29 de abr de 2011

Rússia afirma: Apophis irá se chocar contra a Terra

Apophis chegando na Terra em 2036, apophis 2013, Apophis 2029


Maiores informações sobre a ação do Apophis no auge dos eventos proféticos do Apocalipse podem ser lidas no livro A Bíblia no 3º Milênio, que interpreta todos os versículos do Apocalipse, as principais profecias de Daniel, Sermão Profético, Ezequiel e demais profetas do Velho Testamento além das profecias de Nostradamus e colocam o Apophis como o elemento catalizador do chamado dia do juízo final. O link com o resumo dos 27 capítulos em 650 páginas e que indica como realizar a compra do livro, em promoção de 01 a 07 de setembro por 49,33 reais está aqui:

http://www.clubedeautores.com.br/book/149168--A_Biblia_no_3_Milenio


Estaria a NASA ocultando informações do grande público? Talvez, mas o que vimos nesse inicio de 2011 é um claro posicionamento dos astrônomos russos, apoiados pelos astrônomos da Europa, que colocam o Apophis como uma ameaça muito maior do que a citada pela NASA em recentes discursos, onde a agência americana coloca a possibilidade de choque do asteróide com a Terra em 2036 sendo 1 pra 250 mil.

Quando foi descoberto, em junho de 2004, a NASA chegou a afirmar que a possibilidade de um choque pra 2029 seria de 3%, depois surgiu o discurso de que, caso passasse em uma pequena fenda (keyhole, buraco de fechadura) quando da passagem em 2029, a chance de queda em 2036 seria certa, mas logo trataram de dizer que a possibilidade de entrada nesse keyhole era remota, primeiro em 1 em 45 mil e mais recentemente 1 em 250 mil.

No entanto os russos mostraram pensamento "um pouco divergente", pois sustentam que a passagem que ocorrerá próxima a Terra em 2029 (dez vezes mais perto do que a distância da Terra a Lua) já é garantia de que o asteróide ficará em ressonância gravitacional com a Terra devido ao seu tamanho (quase 400 metros) e peso (milhões de toneladas) e certamente cairá em 2036.

Prova da preocupação dos russos foi o recente discurso, feito em janeiro de 2011 pelo professor da universidade de São Petersburgo (antiga Leningrado) Leonid Sokolov à Tv russa, relatando que cientistas e astrônomos russos recalcularam a trajetória do asteróide e tem como certa sua colisão em 2036. Essa preocupação é partilhada com as agencias européias, tanto que em 7 de julho de 2011 cientistas e astrônomos de Rússia e União Européia pretendem lançar um projeto conjunto, em reunião que será realizada nesse dia. O projeto russo/europeu visa criar uma defesa global e estudo de tecnologias que possibilitem proteger a Terra da ameaça de colisão com o asteróide, pois a estimativa é que um choque do Apophis com a Terra seria o equivalente ao impacto de 70 mil bombas de Hiroshima.

Se caísse em qualquer continente causaria desastre completo no continente e caso caísse na água (opção mais provável segundo estudo do cientista Neil de Grasse Tyson) geraria dois paredões de água indo em direção oposta, que poderiam chegar a 1 kilometro de altura do ponto de impacto.

Asteroide Apophis em 2036, bola de fogo atmosfera terrestre

Sokolov, juntamente com o presidente da Agência Espacial Russa (Roscosmos), Anatoly Perminov desejam comparecer na reunião de julho. Bem, era isso que o senhor Perminov imaginava em fevereiro de 2011, inclusive ele próprio seguindo o exemplo de seu colega Sokolov, andou falando numa rádio russa que teve acesso a estudos “não oficiais” de cientistas russos que mostravam categoricamente que o impacto em 2036 é certo e que foram confirmados por ele como válidos. No entanto, no inicio de abril de 2011 , foi cogitada a demissão de Perminov da chefia da Agência Espacial Russa antes mesmo de efetuar a reunião com as agências européias. O motivo seria a “idade avançada” (65 anos), segundo o vice primeiro ministro Serguei Ivanov ao falar que esse seria o motivo para o afastamento em breve do presidente da Agência Espacial Russa ("coincidentemente" logo após ele revelar essas notícias bombásticas sobre o Apophis).

O local de encontro da reunião do dia 7 de julho seria “alinhavado” por Perminov durante as comemorações realizadas ao longo de alguns dias na Rússia pelos 50 anos do vôo espacial de Yuri Gagarin, onde vários cientistas e astrônomos europeus confirmaram presença para os festejos de 12 de abril.

Entre os projetos de Perminov, que estaria vivendo seus últimos dias no cargo de presidente da Roscosmos, estaria a criação até 2015 de uma nave com motor de propulsão nuclear, com o suposto objetivo de realizar uma viagem a Marte. Apesar da alta cúpula russa aparentemente desejar a “cabeça” de Perminov, na Europa ele está bem conceituado: ele foi reconhecido cavaleiro da Ordem da Legião de Honor francesa pela sua contribuição no desenvolvimento da cooperação russo-francesa na área cósmica, em particular na criação, do cosmódromo de Kourou, na Guyana Francesa e recebeu a poucos dias, no final de abril, a honraria na residência do embaixador francês em Moscou.

Anatoly Perminov, roscosmos, escudo contra o apophis
Exatamente hoje, 29 de abril, aproveitando que os olhos do mundo estão todos no casamento real inglês, o presidente Putin sacramentou a demissão de Perminov (na foto) e colocou em seu lugar o vice ministro russo da Defesa, Vladimir Popovkine.
Vamos aguardar pra ver se com um novo presidente na Roscosmos, o encontro com os europeus irá sair ou se ficará “esquecido”....veremos


Mais textos sobre o Apophis:  AQUI 




Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:
http://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036

23 de abr de 2011

O Apophis e a Páscoa

Jesus e a mulher samaritana no poço de Jacó


Para compreendermos mais profundamente porque o Apophis será o responsável pelo Grande dia do Senhor (Apocalipse 6:17, II Tessalonicenses 1:7-10, Isaías 13:6-13, Zacarias capítulo 14, Joel 2:1-11) exatamente no dia 24 de abril de 2036, devemos compreender o significado da Páscoa.

Para os judeus, a Páscoa (Pessach, que significa passagem) representa a comemoração da saída do Egito, a festa do cordeiro, dos ázimos e da Primavera (estação que começa no hemisfério norte onde está Israel lá pelo dia 21 de março).

É uma festividade muito importante para os judeus, pois durante a Páscoa a casa é purificada, todos os utensílios são lavados em água corrente. Na refeição ritual do Sêder , à mesa, deverá haver lugar para o profeta Elias (cadeira e cálice), vêem-se três Masot (pães sem fermento) relembrando a partida precipitada dos judeus durante o êxodo e simbolizando a busca do povo pela liberdade; Um osso de cordeiro representando o sacrifício no Templo; um ovo cozido, mergulhado em água salgada simbolizando o nascimento e a morte, a fugacidade da vida terrena, as lágrimas e os sofrimentos dos judeus; o Maror, ou ervas amargas lembrando a amargura que os antepassados sofreram no Egito e que todos os escravizados sentem; Harroset, uma pasta feita de frutos secos, figos, tâmaras, canela e mel representando a argila com que os judeus efetuavam as obras do faraó.

De certa forma essa cerimônia representa muito bem as dificuldades pelas quais a humanidade irá passar no auge da Tribulação, em 24/04/2036.

Como vimos acima, a refeição tradicional Sêder é feita no dia da Páscoa, mas aparece com um outro significado para os cristãos , pois nos Evangelhos Sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas) foi exatamente no dia dessa refeição especial da Páscoa que ocorreu a última ceia numa quarta feira, onde Jesus se reuniu pela última vez com todos os apóstolos. No entanto, a celebração da Páscoa é guiada pelos relatos do evangelho de João, que situa a morte de Jesus na sexta feira, na época da cerimônia da hecatombe dos carneiros, dessa forma Jesus estaria ressuscitado no domingo, dando então o significado pros cristãos de que a Páscoa comemora a ressurreição de Jesus, a passagem de Jesus para a vida eterna, todo o trajeto e sacrifício na cruz simbolizado na Sexta Feira Santa.

A Páscoa simboliza portanto a passagem através do sacrifício para uma nova realidade, tanto para os judeus que comemoram a libertação do seu povo do jugo egípcio, como também para os cristãos que comemoram a vitória do Cristo sobre a matéria e a morte, e seu nascimento através da ressurreição para a vida eterna.

Curiosamente, os cientistas da NASA prevêem a passagem do asteróide Apophis em 2036 justamente no dia da comemoração da Páscoa, em 13 de abril, data que diverge dos estudos que venho apresentando , pois venho falando do dia 24 de abril como o dia da passagem do asteróide próximo a Terra .

No entanto devemos relembrar o relato bíbilico da Ascensão de Jesus aos céus, que ocorreu 40 dias após sua ressurreição, ou seja, 40 dias depois da Páscoa (Atos dos Apóstolos 1:3). Jesus esteve portanto ressuscitado entre os homens por 40 dias.

Ora, a ressurreição de Jesus comemorada na Páscoa é justamente a volta, o retorno de Jesus (o Filho do homem) após ter morrido na cruz. A profecia feita pelo próprio Jesus, em Mateus capítulo 24 fica ainda mais clara:

“Compreendei isto pela comparação da figueira: quando seus ramos estão tenros e crescem as folhas, pressentis que o verão está próximo. Do mesmo modo, quando virdes tudo isto, sabei que o Filho do Homem está próximo, à porta. Em verdade vos declaro: não passará esta geração antes que tudo isto aconteça”. (Mateus 24:32-34)

Se, nessa parábola, o verão está próximo, significa que Jesus definiu o evento como ocorrendo na primavera, estação mais próxima do verão e justamente em abril, no hemisfério norte onde está Israel, é primavera. Os ramos e as folhas da figueira crescem justamente na primavera, é a época em que estão sendo gerados, ou seja, não passará a época dessa geração dos ramos e folhas (que ocorre na primavera) sem que tudo isso aconteça. Jesus (O Filho do homem) estar próximo, à porta, é uma referência a volta de Jesus, citada no versículo 39, volta essa que figurativamente ocorre todos os anos, quando comemoramos a Páscoa, essa volta é justamente a ressurreição pascal de Jesus.

“Assim como foi nos tempos de Noé, assim acontecerá na vinda do Filho do Homem. Nos dias que precederam o dilúvio, comiam, bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca. E os homens de nada sabiam, até o momento em que veio o dilúvio e os levou a todos. Assim será também na volta do Filho do Homem”. (Mateus 24:37-39)

“Também do mesmo modo como aconteceu nos dias de Lot. Os homens festejavam, compravam e vendiam, plantavam e edificavam.” (Lucas 17:28)

Temos aqui dois dados muito interessantes: os dias que precederão o ápice da Tribulação ocorrerão em um momento de festividade, onde as pessoas comerão, beberão e se casarão, período que se adequa exatamente aos festejos da Páscoa, ou seja, os dias da Páscoa PRECEDERÃO o Grande dia do Senhor.

Outra questão importante da profecia é dita: os homens de nada saberão, pois ao verem que nada ocorreu após a suposta passagem do Apophis prevista pela ciência para o dia 13 de abril de 2036, acharão que já estão a salvo do perigo. O dilúvio ocorrerá durante a figurativa volta de Jesus, ou seja, no período que engloba sua ressurreição, que vai desde a Páscoa até 40 dias depois, quando ele ascendeu aos céus, e exatamente nesse período está o dia 24 de abril de 2036, 11 dias depois da Páscoa de 2036.

Jesus levando ovelha negra nos braços

Vimos que Jesus compara o ápice da Tribulação com os tempos de Noé e isso nao foi sem propósito. Da mesma forma que Jesus permaneceu entre os homens 40 dias após ter ressuscitado (Atos 1:3), choveu 40 dias durante o dilúvio da época de Noé (Gênesis 7:4).

Noé foi avisado 7 dias antes do início do grande dilúvio para que preparasse a partida da Arca, sendo que o dilúvio foi precipitado no dia 17 daquele mês (Gênesis 7:11). Ao somarmos esses dois números (17+7) temos o número 24 que é o exato dia em abril de 2036 do ápice da Tribulação.

São mais alguns indícios proféticos que fortalecem a data de 24 de abril de 2036 como o auge da Tribulação, o ápice do Apocalipse, o Grande dia do Senhor, o momento decisivo da passagem ou ressurreição da Terra para a verdadeira vida, o nascimento após as “dores do parto” da Terra Regenerada, a Nova Jerusalém. 


18 de abr de 2011

A Profecia no Apocalipse para o 11 de Setembro e para 2036 continua se cumprindo

Deus da Terra de frente para as duas testemunhas, Estatua da Liberdade e torres gemeas do WTC

Pra quem já viu o vídeo, vamos relembrar mais uma confirmação da interpretação que coloquei no vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=3rORMO3TGWc  

“Mas, depois de três dias e meio, um sopro de vida, vindo de Deus, os penetrou. Puseram-se de pé e grande temor caiu sobre aqueles que os viam” (Apocalipse 11:11)

Já vimos no vídeo que os três dias e meio são convertidos em décadas (no caso, 35 anos), pois isso foi confirmado nos mesmos 3 períodos e meio desde a pedra fundamental das torres (1966) até sua queda (2001). Nesse versículo é dito que as duas testemunhas (torres) ficam de pé após 35 anos. Bem vejamos a seguinte noticia:

“A empresa a quem tinha sido concedida a construção de 3 das 5 torres, a Silverstein Properties, na zona onde se encontravam as Torres Gêmeas do World Trade Center, em Nova York, alertou ontem que as quebras no mercado imobiliário podem levar ao adiamento de alguns dos edifícios até 2036”.


O período estipulado indica exatamente o mesmo período estipulado na profecia do capítulo 11, ou seja, 3 períodos e meio de 10 anos (35 anos) após a morte das duas testemunhas (torres, em 2001). A profecia continua se cumprindo a pleno vapor.

14 de abr de 2011

Transição Planetária: A Caridade e a Salvação

Terra com aura azul indigo

Estamos vivendo atualmente, como já exposto em diversos textos aqui do blog, o período conhecido como Transição Planetária, onde a Terra deixará de ser mundo expiatório, onde encarnam espíritos em expiação e provação de atitudes antifraternas cometidas durante várias encarnações, e passará a ser um mundo regenerador aonde venham a reencarnar somente espíritos com pelo menos o desejo sincero de tentar colocar em prática o evangelho de amor, lei áurea de todas as religiões do planeta.

A Transição Planetária é acompanhada pelo exílio planetário, onde uma parcela grande da população de espíritos do planeta Terra, que ainda insiste em praticar atitudes antifraternas, ainda muita presa ao materialismo, ao desejo de poder e dominação do seu semelhante e, sobretudo, sem o menor interesse em buscar uma reforma moral e íntima de atitudes, será apartada do planeta e reiniciará o seu ciclo evolutivo em mundos compatíveis com o estágio expiatório, que esses espíritos exilados insistiram em permanecer sintonizados vibratoriamente, muitas vezes a vários e vários milênios e já tendo passado por outros exílios semelhantes nos últimos milênios.

Em virtude desse perfil psicológico dos futuros exilados, que abrange cerca de 2 terços de toda a população de espíritos encarnados e desencarnados da Terra, a Alta Espiritualidade buscou e busca métodos para tentar despertar, mesmo que na última oportunidade (encarnação) antes do ápice dos eventos do exílio planetário (já programado desde o VT com Daniel para o ano de 2036) os espíritos recalcitrantes nos mesmos erros milenares, mas que demonstram ainda alguma chance de escolherem praticar o caminho do amor e da melhoria moral.

Entre esses métodos, a Alta Espiritualidade escolheu as profecias. Da mesma forma que a maioria das pessoas só desperta para a reflexão dos próprios erros, dos próprios vícios morais através da lei retificadora do karma, igualmente muitas pessoas passam a questionar o rumo da sua atual existência quando observam intensas mudanças em todo o planeta, com profecias se cumprindo e profecias prevendo uma gama ainda maior de mudanças. Não apenas as tragédias da natureza em escala global que estão ocorrendo de forma acentuada, como a previsão de futuros eventos ainda mais devastadores, têm o mesmo efeito da própria tragédia em si: causar reflexão na humanidade, sobre o futuro que se aproxima. Espíritos de elevada moral e com grande mediunidade foram os profetas que deixaram em relatos as visões obtidas nos arquivos do invisível, o Akasha, em diversas religiões, em diversas partes do mundo, como um alerta para impulsionar a humanidade nos tempos finais que precedessem o ápice do exílio, a repensar o rumo de suas vidas, impactadas pela gama de eventos devastadores e pelo cumprimento das próprias profecias em si, testificando que muitas outras ainda viriam e virão a se cumprir.

Da mesma forma que uma doença não visa punir aquele que colhe os sofrimentos que plantou a outrem no passado, as catástrofes ocorridas e anunciadas nas profecias não visam causar desespero ou histeria, mas sim a reflexão mediante o intenso impacto psicológico, quando o espírito é motivado a buscar a ajuda e os esclarecimentos para aliviar a sua dor, num caminho inevitável, onde mais cedo ou mais tarde, é levado à reforma moral de atitudes.

Esse esclarecimento passa inevitavelmente pelo entendimento da lei do karma, da lei da reencarnação, mas sobretudo o entendimento da CARIDADE.

Jesus e as criancinhas, pureza da criança pra entrar no reino de Deus

Temos então duas questões importantes para reflexão: o que é a caridade e o que é a salvação?

A salvação: tema muito debatido entre católicos, espíritas e protestantes, presume a existência de um perigo, visto que se é necessária uma salvação é necessário se salvar de algo, no caso algo doloroso, perigoso. Esse “algo” é justamente o exílio planetário. Jesus usou de uma linguagem figurada pra descrever o lugar onde os “condenados” ou "ímpios" que não fossem salvos teriam que ir: “um lugar de dor e ranger de dentes, um fogo eterno”. Ora, a própria Bíblia é clara em definir “fogo” como “provação”, quando diz em Marcos que “todo homem será salgado no fogo da provação”(Marcos 9:49) ou em Pedro: “Caríssimos, não vos perturbeis no fogo da provação, como se vos acontecesse alguma coisa extraordinária”. (1Pedro 4:12). O “fogo eterno” descrito por Jesus é justamente as provações sem fim pelas quais os exilados terão que passar, pois enquanto permaneceram na condição de espíritos atrasados e recalcitrantes, se recusando a investir na reforma moral, ficarão eternamente vivendo as provações características dos mundos expiatórios.

Então qual seria o caminho para a salvação? Novamente a Bíblia explica. E dito na Bíblia: “Quem crer e for batizado, será salvo” (Marcos 16:16). Temos aqui dois pontos interessantes: crer em Jesus pressupõe que eu terei de praticar seus dois maiores ensinamentos para assim demonstrar crença, pois Jesus foi claro ao dizer:

"Mestre, qual o mandamento maior da lei?" - Jesus respondeu: "Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu espírito; este o maior e o primeiro mandamento. E aqui tendes o segundo, semelhante a esse: Amarás o teu próximo, como a ti mesmo. - Toda a lei e os profetas se acham contidos nesses dois mandamentos."(Mateus 22:34-40)

O Mestre disse: terá que amar a Deus e ao próximo, ou seja, pra crer nele o mínimo que se deve fazer é se esforçar para praticar esses ensinamentos que resumem a lei de amor trazida por Jesus.

E o que significa “ser batizado”? Para muitas religiões o referido versículo fala do batismo das águas, mas aqui não é dito qual batismo de forma específica, sendo que na Bíblia temos 3 batismos: o do arrependimento (nas águas), o do fogo (as provações) e o do Espírito Santo (dar os frutos do Espírito). Ou seja, fica claro que o batismo da salvação não é apenas o do arrependimento mas também o do Espírito Santo:

"o fruto do Espírito é caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade brandura, temperança. Pois OS QUE SÃO DE JESUS CRISTO crucificaram a carne, com as paixões e concupiscências. Se vivemos pelo Espírito, andemos também de acordo com o Espírito" (Gálatas 5: 22-25)

Inclusive a própria Bíblia deixa claro que o batismo do Espírito Santo vem depois do batismo do arrependimento nas águas:

“porque João batizou na água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo daqui há poucos dias”. (Atos dos Apóstolos 1:5)

“Recebestes o Espírito Santo, quando abraçastes a fé? Responderam-lhe: Não, nem sequer ouvimos dizer que há um Espírito Santo! Então em que batismo fostes batizados? perguntou Paulo. Disseram: No batismo de João. Paulo então replicou: João só dava um batismo de penitência, dizendo ao povo que cresse naquele que havia de vir depois dele, isto é, em Jesus” ( Atos dos Apóstolos 19:2-4)

Fica claro o caminho tríplice do batismo: a provação, o arrependimento e os frutos do Espírito, ou seja, a prática dos ensinamentos sintetizados nas duas leis trazidas por Jesus. E qual palavra melhor sintetiza o ato de amar, o amarás teu próximo como a ti mesmo? Essa palavra que no grego aparece como “amor ágape” foi traduzida pelas versões bíblicas mais fiéis, como a Bíblia de Jerusalém como CARIDADE.

“Ora, o fim (objetivo) do mandamento é a caridade” (1Timóteo 1:5)

“Estar circuncidado ou incircunciso de nada vale em Cristo Jesus, mas sim a fé que opera pela caridade.” (Gálatas 5:6)

“A caridade não pratica o mal contra o próximo. Portanto, a caridade é o pleno cumprimento da lei”. (Romanos 13:10)

“Antes de tudo, mantende entre vós uma ardente caridade, porque a caridade cobre a multidão dos pecados”. (1Pedro 4:8)

"Por ora subsistem a fé, a esperança e a caridade - as três. Porém, a maior delas é a caridade." (I Cor 13:13)

Fica evidente que a salvação do exílio e o direito a herdar o reino de Deus na Terra após o exílio planetário será para os que buscarem praticar o amor ao próximo, ação (obra) que se resume na palavra caridade. Mas como exercer a caridade? A caridade, o ato de amar ao próximo engloba uma série de atitudes: a paciência, a humildade, a fraternidade, a misericórdia, a brandura entre tantas outras atitudes que muitas vezes negligenciamos ao longo do dia. O exercício da caridade é uma mudança de hábitos, um treino gradual, um esforço diário para buscar que aquela determinada atitude floresça dentro de nós e assim a atitude antiga, contrária a atitude caridosa, vá gradativamente desaparecendo. É um exercício acima de tudo de vigilância, daí a importância do orar e vigiar ensinado por Jesus, pois a oração é o mecanismo pelo qual estabelecemos a sintonia com a essência divina, essência essa presente em cada um de nós, a voz da consciência que nos impulsiona para o caminho da boa obra.

Desde quando acordamos, assim como fazemos o café da manhã alimentando o corpo físico , é importante fazer a conexão com a essência divina através da prece e da oração, alimentando a alma com boas vibrações, pois como diz a Bíblia “cada um de nós é templo de Deus e seu Espírito habita em cada um de nós”. Esse esforço de orar e vigiar, estabelecendo sintonia com Deus através da essência divina que habita em cada um de nós, é inclusive um ato de caridade com nós mesmos, pois vai evitar que cultivemos dívidas kármicas que inevitavelmente teríamos que colher em virtude de um ato contrário ao caminho da caridade.
 
A mudança de hábitos negativos para que se estabeleça o caminho da caridade, o esforço diário na melhoria das atitudes é exatamente a reforma moral, a reforma íntima.

Tantos os eventos espantosos que temos presenciado na atual transição planetária como as profecias que apontam para mais eventos dessa ordem nada mais são do que mecanismos motivadores, de grande impacto psicológico, que visam impulsionar a reflexão da população mundial para novos e melhores hábitos, motivando um ser humano mais fraterno na prática da caridade. É o esforço na prática da caridade que salvará um terço dos espíritos que vivem na Terra (encarnados e desencarnados), fazendo com que esses espíritos herdem o reino de Deus, simbolizado na figura da “Nova Jerusalém”

João descreve no Apocalipse o Reino de Deus como a Nova Jerusalém que desce dos céus, o que nada mais é do que uma alegoria para explicar o início da era de Regeneração após o exílio planetário (Ápice da Tribulação).

“Eu vi um novo céu e uma nova terra. E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém que de Deus descia do céu. Nela não entrará quem pratique abominações e mentiras” (Apocalipse 21:1,2,27)

As abominações aqui descritas nada mais são do que as obras (ações) da carne (materialismo) assim relatadas por Paulo em Gálatas:

"Ora, as obras da carne são estas: fornicação,  libertinagem, idolatria, superstição, inimizades, brigas, ódio, ambição, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes. Dessas coisas vos previno, como já vos preveni: os que as praticarem não herdarão o Reino de Deus!" (Gálatas 5:19-21)

“Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão. Peleja a boa peleja da fé, apodera-te da vida eterna, para a qual foste chamado” ( 1 Timóteo 6:10-12)