1 de set de 2013

A Bíblia no 3º Milênio – Pergunta 02: As Encarnações de Moisés



Após o lançamento do livro tenho recebido algumas perguntas dos leitores que estão lendo ou já leram a obra. À medida que novas perguntas chegarem, eu publicarei no blog e na fanpage com as respectivas respostas. Quem está lendo ou já leu o livro e tem alguma dúvida, pode enviar para o email do blog: profecias2036@gmail.com

Da mesma forma, quem quiser receber o pdf com 20 páginas das quase 70 do capítulo 12 que fala sobre a vida oculta de Jesus, pode enviar o pedido para o email que eu eu envio o pdf. 


Pergunta: Estou lendo um trecho no capítulo 7 que diz assim: "Inclusive a previsão feita por Moisés aconteceu e foi necessário que ele retornasse como Elias para novamente relembrar ao povo a existência do Deus Único." Elias seria Moisés reencarnado? Porque João Batista seria Elias reencarnado, né? Já li bastante sobre isso... Inclusive, tem uma confirmação desse fato na própria bíblia. Então, se Elias for o mesmo espírito que foi Moisés, é o mesmo espírito que foi João Batista. Mas e o gladiador "Spartacus", que iniciou a Guerra Servil, a fim de libertar da servidão os povos escravizados pelos romanos? Eu li na fanpage, certa vez, sobre "Spartacus" ser Moisés reencarnado e achei bem possível... Até dá pra observar algumas similaridades de personalidade. Mas, se ele reencarnou como "Spartacus", seria possível que houvesse reencarnado como João Batista? A Guerra Servil ocorreu um pouco antes da vinda de Jesus. A época não é muito próxima?

Resposta: Sim, inclusive eu explico melhor essa questão no capítulo 12 que fala sobre a vida oculta de Jesus. Spartacus morreu entorno de 70 antes de Cristo e JB nasceu 6 meses antes de Jesus (segundo consta no primeiro capítulo de Lucas), ou seja, ali pelos idos de 3 ou 4 A.C.

A diferença não é tão pequena (entorno de 65 anos entre uma encarnação e outra), mas foi necessária para a preparação e conclusão de uma importante missão deste grande espírito: Como Spartacus ele ensinou para um grande número de espíritos o valor da liberdade física, como João Batista o valor da liberdade espiritual.

A imagem de Spartacus estava tão viva no inconsciente dos judeus pobres (ebionitas) e dos zelotes (judeus guerreiros) que eles acreditavam que JB era o Messias libertador e guerreiro que libertaria os judeus do jugo romano e foi justamente por isso que JB teve que batizar Jesus, para mostrar que o verdadeiro Messias era seu primo Jesus e não ele próprio.

No livro é contada a história deste espírito junto com São Jorge e qual a atuação deles entre os guardiões e a missão derradeira de ambos antes do auge do exílio planetário.

Dessa forma, nos tempos bíblicos, esse espírito que encarnou como João Batista, também havia sido antes Spartacus, Elias e Moisés.



O link com o resumo dos 27 capítulos, de A Bíblia no 3º Milênio com 650 páginas  em promoção de 01 a 07 de setembro de 2013 por 49,33 reais no Clube dos Autores:  



Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:

10 comentários:

Janna disse...

Olá,tudo bem?
Bom eu aprendi com a minha familia
que kardecista, que Moises foi Abrão,
João Batista foi Elias;

Hitler foi Davi.

João Evangelista foi Samuel que retornou como Francisco de Assis e na Atlântida foi Jesuelo o fiel discípulo de Jesus que naquela época foi Antúlio.

Jesus foi Antúlio, o profeta sublime que na Atlântida fundou a fraternidade da “Paz e do Amor”, cujos adeptos ficaram conhecidos como os “Antulianos”.
Mas esse assunto é outra história.

José Alencastro disse...

Tudo bom Janna. Os debates sobre encarnações anteriores de espíritos que tiveram relevante papel normalmente motivam a curiosidade e interesse das pessoas e acho saudável que tal debate exista. Sem entrar no campo das verdades absolutas e respeitando a opinião trazida pelos mediuns que receberam informações de elevados espiritos, como é o caso de Ramatis, eu posso falar tão somente das experiencias que eu vivenciei, das pesquisas no akasha que eu realizei e sobretudo na comparação das informaçoes e estudos que fiz com outras fontes, como por exemplo as reuniões que participei desde a minha adolescencia conduzidas pelo Dr. Fritz que incorporava de forma plena no meu pai.

Moisés reencarnou como Elias para cumprir a sua missão de disseminar o monoteismo no povo hebreu, depois encarnou como João Batista para colaborar na missão do Cristianismo e depois como Maomé para colaborar na missão do Islamismo. Em todas essas encarnações e também como Spartacus, ele manteve o mesmo espirito aguerrido e de intenso magnetismo pessoal que o fez tornar-se o último e maior rei de toda a Atlantida. Após morrer naquela epoca ele tomou consciencia do seu grande karma e trabalhou, grandiosamente, segundo suas caracteristicas de personalidade, para ajudar um imenso grupo de milhões de espiritos que reencarnou com ele ao longo dessas encarnações.

João Evangelista por sua vez deu sequencia ao trabalho realizado como o profeta Daniel, inclusive um livro complementa o outro em muitos aspectos e a personalidade de ambos é muito, mas muito semelhante entre uma encarnação e outra. Esse mesmo espirito retornou como Francisco de Assis, dando continuidade a missão de ensinar o valor da mediunidade e da humildade, da simplicidade, valores que culminaram na sua ultima encarnação quando encarnou como o apostolo da caridade fortalecendo de forma decisiva o Espiritismo no Brasil.

Na formação da ultima Era de Ouro atlante, que precedeu a vinda dos capelinos, Jesus e João Evangelista eram conhecidos como Antúlio e Jesuelo, mas em momento algum encarnaram, pois na ultima Era de Ouro os atlantes viviam numa faixa vibratória muito mais semelhante ao atual astral intermediário do que o mundo físico. Jesus encarnou, vestiu um corpo de carne na Terra, somente quando nasceu em Belém da Galiléia. Desde aquela época Jesus já preparava não apenas João Evangelista, como outros espiritos de alta moral que encarnaram em sua maioria no seio do povo essenio, para a missão que teria de realizar após a consolidação do monoteismo na região de Canaã.

Respeito as diferentes versões e formas de enxergar a questão, mas em toda a longa pesquisa que fiz essa foi a verdade que encontrei, pelas experiencias e vivencias e acredito que cada um deve buscar o mesmo, seja buscar as próprias experiencias ou buscar o raciocinio mais logico possivel para compreender tais questões, de acordo com as proprias possibilidades.

Abraço

MGP disse...

José,

Voltando ao assunto do Bertone, parece que ele foi "demitido" pelo Papa:

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/09/numero-2-do-vaticano-se-diz-vitima-de-corvos-e-viboras-diz-imprensa.html

Abs
Marcelo - SP

José Alencastro disse...

É verdade Marcelo, uma excelente notícia. Abraço

Edomberto Freitas disse...

Olá Alencastro,
Gostaria de saber se o espírito Gabriel que te orientou é o mesmo que você disse estar reencarnado em uma postagem anterior? ("A Transição Planetária e os Espíritos Missionários -Parte III)Se for como ele te orientou? Ele desdobrava durante o sono?
Um abraço.

José Alencastro disse...

Olá Edomberto.

Sim, é o mesmo espírito. Todos nós desdobramos durante o sono e mesmo que não nos recordemos dos acontecimentos vivenciados, agimos, pensamos e vivemos de forma mais lúcida do que se encarnados estivéssemos, a diferença é que alguns, ás vezes ou com alguma frequencia, tem lembranças de tais vivencias, é quando ocorre a projeção consciente ou semi consciente.

Ou seja, pode ter acontecido que nas poucas vezes em que encontrei Gabriel/Tiago Menor para realizar o trabalho descrito no livro ele não tenha trazido muitas lembranças conscientes para o corpo físico, pois o trabalho em si teve como foco trabalhar ao máximo minhas lembranças espirituais para que nada, ou quase nada, fosse perdido quando retornasse ao corpo físico.

Então, certamente como cada pessoa dorme de 6 a 8 horas por dia, diariamente, foi nesse período que tive os contatos com ele no mundo astral, mesmo estando ele encarnado atualmente na Terra. Abraço

Bob disse...

Saudações José,

Minha dúvida diz respeito as consultas ao registro Akasha. É possível alguém entrar e consultar meus registros com a minha autorização, mais especificamente me referindo há alguns profissionais que estão surgindo com esta proposta ? Se sim, poderia haver alguma implicação?
Obrigado!

José Alencastro disse...

É possível sim Bob. Que eu conheça, existem duas maneiras entre os encarnados: A primeira delas é realizando uma regressão na pessoa que deseja saber sobre o seu passado, a segunda forma é através da pesquisa nas faixas de passado da pessoa.

A maior implicação ou consequencia é que muitas vezes a pessoa não está preparada para saber o que fez em encarnações pregressas e que na grande maioria das vezes os problemas das quais ela é vitima no presente foram plantados por ela própria no passado.

Por esse motivo eu desaconselho, a maioria das pessoas que me perguntam sobre isso, a buscar uma regressão ou outro método pra tentar saber o que fizeram no passado. Pra falar a verdade, muitos dos problemas que a pessoa vivencia ou traz pra essa encarnação são intensificados quando uma faixa de passado é parcialmente aberta, quando a pessoa sofre algum estresse ou impacto emocional mais intenso, ela pode automaticamente "abrir" uma sensação de natureza semelhante que vivenciou em encarnação passada, intensificando o problema.

Muitos casos de natureza kármica encontram respostas em eventos e situações que a pessoa vivenciou na atual encarnação e que já são um reflexo ou consequencia de algo que aconteceu em uma encarnação pregressa. Mais importante do que saber, como muitos buscam, em qual país ou com quem encarnou no passado é saber o que pode ser feito para trabalhar de forma positiva os efeitos ou consequencias de algo negativo feito no passado e que aparecem agora. Por esses motivos, na minha opinião, na grande maioria dos casos cabe a pessoa que acessou o registro akashico de outra com uma função terapeutica, indicar o que pode ser feito para o paciente trabalhar os problema que enfrenta ao invés de satisfazer a curiosidade deste sobre o que ele fez ou não fez no passado, o que repito, na maioria das vezes, apenas intensifica o problema, abrindo faixas de passado negativas e trazendo informações que a pessoa ainda nao está pronta para trabalhar internamente.

A medida que a pessoa busca se espiritualizar e começa a compreender a lei do karma e se volta um pouco mais pro autoconhecimento interior, naturalmente ela vai ter insights, sonhos mais ou menos lúcidos com respostas, indicações e intuições dos espíritos amigos interessados em ajudar na reforma interior da pessoa. No próprio mapa astral de uma pessoa, mais especificamente na astrologia kármica que estuda um ponto chamado "cauda do dragão", é comum a pessoa buscar soluções em padrões mentais que precisa superar e que ela trouxe do passado, normalmente utilizando em excesso para fins poucos nobres e com o estudo desse ponto no mapa é possível descobrir o arquétipo comportamental que a pessoa precisa se desvincular para trabalhar muitos dos seus dramas e dúvidas interiores.

Portanto existe sim tal possibilidade, mas existe todas essas questões que precisam ser observadas.

Alianco Por La Freŝa Vetero disse...

José, estou lendo o livro e fiquei confuso quando em uma parte que diz que Jesus viu e falou na ocasião da transfiguração com os Espíritos de Moisés e Elias, com se fossem dois espíritos diferentes. E lá no fim do livro informa que o mesmo espírito que foi Moisés também foi Elias que também foi João Batista. Quem foi que Jesus viu? Na verdade não seria mais lógico se Jesus tivesse visto seu primo João Batista que desencarnou pouco antes de Jesus?

José Alencastro disse...

O fenômeno presenciado no Monte Tabor ficou conhecido na doutrina espírita como ubiquidade. É a capacidade mental amplamente desenvolvida que um espírito tem de aparecer em um mesmo local ou em locais diferentes, comunicando-se ao mesmo tempo.

A Bíblia foi escrita pra, entre outras coisas, narrar diversos casos e exemplos de mediunidade e fenomenos espirituais, por esse motivo o espírito que encarnou como Moisés e JB realizou tal fenomeno no Tabor, tão somente por isso.