23 de abr de 2011

O Apophis e a Páscoa

Jesus e a mulher samaritana no poço de Jacó


Para compreendermos mais profundamente porque o Apophis será o responsável pelo Grande dia do Senhor (Apocalipse 6:17, II Tessalonicenses 1:7-10, Isaías 13:6-13, Zacarias capítulo 14, Joel 2:1-11) exatamente no dia 24 de abril de 2036, devemos compreender o significado da Páscoa.

Para os judeus, a Páscoa (Pessach, que significa passagem) representa a comemoração da saída do Egito, a festa do cordeiro, dos ázimos e da Primavera (estação que começa no hemisfério norte onde está Israel lá pelo dia 21 de março).

É uma festividade muito importante para os judeus, pois durante a Páscoa a casa é purificada, todos os utensílios são lavados em água corrente. Na refeição ritual do Sêder , à mesa, deverá haver lugar para o profeta Elias (cadeira e cálice), vêem-se três Masot (pães sem fermento) relembrando a partida precipitada dos judeus durante o êxodo e simbolizando a busca do povo pela liberdade; Um osso de cordeiro representando o sacrifício no Templo; um ovo cozido, mergulhado em água salgada simbolizando o nascimento e a morte, a fugacidade da vida terrena, as lágrimas e os sofrimentos dos judeus; o Maror, ou ervas amargas lembrando a amargura que os antepassados sofreram no Egito e que todos os escravizados sentem; Harroset, uma pasta feita de frutos secos, figos, tâmaras, canela e mel representando a argila com que os judeus efetuavam as obras do faraó.

De certa forma essa cerimônia representa muito bem as dificuldades pelas quais a humanidade irá passar no auge da Tribulação, em 24/04/2036.

Como vimos acima, a refeição tradicional Sêder é feita no dia da Páscoa, mas aparece com um outro significado para os cristãos , pois nos Evangelhos Sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas) foi exatamente no dia dessa refeição especial da Páscoa que ocorreu a última ceia numa quarta feira, onde Jesus se reuniu pela última vez com todos os apóstolos. No entanto, a celebração da Páscoa é guiada pelos relatos do evangelho de João, que situa a morte de Jesus na sexta feira, na época da cerimônia da hecatombe dos carneiros, dessa forma Jesus estaria ressuscitado no domingo, dando então o significado pros cristãos de que a Páscoa comemora a ressurreição de Jesus, a passagem de Jesus para a vida eterna, todo o trajeto e sacrifício na cruz simbolizado na Sexta Feira Santa.

A Páscoa simboliza portanto a passagem através do sacrifício para uma nova realidade, tanto para os judeus que comemoram a libertação do seu povo do jugo egípcio, como também para os cristãos que comemoram a vitória do Cristo sobre a matéria e a morte, e seu nascimento através da ressurreição para a vida eterna.

Curiosamente, os cientistas da NASA prevêem a passagem do asteróide Apophis em 2036 justamente no dia da comemoração da Páscoa, em 13 de abril, data que diverge dos estudos que venho apresentando , pois venho falando do dia 24 de abril como o dia da passagem do asteróide próximo a Terra .

No entanto devemos relembrar o relato bíbilico da Ascensão de Jesus aos céus, que ocorreu 40 dias após sua ressurreição, ou seja, 40 dias depois da Páscoa (Atos dos Apóstolos 1:3). Jesus esteve portanto ressuscitado entre os homens por 40 dias.

Ora, a ressurreição de Jesus comemorada na Páscoa é justamente a volta, o retorno de Jesus (o Filho do homem) após ter morrido na cruz. A profecia feita pelo próprio Jesus, em Mateus capítulo 24 fica ainda mais clara:

“Compreendei isto pela comparação da figueira: quando seus ramos estão tenros e crescem as folhas, pressentis que o verão está próximo. Do mesmo modo, quando virdes tudo isto, sabei que o Filho do Homem está próximo, à porta. Em verdade vos declaro: não passará esta geração antes que tudo isto aconteça”. (Mateus 24:32-34)

Se, nessa parábola, o verão está próximo, significa que Jesus definiu o evento como ocorrendo na primavera, estação mais próxima do verão e justamente em abril, no hemisfério norte onde está Israel, é primavera. Os ramos e as folhas da figueira crescem justamente na primavera, é a época em que estão sendo gerados, ou seja, não passará a época dessa geração dos ramos e folhas (que ocorre na primavera) sem que tudo isso aconteça. Jesus (O Filho do homem) estar próximo, à porta, é uma referência a volta de Jesus, citada no versículo 39, volta essa que figurativamente ocorre todos os anos, quando comemoramos a Páscoa, essa volta é justamente a ressurreição pascal de Jesus.

“Assim como foi nos tempos de Noé, assim acontecerá na vinda do Filho do Homem. Nos dias que precederam o dilúvio, comiam, bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca. E os homens de nada sabiam, até o momento em que veio o dilúvio e os levou a todos. Assim será também na volta do Filho do Homem”. (Mateus 24:37-39)

“Também do mesmo modo como aconteceu nos dias de Lot. Os homens festejavam, compravam e vendiam, plantavam e edificavam.” (Lucas 17:28)

Temos aqui dois dados muito interessantes: os dias que precederão o ápice da Tribulação ocorrerão em um momento de festividade, onde as pessoas comerão, beberão e se casarão, período que se adequa exatamente aos festejos da Páscoa, ou seja, os dias da Páscoa PRECEDERÃO o Grande dia do Senhor.

Outra questão importante da profecia é dita: os homens de nada saberão, pois ao verem que nada ocorreu após a suposta passagem do Apophis prevista pela ciência para o dia 13 de abril de 2036, acharão que já estão a salvo do perigo. O dilúvio ocorrerá durante a figurativa volta de Jesus, ou seja, no período que engloba sua ressurreição, que vai desde a Páscoa até 40 dias depois, quando ele ascendeu aos céus, e exatamente nesse período está o dia 24 de abril de 2036, 11 dias depois da Páscoa de 2036.

Jesus levando ovelha negra nos braços

Vimos que Jesus compara o ápice da Tribulação com os tempos de Noé e isso nao foi sem propósito. Da mesma forma que Jesus permaneceu entre os homens 40 dias após ter ressuscitado (Atos 1:3), choveu 40 dias durante o dilúvio da época de Noé (Gênesis 7:4).

Noé foi avisado 7 dias antes do início do grande dilúvio para que preparasse a partida da Arca, sendo que o dilúvio foi precipitado no dia 17 daquele mês (Gênesis 7:11). Ao somarmos esses dois números (17+7) temos o número 24 que é o exato dia em abril de 2036 do ápice da Tribulação.

São mais alguns indícios proféticos que fortalecem a data de 24 de abril de 2036 como o auge da Tribulação, o ápice do Apocalipse, o Grande dia do Senhor, o momento decisivo da passagem ou ressurreição da Terra para a verdadeira vida, o nascimento após as “dores do parto” da Terra Regenerada, a Nova Jerusalém. 


Nenhum comentário: