophis e possíveis efeitos

No derradeiro afundamento, o território atlante (mostrado entre as linhas pontilhadas no mapa acima com as linhas ley) recebeu o choque de um asteróide, exatamente como acontecerá com o Apophis em 2036, caindo no oceano atlântico. No livro A Bíblia no 3º Milênio os efeitos dessa queda são amplamente descritos observando todo o contexto profético, enquanto que ao final do livro Brasil o Lírio das Américas há um relato mais direto sobre como tal evento pode afetar as zonas costeiras do planeta, em especial o Brasil.

Apesar dessas informações constarem nas duas obras, tenho recebido muitas perguntas de alguns leitores preocupados como seria se algum grande evento acontecer antes de 2036, visto que nas profecias de Parravicini ele informa sobre um grande evento antes do auge e que aconteceria até 2021 (final da “hora 10”), enquanto tivéssemos dois papas e quando o papa estivesse em viagem às Américas. Espero que esse post possa ajudar a esclarecer algumas questões, visto que um possível evento envolvendo o Cumbre Vieja acontecerá, segundo informado no livro A Bíblia no 3º Milênio muito próximo a queda do asteróide Apophis no oceano Atlântico   
  
Observando a imagem inicial deste post, no ponto vermelho localizado dentro do território atlante (tracejado em azul) próximo a costa Africana e Européia existia a Grande pirâmide, controlada por uma civilização descendente dos hyperbóreos que vivia naquela região, enquanto que no outro ponto vermelho dentro do território atlante, próximo as Américas, foi o local da queda do asteróide, rachando a placa tectônica abaixo do continente e fazendo com que toda aquela terra fosse tragada, segundo os relatos de Platão em um dia e uma noite.

A grande pirâmide atlanteana foi tragada por esse buraco no oceano e foi selada com a lava e a massa de terra que caiu sobre ela, tragada por esse buraco feito pelo asteróide exatamente onde hoje existe o triangulo das bermudas, uma linha perpendicular ao lago Titicaca e paralela a pirâmide de Gizé, explicando porque o asteróide caiu exatamente ali. Os sinais de tal acontecimento podem ser percebidos não apenas no centro do chamado “triangulo das bermudas” como na “cicatriz” que existe na junção das 3 placas tectônicas na região (placa norte americana, sulamerican e placa caribenha, no site do painel global é possível ver o mapa com as placas ). Na imagem abaixo, podemos observar que a ilha de La Palma (uma das ilhas Canárias), que abriga o Cumbre Vieja fica muito próxima ao ponto de queda do asteróide Apophis no oceano.



Na imagem podemos perceber a proximidade entre a ilha de La Palma (marcada em vermelho) e o ponto escuro no oceano que demarca o local de queda do asteróide Apophis descrito no livro A Bíblia no 3º Milênio, que detalha em pormenores os efeitos desse evento, inclusive a chegada da grande onda em Israel. Vamos então avançar um pouco mais no estudo...

O modelo construído por Steven Ward (Instituto de Geofísica da Universidade da Califórnia) leva em consideração a queda do trecho mais danificado do Cumbre Vieja que é a face ocidental do vulcão e a partir daí podemos analisar os efeitos em relação a distância e direção dos locais a serem atingidos pelas ondas, que atingiria Américas, Europa e África com maior força. O estudo, em vídeo, que mostrarei a seguir leva em consideração a queda de 150 a 500 quilômetros cúbicos de rocha no oceano, o que equivaleria, a aproximadamente a 500 mil toneladas de pedra caindo no oceano. Para termos uma noção em termos de comparação, o Apophis tem aproximadamente 500 milhões de toneladas e estima-se que se cair no oceano causará um buraco de 5 km de profundidade e uma potência de 20 mil bombas atômicas. Dito isso, podemos ter uma idéia da diferença de potência e amplitude entre um evento (tsunami) a partir de La Palma e um a partir da queda do Apophis, ainda que pelo vídeo abaixo possamos ter uma idéia de como as ondas chegariam às costas litorâneas do planeta:

   

Atlântida, Estela do Sonho e a Última Era de Ouro

Em virtude do trabalho que estou desenvolvendo, simultaneamente em duas obras (um livro sobre a cronologia do Apocalipse, sinais no Sermão profético e apocalipse, mapas pós auge dos eventos e algumas orientações adicionais a ser lançado em julho e um outro livro, sobre a Atlântida, o primeiro de 4 obras sobre o tema, a ser lançado em início de 2016) muitas vezes os assuntos envolvendo as duas obras se complementam, pois o que veremos no auge dos eventos do Apocalipse em 2036 é um acontecimento a nível global que já aconteceu antes, no derradeiro afundamento do território atlante, uma massa continental que serviu, por vários séculos, como a base da colônia astralina sobre aquelas terras temporariamente materializada.

As pirâmides construídas pelo mundo serviam de potentes canalizadores de energia (assunto amplamente abordado no Brasil o Lírio das Américas) que permitiam aquela civilização permanecer materializada temporariamente no físico, mas vivendo e interagindo mais ativamente com as leis do plano astral (o que explica as “lendas” sobre levitação, telecinésia, teletransporte entre os atlantes, algo plenamente realizável por qualquer projetor astral ou espírito desencarnado). Não seria exagero dizer que a civilização atlante seria como agêneres que podiam ficar mais tempo materializados artificialmente exatamente pela tecnologia das pirâmides. Em um mundo atrasado como era a Terra há 15mil anos com boa parte do planeta sendo habitada por homens das cavernas (os encarnados) se fazia necessária uma atuação mais direta do mundo espiritual, exatamente através dessas colônias materializadas.

Se observarmos no mapa que está no início deste post, veremos que o território atlante está plenamente alinhado com as pirâmides de Gizé. Se observarmos no google maps, veremos algo interessante: a cabeça da Esfinge (que originalmente era um leão inteiro) está apontando para o leste. Curiosamente existe uma estela (placa) conhecida como “estela do sonho” que mostra uma imagem curiosa: duas esfinges, uma apontando para leste e outra para oeste, cada um sobre dois pilares e entre elas o símbolo solar do disco com duas asas (também utilizado no caduceu). Ora e quais eram os dois “pilares” que separavam as duas esfinges? Exatamente os “pilares” descritos por Platão: o monte Hacho e o rochedo de Gibraltar, os pilares de Hércules, o acesso pelo mar mediterrâneo para quem viesse de embarcações pelo atlântico. Tal rota seria útil no caso de um cataclismo, pois a destruição da tecnologia dentro da Atlântida invibilizaria a utilização dos fluxos de energia das linhas ley que permitiam a locomoção aérea através dos vimanas.

Foi a partir do fim da Atlântida que surgiram as lendas de um grande dilúvio que cobriu a mais alta montanha da Terra (na verdade da terra dos atlantes!!!), de um profeta com 600 anos fugindo com a família (um agênere que se materializava por séculos para interagir com os locais do “novo mundo” até que pudesse encarnar em outro mundo seria conhecido pela sua idade na erraticidade e não no mundo físico) e levando um casal de animais na sua “arca” (se considerarmos que a tecnologia dos atlantes era superior a nossa tecnologia de hoje, esses animais seriam amostras genéticas como as que existem nos dias de hoje nas arcas que guardam sementes e outras informações genéticas em caso de algum evento ou cataclism0 ocorrer).

Estela do Sonho - Egito


Desenho da Estela do Sonho


Caduceu


DNA


Alias, os próprios símbolos da Antiguidade, como o caduceu, mostram que os “antigos” conheciam o dna humano, o que explica o grande avanço que a espécie humana vivenciou. Esse assunto foi abordado aqui em maior profundidade:  link do texto Atlântida e a evolução humana-do Egito a Era de Regeneração  


Eu demorei algum tempo para compreender o significado de certas estruturas que vislumbrei ao acessar os registros akáshicos. Porque os atlantes teriam construído na pedra, em solo egípcio, um grande animal em forma de leão? Porque havia um leão de orichalco a oeste do território atlante? Porque a leste havia um grande touro também dourado? A resposta era simples: eles queriam transmitir uma mensagem e precisavam criar um meio (no caso um símbolo) que pudéssemos entender e justamente por isso utilizaram símbolos simples de Astrologia e Astronomia que nós, a sociedade atual, pudéssemos entender. Nomear constelações no céu com nomes de animais ou seres humanos ( como Touro, Leão, Cocheiro), dividir o céu em 12 partes fixas com símbolos também de animais e que pudessem também demarcar grandes eras ou ciclos de tempo (2160 anos por Era e 25.800 anos para um grande era) seria uma forma simples de demarcar, através do movimento dos astros, certos acontecimentos históricos da humanidade e mais ainda: mostrar a origem de alguns povos.

A esfinge (que na verdade era um leão inteiro) segundo mostram as cartas celestes estava olhando, no inicio do equinócio de primavera a 10.500 Ac para a constelação de Leão, algo que nunca mais ocorreu. Curiosamente ou “coincidentemente” foi por volta dessa época que se iniciou a Era astrológica de 2160 no signo de Leão. Seria coincidência alguém construir um leão gigante de pedra, olhando pra constelação de leão (algo que só ocorreria uma vez em 10 mil anos) exatamente no inicio da era astrológica de leão (um período de 2160 anos entre 25.800 anos!!!)???

Da mesma maneira, como mostrei no link anterior, ocorreram raros alinhamentos da grande pirâmide com a estrela Alcyone (pertencente a constelação de Touro) e a estrela polar e tais eventos demarcaram, segundo relatos nos mapas da Teosofia, afundamentos ou finais de Era na Atlântida. O que isso significa? Significa que não foram os capelinos os verdadeiros atlantes, esses foram apenas espíritos em sua maioria rebeldes que encarnaram (ou melhor dizendo,se materializaram) num lugar que foi construído por espíritos muito mais adiantados vindos de outras paragens dos céus, espíritos da constelação do Touro e do Leão, os verdadeiros hiperbóreos e atlantes.  

Como também mostrado no link anterior, foram os atlantes “originais” (vindos da constelação de Leão ) que construíram a “Esfinge” (o leão inteiro) na mesma época que se iniciou a última Era de ouro atlante coincidindo com a era astrológica de Leão. Ao considerarmos a descrição na estela do sonho, com um leão olhando a leste e outro, na antiga Atlântida olhando a oeste, temos que quando um leão olhava para a constelação de Leão o outro, na Atlântida, olhava para a constelação de Aquário. Dito isso, podemos compreender que o antigo leão de pedra no Egito foi construído não apenas para marcar o início da última Era de ouro atlante, como também o início da Era de Regeneração, que se estabelecerá na Terra exatamente na Era de Aquário após 2036.

Com essa compreensão do simbolismo, podemos ainda entender que o símbolo solar entre os dois leões, mostrado na estela do sonho diz respeito ao trânsito do Sol entre uma era (em Leão a mais de 10 mil AC) e outra ( perto de 2100 DC) e que exatamente no meio dessas duas Eras (4.300 Ac a 2.200 Ac), na era de Touro o Sol está parado, exatamente quando o Egito foi unificado com Menés e adotou o culto ao touro Ápis (coincidência não?). Tal conhecimento já era compreendido desde a época de Moisés, tanto que no Velho Testamento o “relógio de Acaz” marca exatamente essa cronologia desde o final da era de ouro atlante com o afundamento até o início da era de aquário e da era de regeneração após os eventos de 2036. O entendimento do relógio de Acaz está no capítulo 18 da Bíblia no 3º Milênio. Eis os significados astrológicos e astronômicos desses simbolos que nada tem haver com “sistema solar orbitando Alcyone” como está explicado no link acima.

A partir de 2016 a história da Atlântida começará a ser contada....   



Pesquisando nas projeções astrais, verificando os registros akashicos, buscando decodificar as imagens, sons e sensações captadas eu percebi, cada vez mais, que somente com tais esforços e concentração é que poderia entender, verdadeiramente, toda a riqueza dessa história da humanidade. Processo semelhante aconteceu para que eu conseguisse compreender uma experiência projetiva, ocorrida há muitos anos, que muito me perturbou na época devido a vivacidade dos acontecimentos presenciados naquela projeção.


A tsunami na orla carioca



Naquele desdobramento consciente eu percebi que não estava vislumbrando acontecimentos no plano astral, pois quando isso acontece é visível a diferença de algumas estruturas que existem apenas no astral intermediário e não existem no plano físico. Estava presenciando algo que aconteceria em algum momento do futuro.

Era um dia de muito Sol e pela posição do Sol no céu era por volta de 11h e eu me vi no meio da orla de Ipanema, próximo ao posto 9, já na areia caminhando em direção ao mar. A praia estava cheia, indicativo de que era um final de semana ou feriado. De repente ouço um estrondo, como um trovão abafado ao longe e um barulho de água. Olhei ao redor, algumas pessoas se mostravam apreensivas, sem entender o que poderia ser aquilo. Muitos, inclusive eu, olharam na direção do mar e não vimos onda alguma ao longe, mas o barulho parecia cada vez mais próximo.

Percebi que o barulho aumentava próximo da pedra do Arpoador e da praia do diabo (um pequeno trecho de areia que fica entre a praia do arpoador-ipanema e a praia de copacabana). Quando olhei, uma onda com no mínimo uns 20 metros de altura vinha daquela direção, cruzando a praia e a avenida vieira souto ao mesmo tempo, vindo lateralmente na direção dos banhistas que estavam na areia e no mar. Após retornar ao corpo físico com a memória daquela visão tão real refleti por alguns anos sobre duas perguntas que eu não conseguia compreender. Muitas vezes queremos uma resposta ou auxilio dos amigos espirituais para esclarecer alguma dúvida, mas em alguns casos a resposta ou orientação não é mentalmente aceita, mais ou menos quando alguém faz uma pergunta, mas não quer ou não está preparado para aceitar a resposta.

Demorou muito tempo e muitas outras experiências no astral para que eu compreendesse que tal visão do futuro dizia respeito a um evento originário do atlântico. E foi exatamente quando compreendi isso é que pude obter a primeira resposta: porque a onda viria lateralmente e não diretamente “de frente” pelo mar em Ipanema (de frente para os prédios em frente a orla).

Observando a imagem que mostra o território brasileiro e mais acima o Cumbre Vieja (imagem acima) podemos observar o desenho do litoral carioca e na imagem abaixo podemos perceber que o litoral da zona sul carioca está “protegido” abaixo da região dos lagos e campos.         



Uma onda gerada pelo desabamento de parte do Cumbre Vieja ou pela queda de um asteróide no oceano Atlântico gera um efeito no oceano semelhante a alguém que atira uma pedra em cima da superfície de água: ondas são propagadas em formato circular, aumentando o diâmetro do circulo a medida que ele se distancia, através da superfície, do ponto central de impacto (como é mostrado no vídeo). No caso de um evento no Cumbre Vieja essa onda viria em sentido sudoeste para o território brasileiro, ou seja, em direção ao sul e ao oeste do litoral. Por esse motivo, um evento que gere um tsunami partindo do Atlântico, tanto através do Cumbre Vieja como de um local próximo pela queda de um asteróide, não atingiria a orla de Ipanema “de frente”, mas sim a orla do Leme e Copacabana, entrando lateralmente pelo Arpoador e pela orla de Ipanema e Leblon como podemos observar na imagem abaixo



Considerando os estudos que mostram no vídeo as conseqüências de um evento no Cumbre Vieja é possível calcular que, na pior das hipóteses, uma onda com no máximo dois a três metros atingiria a orla da zona sul carioca e muito provavelmente com um tamanho menor, devido as “barreiras” que existem ao longo do litoral carioca que pegariam a onda antes, como Campos e região dos lagos. Dito isso, a visão que eu tive, em uma das projeções mais assustadoramente reais que pude vivenciar, é que o evento que eu enxerguei não era em relação ao Cumbre Vieja, mas sim em relação ao auge dos eventos. Pra uma onda entrar lateralmente pela orla da zona sul com tranquilamente mais de 20 metros de altura somente uma coisa poderia fazer isso: um asteróide caindo na água.

Levando isso em conta e considerando que tanto um evento no Cumbre Vieja como um asteróide caindo no Atlântico permitiriam algumas horas antes que a onda chegasse ao litoral carioca, eu precisava encontrar a resposta para a segunda pergunta que eu me fazia há anos: porque tantas pessoas, sabendo que uma grande onda chegaria ao litoral iriam para a praia “curtir” um dia de Sol ao invés de tentarem, pelo menos naquelas horas restantes, buscar um local seguro?

E a resposta trazida pelos amigos guardiões foi, para mim, das mais tristes ainda que sincera: eram todas aquelas pessoas suicidas. Eu não queria acreditar no que estava vendo, mas ao acessar novamente aquelas imagens através dos registros akashicos, de forma mais facilitada pois já havia acessado diretamente através de uma projeção astral consciente no passado, pude perceber alguns detalhes, inclusive algumas falas e pensamentos das pessoas. Um senhor, dos seus 50 anos, perambulava embriagado com uma garrafa de whyski, rindo a toa pensando consigo mesmo “prefiro morrer embriagado com meu scotch 12 anos e esse lindo dia do que tentar fugir e deixar tudo o que tenho pra trás”. Em outro trecho próximo de onde eu estava (como um expectador espiritual observando aqueles acontecimentos) algumas pessoas conversam e comiam animadamente próximo a um pequeno móvel de madeira que haviam levado até a praia. Entre as falas e pensamentos daquele grupo pude observar uma das pessoas do grupo dizendo “ vamos aproveitar felizes, é o último dia da Terra, é o fim desse mundo cão”. Outro, bem animado, pensava “Jesus vai aparecer, eu sei que vai e vai ressuscitar todos nós assim que a onda passar”. Outro grupo, ainda mais animado, partia em direção ao mar com pranchas de surfe e um deles bradava “Vamo dropa a onda do fim do mundo mermão!!!! Uhuuu!!!”.

Todas aquelas pessoas haviam deliberadamente desistido de lutar pela própria vida.

Sempre me perguntei como as pessoas que moram no litoral ou próximo de zonas costeiras reagiriam ao saber que em algumas horas uma onda as atingiria e sempre imaginei que esses locais ficariam desertos, cidades fantasma, enquanto os habitantes buscassem os locais mais altos ou seguros, o mais distante possível do litoral nas horas restantes antes do impacto da tsunami. Para a minha surpresa, pelo menos em relação a experiência projetiva que eu tive, isso aconteceria de forma bem diferente ao que vi ocorrer na orla carioca naquelas imagens sobre o futuro, tanto em relação ao grande número de pessoas que permaneceram aguardando o “espetáculo” in loco, como pela própria chegada da onda, lateralmente e não “de frente” aos prédios da praia de Ipanema.

Há sempre muito o que aprender e sobretudo compreender a partir de algumas experiências espirituais, pois tão importante quanto vivenciar uma experiência projetiva ou espiritual é entender, de forma ampla, os significados que tal experiência traz.    



Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:
https://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036  

Fórum Profecias 2036:
http://www.profecias2036.com.br/forum/  


18 comentários:

Hélio Sescon disse...

Alencastro, o Apophis caso caia não seria no pacífico entre Russia e EUA? Se sim, que outro asteroide seria este que poderia cair no Atlântico?

João Inácio disse...

Oi Zé!
Buenas, apenas divagações....

o teu comentário a respeito do ápice, na praia no Rio, me lembrou cenas de dois filmes. O primeiro foi Melancolia, naquela sequência final em que a duas irmãs e o filho de uma delas se unem nos momentos antes do impacto de um planeta contra a Terra (ok, eles não estavam nada felizes, apenas aceitaram passivamente o inevitável, no que difere muito da tua projeção das pessoas ''felizes'' - acho que não é bem o termo, mas enfim, na orla carioca). Link aqui: http://megafilmeshd.net/melancolia/ <<<< publique os links se vc julgar adequados>>> E lembrando que o filme é uma alegoria sobre a depressão e a falta de gosto pela vida que ela suscita nas pessoas que padecem desse mal e não, de fato, sobre o fim do mundo físico, ''real''. (o diretor escreveu o filme para ilustrar como foi o sentimento dele durante uma longa crise de depressão)

O segundo filme que me veio à mente foi Nosferatu - O Vampiro da Noite, numa sequência, ao som de uma canção tradicional eslava, em que um grupo de pessoas faz um banquete, com mesa, velas, comida farta e tudo, em plena praça da cidade pomerana de Wismar, em meio aos ratos que levaram a um episódio de peste negra, no século XIX, e a consequente morte a todos. A quem interessar, o filme é excelente e creio que pode suscitar discussões filosófico-religiosas. <<<<>>>> Link aqui:
https://www.youtube.com/watch?v=AhecAVy__7I )

Partindo do que tu escreveste e justamente das referências nos filmes que citei, gostaria de fazer um questionamento algo complexo, que creio eu, talvez difícil de tu me responder:

Digamos que, hipoteticamente, eu esteja, por algum motivo qualquer , no RJ no dia do ápice. Eu sei que é impossível REALMENTE fugir para um local seguro estando lá, sendo a fuga e a histeria, o pavor, enfim tudo isso, coisas infrutíferas. Eu não digo, veja bem, pegar onda, nem fazer banquete na beira da praia ''esperando Jesus aparecer'', mas te pergunto, existe uma diferença, tênue que seja, entre buscar o suicídio da forma como tu descreveste na tua projeção e a pessoa que, sabendo ser o fim inevitável e que não haveria fuga possível, de fato, estando, por exemplo, num local como o Rio? Tentando ser mais específico: ficar sentado em oração, pedindo forças divinas para momento tão dramático, que é o de saber que vai se desencarnar numa tragédia, num apartamento, ou numa igreja ou o templo que fosse, esperando o ápice seria considerado suicídio. Ou o correto seria sair correndo, enlouquecido e desesperado, mesmo sabendo que isso não teria efeito prático algum? Não sei se me fiz compreender bem, mas foi algo que me veio ao ler teu texto e dos filmes que me lembrei.

Abraços!

andré silva disse...

Oi José, eu vi simulações da queda de asteroides, incluindo o Apophis, tem até um site onde a pessoa pode fazer simulações com asteroides de diversos tamanhos e pesos e nessas simulações é impossível uma onda de 20 metros atingir o Rio de Janeiro proveniente de uma queda do Apophis no Atlântico.

Se ele cair onde você demarcou no mapa, no máximo o litoral atlântico da África do Norte, Portugal e Espanha serão afetados por "pequenas" onda de no máximo 3 metros.

José Alencastro disse...

Olá Hélio, na página do Apophis na wikipedia tem um pequeno mapa que mostra a trajetória do asteroide mostrando possíveis pontos de queda. Se ele entrar exatamente pelo centro do chamado Keyhole a queda seria no pacifico, mas ao entrar em pontos mais afastados do centro do keyhole ou ainda se cair através de um processo conhecido como ressonancia gravitacional a partir de 2029, ele poderia cair em 2036 em qualquer lugar. Dessa forma, tanto pelo keyhole como por ressonancia, o Apophis necessariamente não teria que cair no Pacifico.

O video abaixo explica isso que eu falei: https://www.youtube.com/watch?v=JyF_GKukjFM

Abraço

José Alencastro disse...

Olá André, não sei em qual site você pesquisou, mas pelo tamanho e velocidade de queda seria gerada um onda bem maior.

No video que postei na resposta da pergunta anterior, o Neil Tyson explica quais seriam os efeitos da queda do Apophis e no próprio video do post dá pra se ter uma noção comparando com os efeitos de uma tsunami vinda do Cumbre Vieja, que teria um potencia muito menor do que a queda de um asteroide.

Vale lembrar que o modelo criado pelo Steven Ward se baseia não apenas no potencial destrutivo da queda de parte do Cumbre, mas tem base em eventos que já aconteceram como o evento do Krakatoa (tsunamis com 40 metros) e sendo bem conservador em relação a possibilidades ainda maiores como o evento de Santorini (estima-se que 4 vezes maior que o Krakatoa) e todos eles não chegam nem perto da potencia da queda de um asteroide na agua.

Pra ajudar a pesquisa, segue os links sobre esses dois eventos:

Krakatoa: http://pt.wikipedia.org/wiki/Krakatoa

Santorini:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Erup%C3%A7%C3%A3o_minoica

José Alencastro disse...

É realmente uma questão complicada João, mas acho importante analisar alguns aspectos. O primeiro deles é a questão da morte (o desencarne físico). Todos nós sabermos que um dia ela vai chegar, que é uma certeza inexorável, e diante de tal certeza vivemos a vida reagindo das formas mais diferentes a reflexão sobre como e quando isso vai acontecer. Na maioria dos casos existe um temor por não saber como e nem de que forma será e talvez por isso a grande maioria das pessoas busque formas de evitar o sofrimento diante da morte, seja em relação a perigos internos (como uma doença) ou externos (locais e situações envolvendo outras pessoas): tentar proteger-se de doenças, evitar locais perigosos entre outras medidas.

Muitas pessoas se interessam tanto pelo tema profético como pelo estudo da espiritualidade exatamente por isso: buscar um consolo, um entendimento e em alguns casos tentar antever de que forma podem se preparar para enfrentar a morte, seja antes ou durante um evento de grande proporções (profetizado nas 3 principais religioes monoteistas do mundo), pois mesmo estudando e projetando diversos cenários possíveis para o auge dos eventos em 2036, não há como alguém saber se até lá ainda estará encarnado. E mais ainda: estar em regioes litoraneas no dia do grande evento não é sentença de morte pra quem estiver lá, da mesma forma que fugir do litoral anos ou meses antes também não é garantia de um local seguro, pois diversos fenomenos serão desencadeados pela quede do asteroide, inclusive outros terremotos, maremotos e vulcanismo (San Andreas, Yellostone e o "filho" do Krakatoa, só para citar alguns)

Então eu particularmente acho que a melhor forma de encarar (vencendo ou não) o medo da morte ou o medo do sofrimento da morte é buscar viver positivamente o presente, buscando desenvolver atividades (profissionais ou de lazer) que permitam a pessoa exercer e expandir seus talentos, buscando também desenvolver boas relações e boas trocas (de sentimento, de pensamento) com as pessoas, em suma, tentar aproveitar bem o tempo, canalizar a própria essência para própositos úteis e relações positivas na medida do que for possível, pois eu acho particularmente que muito do medo de morrer em algumas pessoas existe não tanto pelo apego a vida na carne e o medo do "desconhecido"( lado de lá), mas por sentir que não está conseguindo ser útil, não está conseguindo canalizar a própria essência para algum propósito construtivo ou ainda que sente necessitar de mais tempo para transformar algumas situações.







José Alencastro disse...

Dito isso, eu acho que o mais importante para as pessoas que vivenciarem esses eventos do ápice (seja no litoral ou em qualquer outra localidade que venha a ser atingida por terremotos, vulcanismo ou tsunamis em virtude de fenomenos desencadeados pela natureza) e que tiveram a oportunidade de ter alguma noção como tudo isso vai acontecer ao estudar as profecias, tenham compreendido o mais importante: viver positivamente o presente, preparando-se não apenas para um fuga, uma rota de fuga ou um local mais seguro ou menos perigoso quando do auge dos eventos, mas estando preparados espiritualmente para que, caso seja a hora do desencarne, estejam conscientes ou mais consciente possivel do que existe do lado de lá.

O mundo não vai acabar e mesmo as áreas afetadas, seja no litoral ou não, receberão ajuda. Então eu acho que nesse caso especifico, de alguém que estiver no litoral, sabendo que em 4,5 horas chegará uma grande onda ou ondas, deve manter a serenidade, evitar o desespero e tentar buscar uma região mais alta e o mais distante possivel do mar, levando alguns mantimentos, remédio, equipamento de comunicação e se possível estar em um grupo de pessoas, pequeno ou médio, que faça o mesmo e que ao mesmo tempo busque orientar as pessoas próximas para que seja mantido o mínimo de ordem diante um evento desses, criando um ambiente local que permita a sobrevivencia por alguns dias até o resgate.

Quanto aos diferentes tipo de suicidio, eu acho que esse artigo aqui vale para a reflexão:
http://www.grupopas.com.br/cadastroColuna/mostraArtigoColuna.do?id=190

Abraço

João Inácio disse...

Zé!
Obrigado pela resposta, foi bastante clara, apesar do tema realmente complexo.

Hj à noite lerei o link que tu postou com mais calma!

Forte abraço!

Rafael Frigori disse...

José,

Gostaria apenas de comentar que segundo simulações físicas de Purdue, vide online
(http://www.purdue.edu/impactearth/) é impossível o Apophis gerar essa magnitude de Tsunamis no Rio.
Abraços

Rafael

andré silva disse...

Oi José, tudo bom?

Dá uma olhada nesses sites, eles explicam melhor sobre tsunamis provenientes de impactos de asteroides.

http://www.astronomynotes.com/solfluf/s5.htm
http://users.tpg.com.au/users/tps-seti/spacegd7.html
http://www.newscientist.com/article/dn9160-tsunami-risk-of-asteroid-strikes-revealed.html
http://es.ucsc.edu/~ward/

A criação de um tsunami por impactos de corpos celestes difere dos produzidos por terremotos e deslizamentos de terra.

O próprio cientista Neil Degrasse explica no vídeo que se o tsunami caísse no pacífico, próximo a costa dos Estados Unidos a mesma seria atingida por uma onda de no máximo 15 metros, as outras seriam menores e na simulação ela chegaria ao Havaí com 5 metros.

Abraços.

José Alencastro disse...

Tudo bom André :)

Excelente os links, sobretudo o último com as simulações da equipe do Steven Ward.

Comparando as simulações, basicamente em relação a quedas de asteróide, dá pra perceber que não existe um consenso sobre o tema e por isso mesmo eu acredito que o evento será bem maior do que algumas simulações mostram. Vou dar um exemplo, usando o próprio vídeo do Neil Tyson e um dos vídeos do Ward:

O Neil Tyson a 3:30 do vídeo explica que o Apophis ao cair vai gerar um buraco de 5 km e a partir daí uma onda (isso que na época estimava-se o asteroide com tamanho menor em relação a ultima observação feita em 2013).

Já no vídeo abaixo (2:24), a queda de um asteróide sem tamanho definido, que gera um buraco no oceano de 3 km vai causar ondas de 30 metros ao atingir um local 1200 km do ponto de impacto

https://www.youtube.com/watch?v=DeAeGJK1qKA

Repare bem, que um impacto que gera um buraco quase duas vezes menor em relação ao descrito pelo Neil tyson (Neil Tyson fala em 5 km, o video em 3 km de profundidade) vai gerar uma onda duas vezes maior (30 metros contra 15) a uma distancia duas vezes maior (1200 km contra 500 km), tudo isso considerando que quanto maior a profundidade de penetração na água, maior o tamanho e potência da onda.

Sendo assim, um dos dois está errado nos efeitos: ou o vídeo da equipe do Ward está superestimando o evento do asteroide e igualmente o do Cumbre Vieja ou o Neil Tyson está subestimando o efeito de impacto do Apophis.

Se o pessoal do Ward estiver certo na relação profundidade do ponto da queda e ondas geradas, não seria dificil imaginar que a queda de um asteroide das dimensões do Apophis pudesse gerar uma onda de 20 metros ou perto disso no litoral brasileiro ao cair a quase 6 mil km do litoral.

De qualquer forma só vamos saber realmente o que vai acontecer no dia que acontecer, mas em termos de simulação é totalmente possível que aconteça considerando as dimensões do Apophis :)

José Alencastro disse...

Tem dois outros videos bem interessantes. Nesse aqui mostra qual seria a trajetória do Apophis (considerando que em 2036 ele não vai cair mas passar raspando) e "curiosamente" ele da um rasante sobre o Brasil e no ponto que está no Atlântico, bem próximo da África, ele passa sem cair. Coincidencia que é bem próxima ao ponto de queda que eu descrevo no texto e no livro A Bíblia no 3 Milenio:(abre com o VLC player)

http://es.ucsc.edu/~ward/Apophis-miss.mov

Outro video interessante mostra os efeitos do Cumbre Vieja e também do Eltanin (que causou um buraco menor do que está previsto pra queda do Apophis):
https://www.youtube.com/watch?v=UpAgdPaYmII

Tamires disse...

Oi, José, boa tarde.
Eu estava vendo o vídeo do Neil Tyson sobre o Apophis e ele fala que a data seria 13 de abril de 2036. Coincidentemente, é a data do domingo de Páscoa desse ano, que comemora a festa da "Ressurreição de Cristo", o que me pareceu coincidência demais.

Mas no seu site várias vezes você fala do dia 24/04/2036, 12h.

Considero que todo ser humano é passível de falha e tanto o estudo científico dos astrônomos pode estar errado como pode existir alguma falha nas suas interpretações.

Mas o mês de abril de 2036 me parece inexorável, não acha?

Kristina disse...

Acabei de visitar o local da queda de um meteoro em Utah, EUA. Lá aprendi que os resultados de um impacto depende de muitas coisas, dentre eles peso, dimensão, velocidade e ângulo de entrada na atmosfera. Sendo assim, só poderemos calcular corretamente a posição e tipo de consequências após 2029, quando ele mudar de rumo.
Pelo menos foi essa a conclusão que cheguei.
Espero poder ter ajudado.

José Alencastro disse...

Olá Kristina

A questão é que existem diversos programas que analisam o efeito da queda de um asteroide. O mais famoso deles é esse aqui:

http://www.purdue.edu/impactearth

Ocorre que a equipe do Steven Ward desenvolveu um outro programa que leva em conta maiores variaveis e que já demonstrou impressionante acerto ao prever os efeitos de alguns fenomenos, como deslizamento de pedras de vulcoes no oceano e tremores no oceano. Está no terço final desse video a comparação:

https://www.youtube.com/watch?v=UpAgdPaYmII

Segundo esse programa do Ward, os efeitos tanto de um desabamento no Cumbre Vieja, como a queda de um asteroide como o Apophis seriam muito maiores do que os mostrados em outros programas, pois eles consideram que mesmo ondas curtas de energia no oceano podem permanecer constantes por um tempo maior.

Comparando no inicio do video acima sobre a queda do Eltanin com a profundidade que o Apophis atingiria segundo os estudos do Neil Tyson é possível ter uma idéia do tamanho do estrago que vai ser, muito maior do que a maioria dos programas consideram. Tudo depende dos parametros, se você utilizar como base o programa do Steven Ward e os dados da queda fornecidos pelo Neil Tyson, então teremos um fenomeno muito próximo, com a queda do Apophis, com o que foi a queda do Eltanin.

Abraço

José Alencastro disse...

Olá Tamires

Descobriremos isso em abril de 2036 :)

Ricardo Silva disse...

Olá amigo. Lendo seu post eu lembro de um sonho muito real que tive a alguns anos, Eu estava no centro da cidade do Rio de Janeiro, no saguão de um grande prédio de escritórios. E vi que uma onda gigantesca vinha da baía de Guanabara em nossa direção. Ela vinha levando tudo em seu caminho e foi quando corri e me escondi atrás do balcão, inutilmente tentando me proteger.

Alexandre Guedes dos Santos disse...

José, pelo que eu li, em 2029 as pessoas conseguirão calcular que em 2036 o asteróide colidirá com a Terra, certo? Não haverá evacuação antecipada dessas áreas? Por que as pessoas esperariam até o último minuto para então começar a fugir?