30 de mar de 2014

Atlântida - Perseu, os Dragões e a Origem dos Guardiões



Recebi algumas perguntas bem interessantes sobre o último texto que relatava um pouco da história da Atlântida, o exílio dos dragões e a evolução da espécie humana. Dois temas bem interessantes surgiram nessas perguntas: a questão da materialização da Atlântida e de que forma os dragões participaram no início do processo que resultou no desenvolvimento genético do homo sapiens.

O tema é amplo e certamente será mais detalhado nos 4 livros sobre a Atlântida que começarei a escrever antes do final de 2014, mas nas linhas a seguir os leitores do blog terão uma idéia mais clara de como aconteceu todo esse processo. Antes de ler as próximas linhas (perguntas e respostas) deste post é aconselhável ler o texto no link a seguir:


Pergunta: “José, sendo a Atlântida uma colônia materializada, o que dizer das pessoas que desencarnaram (estavam de fato encarnadas?) no afundamento do continente? E as guerras que ocorreram naquela época com a utilização de magia negra e tecnologia avançada? Existia, então, uma Atlântida material e outra astral, ambas coexistindo no plano denso (uma realmente material e a outra materializada) em Eras de Ouro, aliando o grande progresso conquistado no mundo físico com a realidade bem avançada do plano superior astralino?” (Maurício)

Resposta: O território aonde a Atlântida se materializava, mostrado nos mapas da Teosofia, sempre foi físico, acontece que sobre ele se materializava, de tempos em tempos, parte da colônia astral, colônia astral essa que é a verdadeira Atlântida, sendo que o que ficava materializado era simplesmente parte dessa colônia astral. Tivemos, portanto, sempre a Atlântida como uma colônia astral e de tempos em tempos uma parte dessa colônia materializada sobre o território físico já existente no Atlântico. Sendo assim, durante esse período realmente tínhamos duas Atlântidas (a que permanecia no astral superior e a parte desta que “descia” ao plano físico).

O "desencarne" acontecia quando o perispírito materializado perdia a capacidade de manter-se materializado, seja devido a profundas feridas, seja devido ao próprio processo de degradação da estrutura materializada, que era mais lento do que o envelhecimento de um corpo físico, por isso que os habitantes conseguiam viver mais tempo "encarnados". Nesses casos o espírito ao "desencarnar" (volta ao plano espiritual) ia para a Atlântida que estava no astral e não havia sido materializada ou, em muitos casos, era arrastado para o astral inferior e futuramente teria que reencarnar nos povos primitivos, aí sim pelo processo natural de geração de um novo corpo físico que servisse de morada para o perispírito.

A saída da materialização de partes de colônias astrais, como no caso a Atlântida, Lemúria, Hiperbóreo e outras, em vários pontos do mundo, era uma saída que permitia uma experiência mais física e próxima da realidade dos encarnados, só que numa realidade mais próxima, em níveis de evolução, ao que os exilados vivenciavam em seus mundos de origem, pois na humanidade realmente encarnada os corpos e as cidades eram ainda muito atrasadas, do tempo do homem das cavernas, salvo raras exceções como algumas cidades nas Américas e na Ásia que forma construídas por homens encarnados com conhecimento de atlantes, mas no geram eram populações e tribos bem atrasadas tecnologicamente, que serviam, em ultimo estagio, aos mais rebeldes que vinham exilados e não aceitavam mudar de comportamento nas colônias materializadas.

A justiça divina sempre oferece várias chances de remissão, mas mesmo diante da real possibilidade de encarnar entre os "homens das cavernas", muitos preferiam manter os velhos ódios e abandonar a chance de aprendizado nas colônias materializadas, o que forçava a experiência encarnatória no seio das civilizações encarnadas e ainda atrasadas do Globo.

Pergunta: “Neste caso, com a ocorrência de espíritos moralmente falíveis, compreende-se que naquela época a colônia Atlântida não se "localizava" no astral superior. Isso é correto? A atmosfera energética da Terra de outrora era menos densa que a atual? Agora me ocorreu que nos livros do Feraudy, alguns magos ou seres que dominavam as artes e ciência de controle das energias, conseguiam materializar formas-pensamento horrendas (como monstros enormes), entre outras coisas, como artifício para seus planos. Não que isso seja impossível hoje, mas parece que naquela época era comum e mais "fácil" de realizar esses feitos. Isso se dava devido a esses referidos seres estarem materializados ou por conta da atmosfera terrestre estar menos carregada como hoje? Ou quem sabe as duas coisas... É plausível o que acabei de falar? Suponho que as cidades das Américas que vc citou são aquelas relatadas nos livros do Feraudy e que deram origem as lendas do El Dourado, por exemplo.” (Maurício)

Resposta: A Atlântida sempre foi uma colônia astral superior, o que "descia", de tempos em tempos, era uma parte dessa colônia, ou seja, parte da sua estrutura astral (ruas, cidades, prédios, etc) que era materializada sobre o território físico do Atlântico (massa continental que sempre existiu no físico)

Ou seja, a colônia astral Atlântida, no plano astral superior, sempre existiu e sempre foi lar de almas elevadas.

Já a parte que "descia" ao plano físico e que recebia os exilados, era temporária e estava localizada no plano físico, pois sua matéria astral estava artificialmente materializada. Em virtude disso é que magos negros e dragões, em épocas remotas, podiam agir quando encontravam brechas energéticas nos habitantes e a partir dessa interferência é que aconteciam as guerras e os sucessivos afundamentos que a Teosofia relata, fazendo com que a parte física que já existia (e não a materializada) fosse destruída, afundada, enquanto que a parte astral artificialmente materializada retornasse ao plano astral.

Tais fenômenos que aconteceram com a Atlântida, Lemúria, Hiperbóreo e outras colônias astrais que se materializaram temporariamente, eram permitidos e mais freqüentes porque os habitantes carnais da Terra ainda estavam muito atrasados, eram "homens das cavernas" com pouca tecnologia, salvo em alguns locais que temporariamente ergueram cidades físicas entre encarnados que foram preparados por varias encarnações, o próprio Feraudy fala de alguns desses locais físicos no Brasil e como a demanda de almas exiladas era grande e que precisava de locais não tão rudes para as primeiras experiências exilatórias antes de encarnar diretamente entre os "homens das cavernas" é que tais materializações e intercâmbio mais visível entre os dois mundos era permitido.

Após o ultimo afundamento da Atlântida e com o florescimento de alguns povos como os egípcios, babilônios, indianos e chineses , tal procedimento foi abolido, pois com o inicio do novo ciclo de 100 períodos ( vide o texto com os ciclos planetários) que iria do afundamento final da Atlântida até 2036, a humanidade teria que desenvolver sua espiritualidade através das rudes provações do mundo físico, tendo limitada a ação mental e magística que estava agora mais restrita ao plano astral, motivando assim que tantos espíritos evitassem a encarnação, justamente por essa limitação em seu poder de atuação.

Pergunta: “José como aconteceu de os dragões participarem da mudança genética dos seres humanos eles tinham a permissão das altas esferas para fazer isso ou fizeram com intuito de deixar o corpo humano propicio para eles poderem encarnar sem precisar passar pelo processo de reencarnação e de que forma se deu essa modificação.” (Edson)

Resposta: Os dragões perceberam, após muito tempo de tentativas de manipulação genética, que o corpo físico humano levaria centenas de milhares de anos para chegar ao protótipo que eles julgavam adequado para o reencarne.

Naquela época, próximo de 800 mil anos atrás, eles perceberam que seria mais eficaz criar um modelo humano mais robusto, que pudesse erguer diversas pirâmides ao redor do mundo para que dessa forma eles pudessem materializar todas as criações astrais e seus próprios corpos astrais e levassem seu reino de poder também para a esfera física, sem que precisassem reencarnar ou deixar de atuar na dimensão astral, ou seja, serem os donos completos do mundo.

Acreditavam que ao construírem pirâmides (através da subjugação de humanóides mais robustos como escravos) eles poderiam criar a energia suficiente no plano físico para fugir do planeta em naves materializadas que após saírem do planeta se desmaterializariam. Na idéia deles tal estratégia burlaria a prisão planetária que existia no astral e que os havia capturado e, caso o plano resultasse em fracasso, eles teriam energia suficiente através das pirâmides para gerar uma reação atômica em cadeia e implodir todo o planeta, destruindo assim a prisão na qual estavam confinados.

A idéia dos dragões, ao contrário dos magos negros, sempre foi a de fugirem da Terra, sempre encararam a Terra como uma prisão, mesmo nas tentativas de criar um corpo físico ou de se materializarem, a idéia deles sempre foi de encontrar uma forma de fuga, ou fisicamente ou pela própria destruição do planeta inteiro


Foi então que há aproximadamente 800 mil anos vieram os exilados da constelação de Perseus, mais precisamente de Beta Persei (Algol), uma estrela binária conhecida como "o olho esquerdo da Medusa", um grande grupo de guerreiros e pilhadores, ambiciosos e em busca de aventuras e glórias, exilados de diversos outros mundos, foram parar em Algol, uma espécie de prisão astral na época que reunia os espíritos mais guerreiros e belicosos de diversos orbes.

O grupo de exilados fez um acordo com a governadoria planetária da Terra: resgatar a própria honra e utilizar sua ambição e desejo de glórias para um propósito positivo: banir definitivamente os dragões para o astral inferior, impedindo a destruição do planeta. Foi dessa forma que o primeiro grande conflito aconteceu, resultando no primeiro afundamento da Atlântida e uma guerra planetária, que teve como saldo o exílio dos dragões para o astral inferior e o estabelecimento de uma grande equipe permanente de segurança no planeta, encarregada de controlar os dragões e futuras ameaças a ordem planetária. Essa grande equipe ficou conhecida como os guardiões.

Toda a lenda da Medusa ou Górgona remete a líder dos dragões, da mesma forma que o castigo de petrificação representava o limite da degradação do corpo espiritual, o estágio de ovóide petrificado. Na própria lenda de Perseus algumas cidades gregas como Tirinto e Micenas representam o Hyperbóreo e a Atlântida, de onde surgiram lendas de que esses dois locais mitológicos teriam existido na Grécia.


Perseu tornou-se o chefe milenar dos guardiões desde tempos imemoriais e que posteriormente recebeu a companhia de um outro guardião, como narrado ao final do livro A Bíblia no 3º Milênio.

Assim começou a luta entre dragões e guardiões, bem antes da vinda dos magos negros. A líder dos dragões foi relatada em diversas mitologias, não apenas como a Medusa pelos gregos, mas também como Apep/Apophis pelos egípcios,  Tiamat pelos babilônios e sumérios e Leviatã pelos hebreus (Jó 41:18-21) e fenícios

Pergunta: “Então todas as pirâmides que existem no mundo foram construídas com a intenção dos Dragões fugirem da Terra e como os seres Celestes utilizam as pirâmides para o bem e o tesouro deixado pelos atlantes em uma pirâmide contendo informações que faria a Terra evoluir poderia mostrar algumas das informações caso tenha conhecimento e José poderia falar algo sobre os Arcturianos se eles também vieram a Terra em exílio ou em sentido de ajudar nessa transição e quais seres e de quais mundos fazem a segurança planetária da terra?” (Edson)

Resposta: As pirâmides que foram construídas na época que os dragões se materializam com freqüência sobre a Terra não existem mais, isso foi há quase 800 mil anos. As pirâmides que existem atualmente em diversas partes do Globo são heranças de antigas civilizações de homens encarnados que tiveram contato direto com atlantes e outros povos (hyperboreos, lemurianos) que auxiliaram no desenvolvimento dessas civilizações de encarnados. Alguns estudiosos do tema chegaram até a estipular que a Atlântida teria existido na região do lago Titicaca, quando em verdade ali e em outras regiões das Américas floresceram civilizações de encarnados que receberam visitas constantes de atlantes e outros espíritos de avançada moral que se materializavam temporariamente nos períodos que parte de suas colônias astrais também se materializavam. Nessa época os dragões já estavam com atuação restrita ao plano astral inferior, sendo que já no último afundamento da Atlântida sequer podiam mais se materializar no plano físico. 

Não tenho qualquer informação sobre arcturianos, o que eu sei sobre o grande grupo de espíritos vindos de outros planetas e orbes e que ajuda na evolução da Terra é que pertencem, em sua maioria, aos locais descritos no capítulo 12 da Bíblia no 3º Milênio que fala sobre quais orbes e estrelas auxiliaram o processo de redução perispiritual de Jesus para o seu encarne entre os homens, somados aos "pontos" pertencentes ao hexágono de inverno.



Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:

Fórum Profecias 2036:



28 de mar de 2014

Atlântida, a Lenda do Continente Perdido: Dragões, Capela e a Evolução Humana


Atlântida, o continente perdido é ainda tido por alguns como uma lenda concebida por Platão. Vamos descobrir neste texto como a Atlântida explica a história da evolução humana, passando pelo exílio dos Dragões e de Capela

Como foi mencionado no texto "Os outros exílios além de Capela", existiram muitos outros exílios antes da vinda dos capelinos para a Atlântida. A História da humanidade é bem anterior a 12 mil ou 40 mil anos. Da mesma forma os Dragões possuem uma história muito mais antiga.


Só pra vocês terem uma idéia, o gênero homo sapiens sapiens, que é o atual modelo que nós encarnamos atualmente, surgiu há 120 mil anos, ou seja, muito antes do que  40 ou 12 mil anos antes de Cristo e tal gênero conviveu por vários milênios com o homo sapiens neanderthalensis (homem de neanderthal), que surgiu 300 mil anos AC e foi extinto por volta de 30 mil AC, sendo que fisicamente os neanderthais eram mais robustos que o homo sapiens sapiens, tinham um volume cerebral maior e segundo recentes pesquisas cientificas se comunicavam entre si com uma linguagem articulada.


Ano passado cientistas descobriram um novo continente próximo a costa sul/sudeste brasileira e "coincidentemente" esse pedaço de terra submersa é mostrado nos mapas da Teosofia, como pertencente ao grande continente atlante em um mapa (mostrado acima) que segundo é relatado, mostra a configuração da Terra há 800 mil anos, ou seja, muito antes dos 40-12 mil anos que algumas obras espíritas andam divulgando e muito antes dos 500-450 mil anos que as teorias ligadas a obra do Zecharia Sitchin divulgam.


Por esse motivo, para compreendermos a história da humanidade, precisamos recuar até 1 milhão - 800 mil anos, na época que os chamados dragões ou morgs foram exilados pra cá, um pequeno grupo com menos de 2 mil espíritos, que não veio para a Terra para "roubar ouro e levar para o seu mundo de origem", até porque quando chegaram aqui, em corpo astral e não em corpo físico, foram aprisionados pela justiça divina.

Curiosamente os mapas da Teosofia mostram que entre 800 mil e 200 mil anos AC a configuração planetária, sobretudo o território no qual estava a Atlântida, foi drasticamente alterada, e mais curioso ainda: que exatamente nessa época (780 mil AC) o homo habilis foi extinto e em alguns milênios o gênero homo avançou de tal forma que espécies como o homo sapiens arcaico, o homem de neanderthal e o homo sapiens sapiens surgiram em uma velocidade muito superior ao desenvolvimento que ocorria até a extinção do homo habilis, que era muito mais frágil fisicamente em relação a esses 3 últimos.

Algo aconteceu a partir de 780 mil AC....

Segundo uma das teorias mais aceitas para o processo de evolução humana, o homo sapiens sapiens derivou de uma evolução do homo sapiens arcaico e por sua vez o homo sapiens arcaico derivou do homo erectus. A questão é que algo fez com que ocorresse um aceleramento nesse processo, entre 780 mil AC e um pouco antes de 600 mil AC, exatamente na janela de dois importantes mapas da Teosofia, que segundo reza a lenda vieram diretamente das mãos de Charles Leadbeter, um maçom de grau 33 e profundo estudioso sobre a Atlântida e a espiritualidade, que por sua vez recebeu esses mapas de Madame Blavatsky quando ela pesquisou muito da história da humanidade, inclusive junto a alguns monges tibetanos que teriam entregue esses mapas a ela e ajudaram a formular a Doutrina Secreta. Blavatsky trouxe a essência, Leadbeter a sintetizou de forma mais "palatável" e William Scott Eliott popularizou.    

Em 780 mil AC o homo habilis, com seu 1.30, porte frágil, foi extinto. Ocorre que um pouco antes, em 800 mil AC, o homo antecessor também foi extinto, sendo que uma das espécies vivia na África e o antecessor vivia na Europa. 

Algo importante aconteceu um pouco após 800 mil AC e segundo os mapas da Teosofia foi o primeiro afundamento da Atlântida, algo aconteceu que ocasionou tal afundamento, lembrando novamente que parte desse território que consta nos mapas da Teosofia foi descoberto ano passado próximo da costa brasileira

A partir de 600 mil AC surge o homosapiens arcaico que recebe "atualizações" muito rápidas:

homo rhodesiensis dura de 600 mil AC a 160 mil AC

homo heidelbergensis dura de 500 mil AC a 250 mil AC

homem de neanderthal que dura de 300 mil AC a 30 mil AC

Por volta de 120 mil AC surgiu o homosapiens sapiens.

Ao estudarmos os livros da Teosofia sobre a Atlântida, como a obra de William Scott Elliot, Charles Leadbeater e os mapas apresentados sobre os diversos afundamentos acontecidos, sendo o primeiro deles conhecidos perto de 800 mil anos atrás, ao estudarmos a obra do Feraudy que fala bastante sobre a Atlântida, em especial o livro Erg – O Décimo Planeta (livro que inclusive aponta 2035 como período crítico para as mudanças planetárias), ao estudarmos o capítulo 7 do livro Senhores da Escuridão do Robson Pinheiro que relata o exílio dos dragões para a Terra, que ao chegarem aqui ficaram aprisionados na esfera terrestre, concluímos que a teoria apresentada por Sitchin sobre os anunaki não possui lógica, pois realmente algo aconteceu que acelerou o ritmo de mudanças na evolução da espécie homo, mas tal acontecimento foi bem antes de 500-450 mil anos AC, além disso os primeiros exilados para cá (dragões/morgs) não poderiam sair e voltar do planeta como descreve a obra de Sitchin sobre os anunaki, ao mencionar que estes utilizam  escravos para extrair ouro da Terra.

Aliás, pela própria Teosofia sabemos que povos avançados da Atlântida cultivavam seu próprio ouro através de avançada alquimia, criando inclusive algo superior ao ouro, o orichalco, portanto não faz o menor sentido acreditar que uma suposta civilização adiantada que podia cruzar o sistema solar com suas naves não tivesse tecnologia para criar seu próprio ouro e assim precisasse “surrupiar” o ouro da Terra. 

Colocar os dragões ou morgs como os tais “anunaki” também é um grande equívoco, pois os dragões ou morgs vieram em algum período próximo de 800 mil AC e não em 500-450 mil AC como é dito no relato de Sitchin sobre os anunaki.

Um texto do blog que fala bastante sobre Nibiru e as teorias que envolvem a suposta existência dos anunakis estão nesse texto: 


Se possuímos alguma data possível, como alguma base de estudos para o início dos avanços do gênero humano através da vinda de povos extraterrestres exilados com tecnologia superior (ainda que exilados e com baixa moral) essa data está entorno de 800 mil anos AC ou antes, algo entre 1 milhão AC e 800 mil AC e não 500-450 mil AC. Da mesma forma é um grande equívoco confundir dragões com exilados de Capela, pois o exílio dos dragões foi muito anterior a 12 mil ou 40 mil anos AC.

Portanto, os dragões não são nem anunakis, nem capelinos. Lá no fórum tem uma série de textos que fala sobre as diferenças entre dragões, magos negros e simples obsessores:



Atlântida, Lemúria e Hyberbóreo


Ao longo da antiga história humana tivemos diversos exílios, a questão é compreender como tais exílios ocorreram, sobretudo quando ainda existia a Atlântida, o Hyberbóreo e a Lemúria. Como eu mencionei no livro A Bíblia no 3º Milênio com amplas explicações, a Atlântida é e foi, desde tempos imemoriais, uma colônia do astral superior.

De tempos em tempos parte da sua estrutura era temporariamente materializada sobre o território continental que existia no oceano atlântico. Portanto, quando aconteciam afundamentos em virtude de guerras e conflitos dos povos exilados naquela região, o que “afundava” era tão somente a massa continental e não a Atlântida em si, pois toda a estrutura atlante que estava materializada após algum tempo voltava ao seu estado original, de matéria astralizada.

Em algumas reuniões de materialização com o Dr Fritz nos anos 90, eu pude observar tal fenômeno. Certa vez foi materializada uma pequena pirâmide de cristal com uns 2 cm de tamanho e após alguns dias ela simplesmente se desmaterializou, isso porque não estava sendo utilizada a tecnologia para manter artificialmente o estado da matéria astral modificado e, assim, mais materializado e menos astralizado.

Esse processo de materialização temporária de algumas colônias aconteceu em outras partes do planeta também, existem relatos, por exemplo, sobre a materialização de uma colônia na região do Saara, há quase 70 mil anos, também com o propósito de auxiliar não apenas no desenvolvimento moral de espíritos exilados que eram encaminhados para a Terra, como colaborar no avanço genético do gênero homo sapiens. Em um dos textos do blog sobre a Atlântida eu coloquei o seguinte relato:

“Nessa época, tanto a pirâmide de Gizé como a grande pirâmide atlanteana já existiam, ambas ficaram prontas um pouco antes do ciclo anterior, que ocorreu pelos idos de 53.800 a.c, ou seja, há quase 56 mil anos, novamente começando numa Era de Áries, simbolizada pelo cordeiro (toda a preparação dos quase mil anos de Jesus pra encarnar ocorreram durante uma era de Áries também). 

Elas foram construídas nessa época como parte de um grande projeto da espiritualidade para que ocorressem os avanços necessários ao homo sapiens na África e na Europa, criando no seio do homem de neandertal (homo sapiens neanderthalensis) um novo tipo de homo sapiens conhecido como homem de cro magnon , ambos do gênero homo sapiens se extinguiriam mas o cro magnon deixaria uma herança genética ao homo sapiens sapiens criada justamente pelo cientistas atlantes desta época: o marcador genético M343.

Se recuarmos mais um grande ciclo, chegaremos exatamente ao ano 80 mil AC, novamente no inicio de uma era astrológica de Áries também demarcado pela rara conjunção entre Alcyone e a estrela polar, o que de certa forma pode ter servido como um “marcador” para a construção exatamente no Egito e quando esse alinhamento ocorresse no grande ciclo seguinte, tanto para a pirâmide egípcia como a pirâmide atlanteana. Temos, portanto, marcados esses grandes ciclos:

80 mil anos a.c - Afundamento de parte da Atlântida, início da era astrológica de Áries, conjunção entre a estrela polar e Alcyone exatamente sobre o local onde no futuro seria erguida a grande pirâmide egípcia.

53.800 anos a.c – Construção das grandes pirâmides, atlanteana e egípcia, marco do início do aprimoramento genético da espécie humana homo sapiens pelos atlantes, início da era astrológica de Áries, pirâmide egípcia perfeitamente alinhada com o raro fenômeno de Alcyone e estrela polar alinhadas, marco do início da penúltima Era de Ouro da Atlântida.         

28 mil anos a.c – Início da Era astrológica de Áries, novamente Alcyone alinhada no topo da grande pirâmide egípcia demarca o fim do homem de neandertal , o trabalho de aperfeiçoamento do gênero homo sapiens avança

10.838 anos a.c – Início da última Era de Ouro da Atlântida, início da construção da Esfinge

10.500 anos a.c – Encarna no Egito Toth, iniciado atlante

9.564 anos a.c – Afundamento da Atlântida, extinção do homem de Cro Magnon. O afundamento do território atlante provocou tsunamis em todas as áreas costeiras do planeta, atingindo com mais força principalmente o Caribe, Europa , noroeste da África e toda a área costeira do mar Mediterrâneo eventos que causaram a extinção do Cro Magnon"


Os exilados quando eram enviados para a Terra não encarnavam diretamente, passavam antes por um período de adaptação no astral intermediário (contrapartida astral da superfície terrestre física) e caso mostrassem alguma vontade de mudança, eram encaminhados para a Atlântida, Lemúria ou ao Hiperbóreo, colônias astrais temporariamente materializadas em grandes massas territoriais do Globo, para que nesses locais eles pudessem colaborar com a evolução dos povos primitivos da Terra (homo sapiens arcaico, homem de neanderthal, homo sapiens sapiens e etc que recebiam visitas constantes desse seres em seus vimanas) e assim pudessem evitar, em muitos casos, o encarne entre os povos primitivos, o que infelizmente para os exilados era uma minoria, já que grande parte trazia ainda intensa a carga de ódios dos mundos que os exilaram.

E mesmo os mais “brandos” acabavam quase sempre, após algum tempo, sucumbindo a ação dos dragões/morgs e de magos das trevas vindos de exílios anteriores, que do astral inferior influenciavam os mais “brandos”, motivando sutilmente antigos ódios e desejo de poder, sendo que esses dois grupos (dragões e magos negros) lutavam até o penúltimo afundamento da Atlântida, ou seja, ainda conseguiam após instalar a confusão e a guerra eles próprios se materializarem na Atlântida, foram essas as últimas vezes que os dragões andaram na superfície da Terra, mesmo nunca encarnando entre os homens.

Quando os capelinos vieram “a coisa” não estava tão feia assim: os povos primitivos da época eram bem semelhantes a atual forma humana que nós possuímos atualmente, inclusive possuindo uma linguagem articulada, em boa parte ensinada pelos atlantes, hiperbóreos e lemurianos ao longo de vários e vários milênios de visitas constantes dos “gigantes das estrelas” (devido a sua forma materializada mais alta e devido a utilização de naves ou vimanas para deslocamento no Globo). 


Os quatro povos da Atlântida


Na própria Atlântida, antes da formação da ultima Era de Ouro e durante a última Era de Ouro, que precedeu o afundamento derradeiro do território no atlântico (que havia sobrevivido aos afundamentos anteriores) em 9564 AC, os 4 povos viviam e auxiliavam no desenvolvimento e na diversidade genética dos povos primitivos do resto do Globo:

Os hyperboreos atuaram diretamente no desenvolvimento dos europeus, pois em sua forma perispiritual eram brancos, loiros, com olhos claros, já os lemurianos atuaram diretamente nos povos primitivos da África, possuíam a pele negra, assim como os cabelos e olhos escuros.

Os atlantes possuíam pele avermelhada, os cabelos ruivos, entre o castanho e o avermelhado e olhos que variavam do castanho ao violeta. Havia ainda uma quarta civilização, que atuava diretamente em uma colônia astral que de tempos em tempos se materializava em uma região que englobava parte da Rússia e da China atuais e dessa civilização existiam habitantes que viveram também na Atlântida: possuíam a pele entre o branco e o amarelo, cabelos negros e olhos “puxados”, normalmente escuros.

Todas essas quatro civilizações e suas bases continentais atuaram por milênios ajudando no aprimoramento genético do homo sapiens, ainda que inicialmente as primeiras mudanças genéticas, há quase 800 mil anos, tenham sido realizadas pelos dragões/morgs exilados para a Terra.

Após o lançamento do meu próximo livro, sobre a transição planetária no Brasil que estará pronto entre final de julho e início de agosto, eu iniciarei a série de 4 livros sobre a Atlântida e pretendo abordar com muita profundidade esses temas, contanto a história humana a partir da formação da última Era de Ouro Atlante e complementando os estudos valorosos trazidos pela Teosofia e pelo Feraudy sobre  a história milenar da humanidade.


Depois de falar um pouco sobre o futuro da humanidade, tanto na Bíblia no 3º Milênio como no próximo livro sobre a transição planetária no Brasil, essa série de 4 livros falará sobre o passado da humanidade e como ambos, passado e futuro, mostram exatamente a mesma mudança: a formação da última Era de Ouro da Atlântida e a formação da definitiva Era de Ouro, não mais apenas em um ponto da Terra, mas no mundo inteiro, quando chegar a Era de Regeneração após 2036. Que a jornada continue....

Continuação do assunto: Atlântida - Perseu, os Dragões e a Origem dos Guardiões 

Espero que com todas essas informações seja possível conhecer um pouco mais da Atlântida, muito menos uma lenda e muito mais a história do continente perdido, palco da vinda do Dragões e dos exilados de Capela. Uma história que será contada a partir de 2016...

Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:

Fórum Profecias 2036:

17 de mar de 2014

A Revolução no Brasil e a Pátria do Evangelho

Lua chegando ao planeta

Recebi uma pergunta interessante sobre a transição planetária no Brasil, que reflete as dúvidas de outras perguntas sobre o mesmo tema que recebo com frequência pelo blog, facebook e email. Eis a questão:

"Caro José, sou leitor assíduo do seu blog, mas é a primeira vez que comento. Permita-me fugir do tema do tópico para falar mais do Brasil, sem, contudo, querer atrapalhar o lançamento do seu novo livro. Gostei bastante do tópico que você escreveu com algumas previsões sobre nosso país, mas sinceramente tenho uma certa desconfiança (e até pessimismo) sobre o que vem por aí. A violência vem aumentando de uma forma assustadora, com casos de justiça com as próprias mãos, e, para piorar, não há uma opção política nova que possa trazer algum alento. Chego até mesmo a duvidar se a previsão desse país ser a pátria do evangelho chegará a ser cumprida, ou se os desígnios superiores já não teriam mudado de idéia. Você pode nos trazer algo mais palpável sobre o futuro de curto e médio prazo do Brasil? Acha que esse estado de coisas pode ainda piorar mais antes de alguma mudança positiva? Acredita numa renovação política? Abraços, Bruno."


Olá Bruno. Na verdade eu já venho trazendo essas informações há algum tempo, quem acompanha o blog e tem observado os textos pode ter uma noção do que vem daqui pra frente. No texto que publiquei no final de 2012, no qual falei sobre um conflito no astral entre russos e americanos e num prazo de alguns anos para a retomada das pirâmides astrais nas Américas, o texto foi escrito em final de 2012 e já em 2013 começamos a observar alguns ecos de renovação tanto na Venezuela, com o desencarne de Chavez, como das manifestações de junho no Brasil, algumas reunindo mais de um milhão de pessoas.


O problema é que os amigos espíritas e espiritualistas tem uma idéia pré concebida sobre essas questões. Quando alguém fala em "pátria do evangelho" já pensam em um local repleto de amor e bondade e cada centro espírita ou espiritualista sendo dirigido por um dirigente semelhante em moral a Chico Xavier.

Ora meus amigos, ainda estamos em pleno "faxinão", ainda na Era de expiação e ainda tem gente esperando um Brasil Regenerado (se possível de maioria espírita) antes do auge da Grande Tribulação. O que as pessoas precisam entender sobre a Pátria do Evangelho é que os trabalhadores da ultima hora (porque estão tendo sua ultima oportunidade antes da grande tribulação) do Brasil vieram para fazer uma REVOLUÇÃO ESPIRITUAL e não estabelecer uma sociedade regenerada antes do ápice dos eventos.

Milhões de revolucionários franceses estão reencarnados atualmente aqui, da mesma forma a doutrina codificada na França por Kardec floresceu no Brasil

A mediunidade no Brasil, tanto em quantidade como em estudo, não existe proporcionalmente em tamanha intensidade em nenhum outro lugar do orbe, cada dia mais e mais pessoas independente de religião vivenciam fenômenos de projeção astral e semelhantes, pois estão sendo chamadas para trabalhar na grande REVOLUÇÃO ESPIRITUAL, que já está acontecendo nas Américas desde o final de 2012 e que terá se espalhado por todo o mundo até o ápice dos eventos em 2036.

Nós encarnados na atual geração não viemos ser os santos ou colher os louros da vitória, viemos para ser os PEÕES, pegar na enxada e trabalhar pesado, lutando contra as hostes do "inferno" la no astral inferior ao invés de acharmos que somos "seres estelares missionários de luz" que vamos aprender desdobramento consciente para ir toda a noite no astral superior se alimentar de luz e conversar com mestres superiores. 

Está na hora de espíritas e espiritualistas acordarem para a realidade: estamos em guerra espiritual, não temos mais tempo para chá das 5, nós brasileiros temos o maior numero de médiuns e pessoas com conhecimento sobre a mediunidade em todo o planeta e é essa a responsabilidade da pátria do evangelho: pessoas ainda imperfeitas, errando e acertando, mas dispostas ao trabalho pesado, a lutar com os guardiões e guardiãs por um mundo melhor, aprender novas técnicas de defesa como ensina a Apometria, aprender a ter projeções mais lúcidas, sermos trabalhadores ativos, estudiosos e destemidos .

meditação com luz azul no sol

A Bíblia fala de mediunidade do inicio ao fim, tem até um capítulo inteiro (apocalipse) dedicado a projeção consciente com intenso intercambio mediúnico no astral, por tudo isso somos a Pátria do Evangelho, pois cabe a nós ensinarmos o resto do mundo e inspirarmos o resto do mundo a conhecer a mediunidade, entendê-la.


Exatamente por esse motivo é que milícias umbralinas ligadas a magos negros tem motivado cada vez mais a repulsa e por vezes a raiva, de certos movimentos evangélicos contra espíritas e espiritualistas, não por causa da crença na reencarnação, na crença na lei de causa e efeito ou na crença no evangelho moral ensinado por Jesus, mas justamente por causa do grande número de médiuns e do trabalho de esclarecimento mediúnico e espiritual que tem sido feito nos centros espíritas e casas de Umbanda, pois para as milícias umbralinas pouco importa se o cidadão acredita em reencarnação, em lei do karma; a verdadeira pedra no sapato deles é a prática mediúnica, pois é exatamente quando o cidadão começa a entender e lidar melhor com as sensações advindas da ação do mundo espiritual sobre ele é que esse cidadão atinge a sua libertação e se livra da alienação, pois uma pessoa que busca constantemente seu desenvolvimento mediúnico aprende naturalmente a perceber certas sutilezas, certos sofismas, certas fascinações que aqueles que ainda dormem profundamente na matéria não percebem e justamente por essa percepção mais aguçada tornam-se mais vigilantes, dificultando a ação dos obsessores e pior: alertando e motivando outras pessoas a buscarem o mesmo caminho.

A maior luta de espíritas e espiritualistas não é divulgar ou expandir sua religião, filosofia ou sistema de crenças criado por alguém, a principal luta de espíritas e espiritualistas é para divulgar e ensinar ao maior numero possível de pessoas como exercerem a mediunidade, a buscarem orientação, desenvolvimento e aprenderem a lidar com a influencia do mundo espiritual sobre elas, pois esse é o maior medo dos magos negros e milícias umbralinas e justamente por isso tanta repulsa e ódio tem sido colocada em certos movimentos evangélicos para combater  o  intercâmbio mediúnico feito por espíritas e espiritualistas

Essa REVOLUÇÃO ESPIRITUAL terá sua contrapartida no mundo físico. O que foi visto em junho de 2013 é apenas uma pálida imagem do que vem por aí.

A história nos conta que todos os grandes impérios tiveram sua ruína exatamente quando a corrupção, os desmandos, a sede pelo poder atingiu seu ápice e estamos vendo isso aqui no Brasil, o grande império da America do sul, que esse ápice não esta longe de acontecer, o atual sistema que rege esse "império" vai ruir em breve.

Pouca gente se lembra, mas lá pelos idos do inicio dos anos 90, quando um presidente mineiro substituiu um presidente retirado do poder por impeachment e propôs a união de todos os partidos políticos em prol de um programa de governo a longo prazo, livre da partidarismos e que deveria ser seguido por qualquer presidente ou partido que posteriormente viesse ao poder, apenas um partido não aceitou tal idéia.

Na época, quando o plano de combate a inflação ainda estava nos seus primeiros dias, ouvi a informação diretamente do Dr Fritz incorporado no meu pai de que a partir dali a inflação no Brasil teria fim, mas que tínhamos feito uma escolha errada: o presidente havia sido tirado do poder justamente para que todos os partidos se unissem por um programa de governo que impediria muito sofrimento para o país no futuro.

Quase 20 anos depois eu digo para vocês que essa união vai acontecer, mas infelizmente será de outro jeito. 

No meio do lodo de corrupção, burrocracia e altos impostos emergirá um lírio verde e amarelo, mas tal nascimento será a fórceps, pois infelizmente o sistema e os atuais políticos não querem uma união pelo país, querem uma união pelos próprios interesses, sejam pessoais ou partidários. Ainda existem pessoas sonhando que tal partido representa o povo, que tal político é a cara do povo, outros ainda acreditam que a época de repressão dos militares é que pode dar jeito no país, mas será uma revolução diferente meus amigos, algo que mudará profundamente todo o sistema político e social do Brasil nos próximos anos e acredito, pessoalmente, antes que entremos na década de 30.

O meu próximo livro abordará esses temas, trazendo um retrato da revolução espiritual e a revolução física que o Brasil vivenciará e seus ecos em outros pontos do mundo.

Os dois principais amigos espirituais que me ajudarão nessa jornada são dois guardiões, inclusive relatando o importante papel que as guardiãs têm desempenhado em todo esse processo, já que a maioria das obras e relatos até hoje falam quase que exclusivamente sobre os guardiões.


Se eu tivesse que resumir em poucas linhas sobre a revolução que irá acontecer no Brasil eu citaria uma mistura de 3 grandes eventos da história: a revolução francesa, a codificação e a queda do muro de Berlim. Mas em breve, em meados de 2014, o livro estará pronto e tudo isso ficará mais claro. Abraço


Fanpage Profecias o Ápice em 2036:
https://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036

Fórum Profecias 2036: 
http://www.profecias2036.com.br/forum/ 


11 de mar de 2014

Apocalipse e Nostradamus - Os 3 Sinais da Grande Tribulação


O que uma lua de sangue, um eclipse solar e a constelação de Virgem tem em comum? É exatamente o que veremos nas próximas linhas, ao estudarmos os três grandes sinais da Tribulação.

O capítulo 12 do Apocalipse foi interpretado nas últimas 15 páginas do livro A Bíblia no 3º Milênio, explicando em detalhes as principais chaves desse capítulo e o significado aplicado em cada um dos versículos.

O 12º capítulo da Revelação fala sobre uma Mulher revestida de Sol com a Lua aos seus pés e uma coroa (sobre a cabeça) com 12 estrelas, sendo perseguida por um dragão vermelho com sete cabeças, sete coroas e dez chifres, enquanto sofria as dores do parto. Toda a explicação sobre a futura perseguição da aliança sino islâmica sobre a Europa é explicada nessa profecia, assim como o significado que liga o dragão vermelho tanto a China como ao Apophis. Entretanto, existe mais um significado dentro dessa profecia que confirma o auge dos eventos para 2036.

Disponibilizarei gratuitamente o pdf com as 15 páginas da Bíblia no 3º Milênio, que traz a interpretação do capítulo 12 do Apocalipse. Quem ainda não tem o livro e tem interesse em saber sobre essa interpretação basta enviar um email (profecias2036@gmail.com) pedindo o pdf que eu envio para o email que fez o pedido. Dito isso, vamos aos estudos.

Na série de 6 textos com as profecias de Nostradamus, Parravicini e João XXIII que fala sobre profecias a respeito da morte do papa Francisco para 2029, encontramos uma quadra interessante de Nostradamus:

Centúria VI Quadra 6

“Aparecerá próximo ao Septentrion
Não longe de Câncer, a Estrela com longa cauda
Suse, Sienne, Boece, Eretrion
Morrerá o grande de Roma, na noite em que desaparecer”

A palavra Septentrion vem do latim “septem triones” que é simplesmente um sinônimo para o ponto cardeal Norte. A “Estrela com longa cauda” é uma referência ao asteróide Apophis, que quando passar em 2029 será semelhante a uma estrela pelo seu brilho com uma cauda, algo semelhante ao que foi visto quando o meteoro caiu na Rússia no início de 2013.

A quadra informa que o Apophis aparecerá próximo ao norte, algo que os astrônomos confirmam como uma possibilidade real, pois devido a sua grande aproximação em 2029 o Apophis poderá ser visto em muitos locais a olho nu. Será uma luz que aparecerá primeiro no Oriente, na noite de 13 de abril e horas depois à noite no ocidente, visível entre a Ursa Menor e a Ursa Maior, próximo do norte e não longe da constelação de Câncer. A profecia indica, portanto, que entre 13 e 14 de abril de 2029 o papa Francisco deve desencarnar aos 92 anos.

O texto ainda contém a quadra 92 da centúria 5 que aponta para um reinado de 17 anos do papa Francisco. O texto pode ser visto no seguinte link:


Considerando a trajetória do Apophis bem semelhante a que acontecerá em 2029, podemos concluir que em 2036 ele será visto no céu, a olho nu, próximo da constelação de Câncer. E aqui a profecia do Apocalipse capítulo 12 fica interessante.

Pra quem ainda não conhece, é importante conhecer um programa chamado Solar System Scope que está na sua segunda versão, bem semelhante a primeira. Quem quiser confirmar as informações que eu colocarei aqui, basta entrar nesse programa para conferir, um programa fácil de usar e com uma configuração bem intuitiva. Ele está no seguinte link:


Outra informação interessante para uma melhor compreensão da interpretação que trarei a seguir é sobre a trajetória do asteróide que caiu na Rússia em 2013, pois ele passou um pouco mais baixo do que o Apophis passará em 2036. Um pouco antes de cair, o asteróide poderia ser visível no céu na constelação de Virgem. A informação pode ser conferida nesse link aqui:


A constelação de Virgem está muito próxima, quando vista no céu da Terra, a constelação de Câncer (citada a pouco na quadra de Nostradamus). E essa foi uma pista decisiva para compreendermos porque a profecia do capítulo 12 do Apocalipse está interligada as profecias de Nostradamus a algo que começará em outubro de 2035, prosseguirá até fevereiro de 2036 e culminará com o ápice dos eventos em abril de 2036, através do Apophis. Vamos estudar então os 3 sinais:


 OS TRÊS SINAIS DO ÁPICE DA GRANDE TRIBULAÇÃO


Eis os versículos bíblicos sobre esses sinais:

“O Sol se converterá em trevas e a Lua em sangue, ANTES que venha o grande e terrível dia do Senhor” (Joel 2:31 e Atos 2:20)

“Porque como o relâmpago que parte do Oriente e ilumina até o Ocidente, assim será a volta do Filho do Homem.... o Sol escurecerá, a Lua não terá a sua claridade, cairão do céu as estrelas e as potências dos céus serão abaladas. ENTÃO aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem” (Mateus 24: 27,29,30)


Como foi dito no texto anterior sobre o significado da Lua de Sangue, esse é um fenômeno que nada mais é do que um eclipse lunar total. Segundo as profecias citadas, um inclusive por Jesus em Mateus 24, ANTES que apareça no céu o sinal do Filho do Homem (o asteróide Apophis em 2036), o Sol e Lua passarão por um eclipse, mais especificamente um eclipse solar e no mesmo mês um eclipse lunar total (Lua vermelha).

De 2001 a 2036 teremos entorno de 420 meses e em apenas 15 desses meses aconteceram e acontecerão em um mesmo mês um eclipse lunar total e um eclipse solar, ou seja, uma chance de aproximadamente 3% do fenômeno acontecer nessas 3 décadas e meia. 

Em fevereiro de 2036 teremos um eclipse lunar total (Lua de Sangue) e um eclipse solar, 2 meses antes da queda do Apophis, mais um sinal que confirma a interpretação da profecia dos 70 períodos de Daniel para a janela 1967-2036


Mas falta ainda a confirmação do terceiro sinal, além do eclipse lunar e do eclipse solar e ele é descrito no início do capítulo 12:

“Apareceu em seguida UM GRANDE SINAL NO CÉU: Uma mulher revestida do Sol, a Lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de 12 estrelas. Estava grávida e gritava de dores, sentindo as angústias de dar a luz.” (Apocalipse 12:1-2)

DEPOIS apareceu OUTRO SINAL NO CÉU: um grande dragão vermelho com 7 cabeças e 10 chifres e nas cabeças 7 coroas varria com sua cauda uma terça parte das estrelas do céu e as atirou a terra. Esse dragão deteve-se diante da Mulher que estava para dar a luz, a fim de que quando ela  dessa a luz, lhe devorasse o Filho” (Apocalipse 12:3-4)  

Analisemos o sinal que fala sobre a Mulher: todos os anos, próximo de outubro, o Sol passa pela constelação de Virgem. Essa constelação é a Mulher citada na profecia (não é a toa que como foi dito no livro A Bíblia no 3º Milênio esse é um dos capítulos mais herméticos do Apocalipse, devido a grande quantidade de significados e “véus” em um mesmo texto). 

Mas a profecia fala em algo específico: quando o Sol estivesse passando pela constelação de Virgem, a Lua estaria abaixo, um pouco abaixo dos seus pés. A constelação de Virgem possui logo acima da sua cabeça duas constelações: Leo, com 9 estrelas e Leo Minor com 3 estrelas, totalizando as 12 estrelas acima da sua cabeça e ainda considerando que as duas constelações leoninas e em especial a estrela Régulus ou Alpha Leonis sempre foram símbolos da realeza para os estudiosos da Astrologia desde aquela época. Vejamos a imagem:

A lua de sangue e as constelações de virgem e leão


Reparem nessa outra imagem o desenho que representa a constelação de Virgem:

constelação de virgo, virgem vestida de sol
 
A profecia diz que a Mulher (constelação de Virgem) estava grávida e iria dar a luz. E que luz seria essa? A resposta é simples: a passagem do Sol pela estrela mais brilhante da constelação (Spica) para em seguida sair da constelação, essa é a metáfora de "dar a luz" como podemos ver na imagem abaixo

Virgem vestida de Sol dando a luz

Curiosamente, como mostrei no post que analisa o mapa astral de Jesus, seu nascimento em 21 de setembro do ano 3 AC foi marcado exatamente pela mesma passagem do Sol por Spica (conjunção) que na época juntamente com a conjunção de Júpiter e Régulus, formou o fenômeno da Estrela de Belém no céu. O post sobre o mapa e porque Jesus nasceu nessa data, está no link a seguir, sendo que de forma indireta o Apocalipse capitulo 12 parece confirmar tal teoria:


Em 4 de outubro de 2035 a Virgem com a coroa de 12 estrelas na cabeça estava com a Lua sob os seus pés e vestida com o Sol. Duas semanas depois, em 18 de outubro de 2035, a Virgem vivenciava as dores do parto, quando o Sol estava passando pela estrela Spica, a mais brilhante da constelação. Lembrem que no texto sobre o falso profeta, eu mostrei a quadra na qual Nostradamus aponta o início do Armagedon para 22 de outubro de 2035, ou seja, para o primeiro do três sinais: a Mulher passando pelo parto.


Na continuação do Apocalipse capítulo 12, a profecia fala em um dragão vermelho perseguindo a Mulher que daria a luz, ou seja, o Sol passando pela constelação de Virgem. Na mitologia egípcia, conhecida pelos hebreus do Velho e Novo Testamento, existia uma criatura que todas as noites buscava devorar o Sol e todas as manhãs era derrotada por ele: a mítica serpente Apep ou Apophis. Um eclipse solar e lunar, como descrito antes do grande ápice, não seria uma tentativa de Apep/Apophis, segundo a mitologia, “abocanhar” o Sol?

O dragão vermelho representa exatamente a primitiva serpente (Apep/Apophis) que na mitologia tentava todas as noites abocanhar o Sol através da escuridão. O asteróide Apophis, como vem dos céus e cairá na forma de uma grande pedra vermelha em chamas com um rastro de fogo, foi descrita exatamente como esse dragão vermelho, que exatamente em fevereiro de 2036, após ter “perseguido” o Sol na constelação de Virgem, causará dois eclipses: um eclipse solar e um eclipse lunar completo (Lua Vermelha ou de Sangue). Esses são os sinais que precedem a queda do Apophis, dois meses depois, em 24 de abril de 2036.

Mas Zé, e porque a profecia fala que o Dragão Vermelho (Apophis) tem 7 cabeças e 10 chifres, além de 7 coroas? A resposta também é simples: o Apophis entre outubro de 2035 e fevereiro de 2036 estará perseguindo primeiro a Mulher (constelação de Virgem) e depois o seu “filho” (Sol saindo da constelação de Virgem). Pois muito bem, existe uma constelação vista no céu, praticamente colada à constelação de Virgem e a constelação de Leão, que se chama Hydra, como podemos ver na imagem abaixo:

Hydra constelação, mitologia da hidra em hercules

Nessa “perseguição”, quando ela começar em outubro pouco antes do “parto”, o Apophis estará na constelação da Hydra, próxima de Virgem como visto na imagem. Na mitologia, a Hydra tem exatamente 7 cabeças. Se observarmos a mitologia, sobre os 12 trabalhos de Hércules, veremos que a Hydra e o Caranguejo foram derrotados juntos por Hércules, enterrados e deram origem, mitologicamente, a duas das 88 constelações do céu. A Cabeça da Hydra possui 5 estrelas e a constelação de Câncer (Caranguejo) possui também 5 estrelas, totalizando as 10 estrelas que formam os “chifres”. Já as 7 estrelas que correspondem às 7 coroas sobre Hydra e Câncer estão na constelação do Unicórnio (Monoceros). Basta conferir na imagem abaixo:

Dragão com 7 cabeças, 10 chifres e 7 coroas e a constelação de monoceros

Todos esses indicativos explicam as referências proféticas de Nostradamus em suas quadras que eu interpretei e citadas ao longo deste post, assim como os 3 sinais proféticos na Bíblia, com uma bela imagem figurativa explicada pela mitologia e pelas constelações do céu. 

Vamos então, para finalizar esse estudo, mostrar a interpretação dentro das profecias Bíblicas que citam os 3 sinais:

“O Sol se converterá em trevas e a Lua em sangue (eclipses), ANTES que venha o grande e terrível dia do Senhor (esse dia trará o ápice do Apocalipse e será simbolizado pela queda do Apophis)” (Joel 2:31 e Atos 2:20)

“Porque como o relâmpago que parte do Oriente e ilumina até o Ocidente, assim será a volta do Filho do Homem.... (esse relâmpago é o sinal do Filho do Homem, a luz produzida pela queda do Apophis) o Sol escurecerá, a Lua não terá a sua claridade (eclipses), cairão do céu as estrelas e as potências dos céus serão abaladas (verticalização do eixo planetário dando a impressão para as pessas de estrelas caindo). ENTÃO (após os dois eclipses e após a materialização do sol das trevas ao redor do Apophis como um planeta artificial e antes que o Apophis caia) aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem (o relâmpago, a queda do asteróide, sendo visto, atraindo a atenção ou seja, seduzindo o mundo inteiro)” (Mateus 24: 27,29,30)

“Apareceu em seguida UM GRANDE SINAL NO CÉU: Uma mulher (Constelação de Virgem) revestida do Sol, a Lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de 12 estrelas (as Constelações de Leo e Leo Minor, formadas por 12 estrelas). Estava grávida (O Sol estava dentro da sua constelação em outubro de 2035) e gritava de dores, sentindo as angústias de dar a luz (passagem do Sol pela estrela Spica antes de sair da Constelação de Virgem).” (Apocalipse 12:1-2)

“DEPOIS apareceu OUTRO SINAL NO CÉU: um grande dragão vermelho ( asteróide Apophis ligado a mitologia de Apep) com 7 cabeças (dentro da Constelação de Hydra, animal mitológico que possuía 7 cabeças) e 10 chifres (as  5 estrelas da cabeça da Hydra e as 5 estrelas que compõe a Constelação de Câncer, pois segundo a mitologia os dois seres, a Hydra e o Caranguejo foram enterrados por Hércules) e nas cabeças 7 coroas (acima dessas 10 estrelas que representam os chifres, as 7 estrelas da Constelação de Monoceros, ou seja, João representa os chifres e coroas, ambos acima da cabeça, como estrelas nessa metáfora profética) varria com sua cauda uma terça parte das estrelas do céu e as atirou a terra (a verticalização do eixo quando da queda do asteróide, dando a sensação que as estrelas estão caindo devido ao abrupto movimento do eixo planetário). Esse dragão deteve-se diante da Mulher que estava para dar a luz, a fim de que quando ela  dessa a luz, lhe devorasse o Filho (os dois eclipses em fevereiro de 2036 que simbolizam a mitologia de Apep/Apophis sobre a luta para trazer a escuridão ao mundo)” (Apocalipse 12:3-4) 



CRONOLOGIA:

04 Outubro de 2035 – A Mulher vestida de Sol, com a Lua aos seus pés

18 de Outubro de 2035 – As dores do parto, a perseguição do dragão vermelho e dias depois o início do Armagedon

Fevereiro de 2036 – Um eclipse lunar total ou Lua de Sangue (dia 11) e um eclipse Solar (dia 27) nesse mês serão os sinais que precedem o ápice e simbolizam a perseguição do Apophis que tenta “engolir” o Sol, mitologicamente, através dos 2 eclipses.

24 de Abril de 2036 – Queda do asteróide Apophis  




Com todas essas informações, fica evidente que não teremos terceira guerra, armagedon ou ápice da tribulação nem em 2014 e 2015 com as “luas de sangue” e nem em 2018, 2019 ou outra data anterior a única e verdadeira data que une e explica todas as profecias e os principais eventos que as precederão antes do grande ápice: 24 de abril de 2036. 

Fanpage Profecias o Ápice em 2036:

Fórum Profecias 2036: