23 de nov de 2010

A Transição Planetária e os Espíritos Missionários (Parte II)


GABRIEL

Vamos conhecer agora um pouco do segundo missionário que está encarnado no Brasil, espírito cuja história foi contada no livro “A História de um Anjo” do Roger Paranhos, editora do conhecimento.

A história desse grande espírito é narrada desde o Velho Testamento, quando ele aparece explicando para Daniel muitas das visões que o profeta, que voltaria séculos depois como João Evangelista estava enxergando. Esses eventos envolvendo Gabriel e Daniel estão bem precisos em Daniel 8:16 e 9:21. Inclusive Gabriel é relatado como “um ser em forma humana” (Daniel 8:15) do que fica claro se tratar de entidade angélica, que ainda possui perispírito e não entidade arcangélica.

Séculos depois Gabriel é responsável por anunciar a vinda de João Batista a seu pai, Zacarias (Lucas 1: 11-19) informando que este espírito era a reencarnação de Elias (Lucas 1:17), bem como Gabriel também anuncia , 6 meses depois, a vinda de Jesus para sua mãe Maria (Lucas 1:26-36). Gabriel é aqui relatado claramente como um anjo:

“Apareceu-lhe então um anjo do Senhor” (Lucas 1:11)

“No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré” (Lucas 1:26)

Fica claro que Gabriel é um anjo com forma humana.

Gabriel poucos anos depois de anunciar a vinda de João Batista e Jesus, reencarnou como filho de Maria e José e irmão de Jesus e Judas Tadeu. Ficou conhecido nas escrituras como Tiago Menor (Justo), autor do livro de Tiago contido no NT (daí o seu nome Tiago o Justo, pois seu evangelho prega a justificação da fé em Jesus através das obras de caridade).

João Evangelista e Tiago Menor (este último Gabriel encarnado) foram os discípulos mais ligados a Jesus, e coube a Tiago Menor a liderança do Cristianismo Primitivo após a morte de Tiago Maior (que era mais velho que Tiago Menor, além de ser irmão de João Evangelista).

Tiago Menor (Gabriel reencarnado) foi o líder do Cristianismo primitivo do ano 44 ao ano 62, quando foi assassinado. Poucos anos depois é ele, Tiago Menor (Gabriel) que é enviado a ilha de Patmos como o mensageiro (anjo) de Jesus para ajudar João Evangelista a compreender melhor as visões que teria em desdobramento e relataria no livro da Revelação, também conhecido como Apocalipse. Ou seja, Gabriel continuava a tarefa que realizou com o profeta Daniel, já que João Evangelista era Daniel reencarnado.

Vejamos a semelhança das narrativas:

“Dirigiu-se então em direção ao lugar onde eu me achava. À sua aproximação, fiquei apavorado e caí com a face contra a terra. Enquanto falava comigo, desmaiei, com o rosto em terra. Mas ele tocou-me e me fez ficar de pé.”. (Daniel 8:17-18)

“Revelação de Jesus Cristo... Ele, por intermédio de seu anjo, comunicou ao seu servo João” (Apocalipse 1:1)

“Ao vê-lo, caí como morto aos seus pés. Ele, porém, pôs sobre mim sua mão direita” (Apocalipse 1:17)

“Voltei-me para saber que voz falava comigo. Alguém semelhante ao Filho do Homem, vestindo longa túnica até os pés, cingido o peito por um cinto de ouro.” (Apocalipse 1: 12-13)

“Seus olhos eram como chamas de fogo. O seu rosto se assemelhava ao sol, quando brilha com toda a força” (Apocalipse 1:14-16)

“Levantando os olhos, vi um homem vestido de linho. Cingia-lhe os rins um cinto de ouro. Seu rosto brilhava como o relâmpago, seus olhos, como tochas ardentes, seus braços e pés tinham o aspecto do bronze polido” (Daniel 10:5-6)

Fica claro que o anjo que aparece para Daniel e João Evangelista é o mesmo espírito, um anjo com forma humana, porem era também semelhante a Jesus (O Filho do Homem).

Pelos relatos dos historiadores, podemos observar que Tiago Menor (uma das encarnações de Gabriel) era de forma impressionante muito parecido com Jesus. Contam as “Lendas Douradas” escritas por Voragine (bispo de Gênova) que Tiago Menor era tão parecido com Jesus, que o beijo dado por Judas Iscariotes no jardim do Getsêmani foi justamente para diferenciar Jesus de Tiago Menor, evitando que os soldados romanos prendessem o homem errado.



Séculos depois, mais precisamente pelos idos de 609, Gabriel visita Maomé, que contava com 40 anos de idade e o ajuda a escrever vários versos, que depois da morte de Maomé foram compilados no livro conhecido como Alcorão. Esses versos foram ditados, segundo a tradição islâmica, pelo anjo Gabriel nos últimos 23 anos de vida de Maomé, do ano 609 ao ano 632.

Além da devoção a um Deus único, os princípios do Islã se assentam na crença nos quatro anjos: Gabriel, Miguel, Azrael e Izrafel, do que fica claro que o espírito que anunciou os versões do Alcorão a Moisés não era um arcanjo mas sim um anjo. Inclusive na tradição islâmica, de inicio Maomé se recusou a recitar os versos trazidos pelo anjo, e o anjo Gabriel teve que segura-lo, por 3 vezes, até que ele aceitasse a missão a ele confiada. Ora, para se materializar e segurar alguém certamente ele teria que possuir ainda um perispirito, algo que entidades arcangélicas já não possuem mais.

Maomé era ninguém menos que o próprio Moisés, Elias e João Batista reencarnado e justamente por isso Gabriel trouxe a Maomé a missão de restaurar o judaísmo e o cristianismo (sobretudo o cristianismo romano, que havia adulterado a maioria dos valores do cristianismo primitivo ensinado por Jesus), trazendo essa mensagem restauradora como uma nova religião para os povos árabes.

A escolha de Maomé para essa missão não poderia ter sido outra, afinal aquele espírito havia realizado importante missão junto ao povo judeu como Moises e Elias e importante missão junto ao Cristianismo, preparando o caminho para a vinda de Jesus, quando reencarnou como João Batista, primo de Jesus.

O mais interessante é que um dos pilares básicos do Islamismo (religião criada por Maomé cujos adeptos são denominados muçulmanos) é a necessidade da prática da caridade, exatamente o pilar fundamental contido em todo o evangelho de Tiago (Gabriel). A religião islâmica considera inclusive Jesus como uma dos maiores profetas e estuda os ensinamentos de Jesus, juntamente com os livros bíblicos que contém ensinamentos de Moises e João Batista. Sendo assim, os livros sagrados para os muçulmanos são o Alcorão (dividido em Suras), a Torá (que contem as mais de 600 leis legislativas de Moisés ao povo hebreu), além do evangelho de Jesus (descrito nos 4 livros dos evangelistas e que também serve de base para o Evangelho Segundo o Espiritismo).

Gabriel estaria hoje com a idade aproximada de 18 a 19 anos, faixa etária próxima à idade de João Batista.


EMMANUEL



Antes de analisar o objetivo da atual encarnação de Emmanuel, vamos relembrar algumas das encarnações pretéritas do mentor de Chico Xavier, informações estas que constam nos próprios livros ditados ao Chico pelo Emmanuel:

Emmanuel foi  Publius Cornelius Lentulus, apelidado de Sura, morreu em 63 aC. Foi uma das figuras capitais na conjura de Catilina. Foi pretor em 75, governador da Sicília em 74, cônsul em 71 após a morte de Espartaco. Em 70, foi expulso do senado, com outras pessoas, por imoralidade. Juntou-se neste momento a Lucio Catilina, político romano que procurava devolver aos aristocratas as prerrogativas do patriciado (Roma tinha passado por uma reviravolta popular rumo da democracia, redesenhando os poderes em prol das classes populares, as plebes - que ganhou direitos inusitados, tudo isso após a sublevação de Espártaco que arregimentou 200 mil homens contra o exercito romano e o derrotando 6 vezes).

Os conspiradores foram presos e obrigados a confessar (mediante tortura). Públio Lentulus foi obrigado a abdicar de seu cargo de pretor (chefe de policia) e, temendo que pudesse influenciar alguém, o imperador romano o condenou a morte. Sura, era em suma um verdadeiro crápula.

Emmanuel então reencarna, como neto de Sura, com o mesmo nome (Públio Lentulus Cornélio), agora um senador incorruptível e austero, justamente com a missão de consertar as besteiras que fez no passado, SE consertando. Mas, como a natureza não dá saltos (e ninguém vira santo depois que morre) ele continua com um péssimo caráter espiritual. Foi nesta encarnação que ele encontrou Jesus, mas mesmo as palavras do Nazareno não conseguiram demovê-lo de seu orgulho e cegueira. Com o passar do tempo (e das bordoadas que leva nesta e em outras encarnações) é que ele vai depurando seu espírito, sempre com base na Lei do retorno.

Emmanuel e Moisés se encontraram um século antes da vida de Jesus, quando Moisés (João Batista) na personalidade do escravo romano Espartáco iniciou o fim da Republica Romana, da qual Emmanuel fazia parte conforme relatado no livro Há dois mil anos (pretor e depois consul Sura).

Emmanuel veio depois como o senador Públio Lentulus e na encarnação seguinte como um escravo (Nestório) abraçando definitivamente os ideais de Moisés (João Batista/Espartáco). O mesmo perfil austero que Emmanuel apresentava quando se comunicava com Chico Xavier pode ser igualmente observado em João Batista, mais um indício que denota a profunda ligação e admiração entre esses dois espíritos.

A partir dessa encarnação, Emmanuel começa sua ascensão espiritual e já na época do Brasil colônia encarna como o padre Manoel da Nóbrega, lutando por uma vida mais decente para os índios que eram explorados no Brasil pelos portugueses. Nessa encarnação, Emmanuel convive com o padre José de Anchieta (uma das encarnações de Frei Fabiano de Cristo) e realizam importante trabalho com os jesuítas para catequizar os índios e de certa forma diminuir as hostilidades entre eles e os colonizadores portugueses.

Vale ressaltar que antes de encarnar como Manuel da Nóbrega, Emmanuel reencarna como São Remígio , nascido em 439 , bispo francês de família nobre. Considerado como o apóstolo dos pagãos, nas Gálias, era conhecido pela sua pureza de espírito, e profundo amor a Deus e ao próximo. Desencarnou em janeiro de 535, aos 96 anos. Foi nessa encarnação que Emmanuel inicia um ciclo de encarnações onde trabalharia diretamente junto a Igreja Católica. Depois de encarnar como Manuel da Nóbrega, Emmanuel reencarna nessa seqüência:

Padre Damiano (1613 – até próximo de 1700), nasceu na Espanha e exerceu o oficio de padre também na França, onde desencarnou.

Jean Jaques Tourville, prelado católico no período anterior a revolução francesa, era educador da nobreza, viveu na França e antes de estourar a revolução refugiou-se na Espanha, onde desencarnou no final do século 18.

Padre Amaro, humildade sacerdote católico que viveu no Pará e posteriormente no RJ, viveu entre os séculos 19 e 20 e teve contato com Bezerra de Menezes.

Em suas cinco ultimas encarnações podemos perceber que Emmanuel viveu sempre como religioso católico. E a atual encarnação de Emmanuel, quais informações temos disponíveis?

Sônia Barsante, freqüentadora do Grupo Espírita da Prece de Chico Xavier, testemunhou que em determinado dia no ano 2000 Chico Xavier ausentou-se por alguns momentos em transe mediúnico. Ao retornar, disse-lhe com alegria que fora em desdobramento espiritual até uma cidade do Estado de São Paulo para visitar um bebê que seria o espírito de Emmanuel já reencarnado. Terminou dizendo-lhe e aos demais que lá estavam presentes: “vocês ainda vão reconhecê-lo.” Emmanuel conta hoje portanto com idade entre 11 e 12 anos, vivendo em São Paulo.

Numa pergunta feita por Gugu Liberato, se Emmanuel reencarnaria, Chico assim afirmou: “Ele diz que virá novamente para trabalhar como professor”.

O que podemos entender sobre professor? Um palestrante, se valendo da excelente oratória adquirida na época do senado romano, um professor das multidões, ensinando milhares e milhares de jovens os conceitos espíritas através da união entre espíritas e católicos, aproveitando o amplo conhecimento que Emmanuel adquiriu da estrutura católica e dos evangelhos bíblicos. Um verdadeiro educador, buscando assim como Gabriel primeiramente a união entre espíritas e católicos. 

Esses três espíritos, João Batista, Gabriel e Emmanuel, estão encarnados hoje no Brasil, com a missão de preparar o Brasil para que nos próximos 20 anos já tenha se tornado o farol do mundo, a pátria do Evangelho, a nação que ajudará o mundo a passar pelas duras provações que se avizinham ate o ápice do exílio planetário daqui a pouco mais de 25 anos, em 2036.

A Transição Planetária e os Espíritos Missionários (Parte I)



A Era de Regeneração, substituindo a Era de Expiação e Provas, começa a se aproximar, à medida que o Exílio Planetário se intensifica, trazendo as mudanças que são comuns a esse período de transição.

A Era de Expiação e provas é como uma casa, saturada de poeira, sujeira, moveis caindo aos pedaços, com animais pestilentos se proliferando por todos os cantos. E nessa moradia em estado deplorável, encontram-se vários moradores, superlotando a casa e causando balburdia e fazendo cada vez mais sujeira. Se inicia então o período de Transição, quando batem a porta da casa algumas pessoas, desejosas por colaborar na limpeza, na reconstrução de alguns moveis e na reeducação dos moradores daquela casa, até então entregue a sujeira e ao caos. Esses novos moradores são enviados pelo governo, que temeroso com a situação da casa estabelece novas normas para que os moradores permaneçam naquela casa: precisarão cuidar da própria higiene e também colaborar com o reerguimento da moradia. Muitos infelizmente não se adaptam e precisam então ser encaminhados para outras casas, na verdade para ajudar na construção de novas casas, vivendo também num ambiente empoeirado e caótico, mas com o objetivo de fazer com que uma nova casa surja.

A Terra hoje em dia vive exatamente o período de Transição: novos moradores estão chegando para ajudar e motivar os que já habitam a casa a realizarem a limpeza, a “higiene moral” de si mesmos bem como a higiene dos sistemas que estão em vigor na moradia.

Quando se inicia esse processo de limpeza, é natural que a poeira levante, que o lixo se acumule por algum tempo em alguns pontos até que seja jogado em blocos para fora da casa, que ocorra mais barulho pela atividade de limpeza na casa e que o esforço na limpeza traga suor, cansaço para os moradores, assim como sujeiras escondidas em cantos sempre cobertos venham a tona, bem como fiquem visíveis as estruturas e moveis da casa que precisam de reparo, um reparo muitas vezes demorado e cansativo.

Os novos moradores da Terra, ou seja, aqueles espíritos que vem reencarnando nas últimas 3 décadas podem ser divididos de forma sintetizada em 3 grupos:

Espíritos em encarnações provacionais, nas chamadas “encarnações chave”. São os trabalhadores da ultima hora descritos na parábola de Jesus, muitos só começaram a trabalhar pelo ideal do cristo nessa ultima oportunidade, mas receberão o mesmo salário dos trabalhadores do cristo que já estão na labuta a várias encarnações e esse salário é a Terra Regenerada. Esses espíritos têm a sua ultima chance de permanecer na Terra, assumiram compromissos antes de reencarnar assim como muitos egípcios assumiram quando reencarnaram na época de Akhenaton. Segundo análises da Alta Espiritualidade, infelizmente aproximadamente 2 terços desses espíritos irão falhar em sua ultima oportunidade.

Índigos. São espíritos que começaram a encarnar pelos idos de 1980, apresentam grande conhecimento intelectual e inato da espiritualidade, bem como um desejo de mudança e modificação das estruturas que julgam arcaicas, são o que os especialistas definem como geração Y (80 em diante) e os mais modernos da geração X (final dos anos 70). Em sua grande maioria apresentam bagagem moral para permanecer na Terra após a época de transição. A missão deles é ajudar nesse processo de renovação, quebra de velhas idéias e estruturas e motivar os espíritos em encarnação provacional chave a conseguirem se salvar do exílio. As provações pelas quais os índigos necessitam passar são na sua grande maioria mais brandas do que a dos espíritos em encarnação provacional chave.

Missionários. Número bem reduzido de espíritos que começaram a encarnar entre os anos 90 e 2000 e muitos ainda estão em processo de nascimento na Terra. São conhecidas por alguns como crianças cristal ou jovens cristal. O que os diferencia dos índigos é a moral, extremamente superior, espíritos livres de provação, vem para ensinar e dar o exemplo de nobres conceitos de vida nos mais diversos campos da existência humana.

Tanto os índigos como os missionários serão figuras de grande importância nesse processo de transição, que segundo nos esclarecem alguns médiuns famosos já estará no fim lá por meados de 2050. Divaldo Franco, através de Joana de Angelis nos esclarece que pelos idos de 2052 já será possível vislumbrar a Terra em processo de regeneração, período que Chico Xavier, através de Emmanuel no livro “Plantão de Respostas, segundo volume” aponta para 2057. Ou seja, entre 2052-2057 poderemos já vislumbrar a casa praticamente limpa e reformada, com seus moradores mais “higienizados mentalmente”, apesar da exaustão que estejam sentindo pela grande limpeza e mudança realizada.

O período de 2052 até os idos da década de 70 do terceiro milênio será o processo de ajustes finais e encerramento do processo do exílio planetário, período esse que a Era de Regeneração já será sentida de forma bem mais visível pelos moradores da Terra após a “grande faxina” do período de transição.

Dentre esses espíritos missionários, iremos conhecer hoje a história de 3 deles, algumas de suas encarnações pregressas, muitas delas inclusive já relatadas por outros médiuns, bem como algumas novidades sobre esses espíritos.

JOÃO BATISTA



O primeiro deles é João Batista, informação que foi trazida pelo espírito do medico Adolph Fritz em mais de uma ocasião nas reuniões que participei no final dos anos 80 e toda a década de 90. Já nos 90 o Dr Fritz trouxe algumas informações que só hoje estão sendo publicas nos livros espiritualistas, como por exemplo o pré exílio no lado obscuro da Lua . Segundo informações dele, João teria hoje aproximadamente 20 anos, nasceu numa família pobre do interior de Minas Gerais e veio com a missão de realizar grandes mudanças sociais e de modernização da estrutura da Igreja Católica no Brasil, auxiliando a missão de um outro espírito missionário, Gabriel, no processo de união entre católicos e espíritas, visando resgatar o Cristianismo Primitivo no seio da Igreja Romana, missão essa que terá também o apoio de perto de um outro missionário, Emmanuel . Todos esses três espíritos vem com a missão principal de colaborar nesse processo de união entre católicos e espíritas, com o objetivo de auxiliar no despertar de inúmeros espíritos encarnados, muitos deles conhecidos como “católicos não praticantes” mas que simpatizam com a obra de Chico Xavier e que também acreditam na reencarnação.

João Batista vem para ser um grande detonador psíquico das massas, exatamente como foi na época de Jesus. Pouco antes do inicio da missão messiânica de Jesus, João realizava o batismo do arrependimento ou batismo das águas no rio Jordão, próximo ao templo essênio de Qumran, do qual fazia parte. Era visto pela população como o messias esperado, o Elias reencarnado, o rei Melkisedeque (supremo sacerdote essênio). Ele era realmente Elias reencarnado, aquele que prepararia o caminho para o messias, o rei Melkiseque, que eram as atribuições do seu primo Jesus. João batizava, pregava nas imediações de Qumran e a noite, em desdobramento astral continuava o processo de despertar daqueles que eram batizados por ele, um verdadeiro mago, mago regenerado que durante o batismo nas águas fazia com que todos os batizados naqueles poucos segundos em baixo dagua se desdobrassem conscientemente e vissem com os próprios olhos da alma a realidade do plano espiritual. Muitos judeus pobres (ebionitas) foram despertados pelas mãos e pelo magnetismo de João, preparando o caminho para a vinda do Messias.

João Batista veio preparar aqueles espíritos ali encarnados para que eles recebessem a mensagem de Jesus, essa era a função do seu batismo do arrependimento. Durante o batismo nas águas, João abria a visão espiritual dos batizados, permitindo que eles enxergassem momentaneamente o plano espiritual e naquele momento descarregava grande quantidade de energia através do chacra superior da cabeça (o coroa), para que aqueles espíritos relembrassem do compromisso que assumiram antes de reencarnar ali, que era de receber o Messias e ajuda-lo na divulgação da lei de amor.

João Batista não foi apenas a reencarnação do profeta Elias, mas também a reencarnação de Moises. O fenômeno presenciado no Monte Tabor pelos apóstolos ficou conhecido na doutrina espírita como ubiquidade. Por isso também que Jesus disse que a lei mosaica foi até João Batista, mas que da lei divina dos 10 mandamentos não seria tirado um til sequer. Elias (Moises) foi o profeta do Deus único, defensor ferrenho do monoteísmo quando Israel degradava novamente para o politeísmo. Caberia novamente a Moises preparar o caminho de Jesus, na personalidade de João Batista.



“A lei (mosaica, as mais de 600 leis legislativas) e os profetas duraram até João. Desde então é anunciado o Reino de Deus, e cada um faz violência para aí entrar. Mais facilmente, porém, passará o céu e a terra do que se perderá uma só letra da lei” (divina, dez mandamentos, lei do espírito descrita por Paulo) (Lucas 16:16-17)

João Batista disse que veio preparar o caminho de Jesus, na verdade essa preparação veio desde a época da sua encarnação como Moises quando implantou o monoteísmo no povo hebreu.

Na encarnação seguinte vem como Elias, que significa em hebraico “ O Senhor é meu Deus” , foi o profeta que mais combateu o sincretismo religioso dentro do povo hebreu pra manter firme a chama do monoteísmo no povo hebreu, já que na época o rei de Israel chamado Acabe se submeteu a vontade da sua esposa fenícia Jezabel e se submeteu ao culto do Deus pagão Baal e a ao culto a outros deuses, já que sua esposa era politeísta (o casamento de ambos visava fortalecer politicamente a região e o rei israelense) . Elias demonstra a força férrea de Moises ao matar com a espada os sacerdotes de Baal e a enviar uma violenta praga, assim como fez nos tempos em que era Moises. Moises foi um dos maiores mestres e ao mesmo tempo um guerreiro, foi sua vontade férrea e seu poder magnetizador que manteve unido o povo hebreu nas décadas de peregrinação no exército, essa personalidade é refletida nas leis mosaicas ou legislativas que ele usou para manter a ordem junto ao povo hebreu.

Elias organizou a resistência à implantação do politeísmo nas terras de Israel, liderando outros profetas monoteístas no Monte Carmelo (no mesmo local onde foi construído o mosteiro dos essênios onde Jesus realizou seus primeiros estudos, pois a comunidade dos essênios existia desde os tempos de Moisés, sempre composta pelos hebreus mais graduados e seguidores de forma reta das leis divinas, comunidade que depois se expandiu com a vinda dos terapeutas, um grupo de seguidores de Buda que em 300 Ac chegou a região e se uniu a comunidade dos essênios) Toda a história da resistência de Elias e sua defesa incondicional ao monoteísmo esta relatada nos livros de Reis I e II que estão no VT bíblico. Ao desafiar os sacerdotes de Baal no sudeste do monte Carmelo, Elias faz descer fogo do céu e incendeia o altar onde estavam as oferendas a Deus, feito que os sacerdotes de Baal não conseguiram realizar, sendo por isso degolados junto com suas estátuas. Por isso que séculos depois Elias retorna exatamente nas proximidades do Monte Carmelo como João Batista e fala que Jesus viria para batizar no Espírito e em fogo, numa clara alusão ao poder de Deus em atuar sobre a vida humana.

Encarnações de João Batista:

Encarna como Atlas, líder do povo vermelho da Atlântida (9.625 Ac)

Encarna como o faraó Menés e unifica o alto e baixo Egito (3.140 mil Ac)

Encarna como Moisés e implanta o monoteísmo no povo hebreu (1328 Ac)

Encarna como Elias e luta pela manutenção do monoteísmo ( 900 Ac)

Encarna como Espártaco, escravo romano, nasce em 120 A.c que luta pela libertação dos escravos romanos e luta para aniquilar o corrupto governo Romano, morrendo perto de (73 Ac)

Encarna como João Batista em época próxima do nascimento de Jesus (3 A.c), vivendo com ele junto a comunidade dos essênios preparando o povo da região de Israel através do seu batismo, para a recepção ao Mestre, que retornava do Egito apos longa peregrinação.

Por fim, Moisés retorna como Maomé no ano de 570, para unificar várias tribos árabes, o que permitiu as conquistas árabes daquilo que viria a ser um império islâmico que se estendeu da Pérsia até à Península Ibérica. Detalhe interessante é que nessa encarnação Maomé desencarna exatamente como Elias. Elias é arrebatado em espírito aos céus numa carruagem com cavalos. Maomé é arrebatado aos céus montado na égua Al Borak, no exato local onde está hoje erguido o Domo da Rocha.

“Continuando o seu caminho, entretidos a conversar, eis que de repente uma carruagem de fogo com cavalos de fogo os separou um do outro, e Elias subiu ao céu num turbilhão” (2 Reis 2:11)


Comunidade Profecias 2036 no Orkut: http://www.orkut.com.br/Community?cmm=98634186

18 de nov de 2010

Gliese 581, o mundo exílio?


Em 29 de setembro de 2010 foi descoberto o planeta Gliese 581g, o planeta fora do sistema solar ,descoberto pelo homem, com maior possibilidade de abrigar vida fora da Terra. Ele é pelo menos um dos 6 planetas extra solares encontrados na órbita de Gliese 581, uma estrela anã vermelha, à 20 anos luz da Terra na constelação de libra (Balança). Possui água e gravidade satisfatória, bem semelhante a da Terra.

Seria esse planeta ou algum outro na órbita de Gliese 581 o planeta exílio descrito em vários relatos espíritas e espiritualistas? Pelo menos um dado curioso pode ser acrescentado ao tema: um pouco antes dessa descoberta, os cientistas descobriram em 2007 que um outro planeta que orbita Gliese (a anã vermelha) também apresenta condições boas de receber vida humana, é Gliese 581c, bem semelhante em condições físicas a Gliese 581 g

Mas o que isso tem de curioso?A curiosidade está no fato de que Glise 581 c ter sua descoberta anunciada exatamente no dia 24 de abril daquele 2007, uma tremenda “coincidência” com o dia e mês da data que eu venho calculando como o ápice dos eventos do exílio planetário para 2036.


Além disso o conjunto de planetas está na constelação de Libra , cujo símbolo é a balança. Segundo antigas lendas do Egito, após a morte a pessoa tinha suas ações pesadas numa balança. É no mínimo uma simbologia interessante nesses tempos de transformação na Terra onde os atos de cada um serão pesados pra ver quem permanece e quem será exilado.

Mais sobre a data de 24 de abril de 2036 : AQUI
 

16 de nov de 2010

O dia e a hora ninguém sabe?



"Mas DAQUELE DIA E HORA NINGUÉM SABE, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai". (Mateus 24:36)

Muitos amigos usam esse versículo como argumento pra contestar que alguém tenha profetizado o dia e a hora dos eventos que iriam ocorrer no ápice da Tribulação.

Lá pelo ano 30 e pouco da nossa era, Jesus afirmou o verbo no PRESENTE (ninguém SABE). Ou seja, ele deixou claro que naquele momento ninguém sabia mas em nenhum momento anulou a possibilidade de que no futuro alguém viesse a saber.

E aí fica a pergunta: Depois de retornar ao céu , ao Pai que está nos céus, como Jesus mesmo dizia, Deus não revelaria o dia e a hora pra Jesus? Não seria essa a grande revelação do livro da Revelação(Apocalipse)?

Eu tenho convicção que após subir aos céus Jesus soube da data exata e a relatou para João na Revelação, data essa que João deixou velada para que fosse descoberta somente no momento certo.

E pitorescamente a frase esta proferida em Mateus 24:36, exatamente o dia e a hora, dia 24 e meio dia ( a trigésima sexta hora é o meio dia após um dia inteiro). Coincidência, será?

A Grande Cidade e a Grande Babilônia


Foi na Babilônia, segundo a Bíblia, a primeira tentativa do homem em se rebelar contra a vontade divina, construindo a Torre de Babel (Gênesis, capítulo 11), ou seja, foi simbolicamente a primeira manifestação bíblica de materialismo sobrepujando os valores espirituais.

“E a mulher que viste é a grande cidade que reina sobre os reis da terra.” (Apocalipse 17:18)

“Grande cidade” é sinônimo de grande Babilônia, uma representação do Cristianismo Romano, mas como já foi explicado a Babilônia representa o materialismo, o culto ao dinheiro, sendo assim não temos só uma grande Babilônia, mas no Apocalipse temos claramente duas grandes Babilônias: o Vaticano , que representa a mulher corrompida (Cristianismo Romano, cidade) e é grande por atingir o mundo todo e os Estados Unidos, o Egito Espititual, que também simbolizam uma Babilônia, eis portanto porque temos duas grandes Babilônias, duas grandes cidades:

“na rua da grande cidade que se chama espiritualmente Sodoma e Egito (onde o seu Senhor foi crucificado)”. (Apocalipse 11:8)

“Parados ao longe, de medo de seus tormentos, eles dirão: Ai, ai da grande cidade, Babilônia, cidade poderosa! Bastou um momento para tua execução!” (Apocalipse 18:10)

Apocalipse 11:8 faz uma referencia aos Estados Unidos (grande cidade), mais precisamente as cidades de São Francisco (Sodoma) e Nevada/Califórnia (formam o Egito espiritual). O “Senhor crucificado” é uma referência a Nova York que representa Jesus nesse enigma deixado por João: beN Youssef (filho de José, Jesus). Os dois aviões no céu nos atentados de 11 de setembro na visão de João eram como 2 cruzes crucificando as duas testemunhas do Deus da Terra (Estados Unidos representado pela imagem da Estátua da Liberdade), duas testemunhas que estavam em NY, o “Senhor” do “Deus da Terra”

Mais explicações sobre a Estatua da Liberdade e o “Deus da terra” podem ser obtidas aqui:



São também referências aos Estados Unidos:

“Houve, então, relâmpagos, vozes e trovões, assim como um terremoto tão grande como jamais houve desde que há homens na terra. A grande cidade foi dividida em três partes, e as cidades das nações caíram, e Deus lembrou-se da grande Babilônia, para lhe dar de beber o cálice do vinho de sua ira ardente.” (Apocalipse 16:18-19)

“Depois vi o Cordeiro abrir o sexto selo; e sobreveio então um grande terremoto. O sol se escureceu como um tecido de crina, a lua tornou-se toda vermelha como sangue e as estrelas do céu caíram na terra, como frutos verdes que caem da figueira agitada por forte ventania”. (Apocalipse 6:12-13)

As estrelas “caindo” é uma clara referencia a verticalização abrupta do eixo terrestre, causando a sensação de que as estrelas do céu estão caindo, devido a mudança em poucos instantes da inclinação do eixo, atualmente inclinado em 23 graus

Apocalipse 18:10 é uma referencia clara a queda do Vaticano e de Roma, assim como essas referencias :

“Vi que a mulher estava ébria do sangue dos santos e do sangue dos mártires de Jesus; e esta visão encheu-me de espanto”. (Apocalipse 17:6)

“Por isso, num só dia virão sobre ela as pragas: morte, pranto, fome. Ela será consumida pelo fogo, porque forte é o Senhor Deus que a condenou”. (Apocalipse 18:8)

“Ai, ai da grande cidade, que se revestia de linho, púrpura e escarlate, toda ornada de ouro, pedras preciosas e pérolas”. (Apocalipse 18:16)

“Foi em ti que se encontrou o sangue dos profetas e dos santos, como também de todos aqueles que foram imolados na terra.” (Apocalipse 18:24)


São vastas referências, não apenas a cor das roupas que os cardeais usam, bem como a característica perseguição aos profetas e mártires do Cristianismo Primitivo que Roma empreendeu nos primeiros 3 séculos após o nascimento de Jesus, culminando no ano de 325 com a criação do Cristianismo Romano por Constantino, que continuou perseguindo os cristãos primitivos por mais mil anos, culminando com o massacre do cátaros na Itália. Interessante observar a profecia: “Será consumida pelo fogo”, confirmando a profecia do próprio Jesus:

“No dia em que Lot saiu de Sodoma, choveu fogo e enxofre do céu, que exterminou todos eles. Assim será no dia em que se manifestar o Filho do Homem”. (Lucas 17: 29-30)

O próprio João relata a erupção vulcânica:

“O quinto anjo tocou a trombeta. Vi então uma estrela cair do céu na terra, e foi-lhe dada a chave do poço do abismo; ela o abriu e saiu do poço uma fumaça como a de uma grande fornalha. O sol e o ar obscureceram-se com a fumaça do poço.” (Apocalipse 9: 1-2)

A passagem de um cometa ou de uma estrela cadente será o sinal para a erupção vulcânica, representada pelo poço do abismo que emite fumaça como uma grande fornalha. A queda de um pequeno meteorito também não deve ser descartada, visto que o meteorito quando explode antes de tocar o solo emite o brilho como o de uma estrela. Recentemente esse fenômeno foi observado no deserto do Sudão em outubro de 2008. Essa queda seria o sinal de que em breve os vulcões na Itália entrarão em erupção.

“O quinto derramou a sua taça sobre o trono da Besta. Seu reino se escureceu e seus súditos mordiam a língua de dor. Amaldiçoaram o Deus do céu por causa de seus sofrimentos e das suas feridas, sem se arrependerem dos seus atos. “ (Apocalipse 16:10-11)

A fumaça vulcânica escurece realmente os céus, e pode causar feridas por causa das queimaduras bem como intoxicação.

4 de nov de 2010

Apophis, sua ação no Exílio Planetário e as profecias bíblicas sobre sua vinda


O Apophis passará muito próximo da Terra em 2029 como já foi informado aqui no blog em textos anteriores. Em 2029 , mais precisamente no dia 13 de abril, ele passará a uma distancia de 0,01 A.U. (Unidade Astronômica) o que equivale mais ou menos a 36 mil kilometros de distancia. , o que possibilitará que seja visto a olho nu em algumas regiões do globo e praticamente em todos os locais do mundo com o uso de binóculos. A questão é que essa passagem em 2029 poderá alterar a órbita do Apophis, fazendo com que ele não apenas venha a passar ainda mais perto em 2036 como também em um dia diferente do previsto (13 de abril de 2036). Acredito que essa diferença será descoberta exatamente em 2029, quando os cientistas chegarão a mesma data que diversos profetas, a Bíblia e a Cabala chegaram: 24 de abril de 2036.

Apesar de pequena, existe uma possibilidade que em 2029 o asteróide entre numa região próxima a Terra denominada de keyhole (buraco de fechadura), região com menos de 700 metros, mas caso esse azar ocorra, as chances de choque entre o asteróide e a Terra sobem para a casa de 100%.

Inclusive o impacto desse possível choque foi analisado pelo astrofísico Neil Tyson da Universidade de Columbia, que afirma que caso isso ocorresse, o asteróide fatalmente cairia no oceano e geraria duas tsunamis com mais de 1 kilometro de altura no ponto de origem do choque.

Ou seja, ainda não existe a confirmação de que será realmente em 13 de abril de 2036 que o asteróide irá passar próximo à Terra, a data exata só será descoberta em 2029. No entanto existe ainda uma terceira passagem prevista para o Apophis, apesar de não ser tão próximo como as passagens de 2029 e 2036, ela ocorrerá em 9 de janeiro de 2013, a uma distancia quase 10 vezes maior (0.9666 A.U.) do que a prevista para 2029, mas que permitirá um refinamento nos cálculos sobre a passagem em 2029. Mas o que isso tem de interessante? Como já abordamos aqui  no blog, em 21 de dezembro de 2012 será aberto um portal em Alcyone e duas correntes de energia chegarão a Terra. O texto explicando isso esta  AQUI 

E adivinhem quem trará na contrapartida astral essas duas correntes? Sim, bingo pra quem respondeu Apophis. Após o portal ser aberto dia 21 de dezembro de 2012, quase 20 dias depois o Apophis estará trazendo essas 2 correntes pra próximo da Terra em 9 de janeiro de 2013. Com isso o Apophis realizará a primeira grande leva de espíritos que já estão aguardando o exílio no lado negro da Lua, como já foi informado pelos médiuns André Luiz Ruiz e Robson Pinheiro, sendo assim teríamos 3 grandes levas: 2013, 2029 e a maior de todas em 2036 com os fenômenos específicos descritos nesse texto do blog, inclusive com a materialização do gigantesco astro que envolve o Apophis na sua contrapartida astral : AQUI


Agora que já sabemos como e quando irão ocorrer esses eventos é interessante saber como o Apophis foi visto pelos grandes profetas bíblicos. Antes de mais nada, vamos conhecer melhor a história do Apophis:



Apophis é o nome grego do Deus egípcio Apep, inimigo de Rá (que para os egípcios era o Deus Sol, que foi usado por Akhenaton para representar um único Deus, Aton).

Apep/Apophis é a personificaçao do mal na mitologia egípcia, representado por uma serpente gigantesca e primitiva, com mais de 30 metros de comprimento, servido por uma horda de demônios. Segundo os estudiosos egípcios, os seguidores de Apep não lutam por um mundo dominado pelo mal, eles lutam pelo fim do mundo (alguém aí deve ter lembrado dos Dragões descritos pelo Robson Pinheiro, espíritos que ao contrario dos magos negros não querem dominar a Terra, mas sim destruí-la). Não é a toa que Apep/Apophis significa DESTRUIDOR.

Apep/Apophis é ainda descrito como uma criatura maligna, que vive no submundo, que vive na escuridão eterna do Duat (meio da Terra segundo a tradição egípcia), algo como o ABISMO. Pra quem já leu a trilogia do Robson Pinheiro (Legião, Senhores da Escuridão e a Marca da Besta) fica claro que esse deus do panteão egípcio é uma clara representação dos Dragões descritos na trilogia do Robson.

Mas não apenas os egípcios, como também os profetas bíblicos descreveram a ação do asteróide Apophis no ápice dos eventos:

“Foi então precipitado o grande Dragão, a primitiva Serpente, chamado Demônio e Satanás, o sedutor do mundo inteiro. Foi precipitado na terra, e com ele os seus anjos.” (Apocalipse 12:9)

A primitiva serpente é o Apophis, o demônio e opositor (Satan) é o nome desse deus egípcio que da nome ao asteróide Apophis.

“Têm eles por rei o anjo do abismo; chama-se em hebraico Abadon, e em grego, Apolion.” (Apocalipse 9:11)

Abadon e Apolion significam DEVASTADOR que é sinônimo de destruidor, ou seja, é mais um nome pra Apep, Apophis, o mensageiro do abismo.

“sobre a asa das abominações virá o devastador, até que a ruína decretada caia sobre o devastado.” (Daniel 9:27)

Virá do céu ( asa das abominações) o devastador, que nada mais é do que o mesmo personagem descrito no Apocalipse: Apophis.



“Depois apareceu outro sinal no céu: um grande Dragão vermelho, com sete cabeças e dez chifres, e nas cabeças sete coroas” (Apocalipse 12:3)

O sinal será a visão do asteróide vermelho nos céus, o Apophis, que João descreveu como um Dragão Vermelho e os índios Hopi descreveram como o “Red Kachina” (espírito vermelho dos céus).

Essas 7 cabeças no céu são exatamente os 7 planetas que compõe o Sistema Solar vistos da Terra no céu (já que Plutão não é mais considerado um planeta): Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. São redondos como uma cabeça.

Os dez chifres são referencias a estrelas da constelação do Touro, o animal que possui chifres (Taurus), facilmente vistas no céu da Terra, estas “sete coroas” descritas na profecia são referencias as 7 estrelas mais brilhantes dessa constelação. A soma de todos esses números (7+10+7) dá o dia exato: 24.

A Terra entra no signo de Touro exatamente no dia 21 de abril, ou seja, João deixa claro que estava falando do dia 24 de abril, o dia do sinal no céu do grande Dragão Vermelho e ainda corrobora com duas quadras de Nostradamus:

“Ao fundamento de uma nova seita, serão os ossos de um nobre romano descobertos, o sepulcro em mármore aparecerá aberto, a terra TREMERÁ em ABRIL e o mal será sepultado” Centúria 6, Quadra 66

“Sol a vinte de TOURO, haverá um GRANDE TERREMOTO, o grande teatro cheio ruirá, ar, céus, terra escurecidos e perturbados , quando o infiel chamar a Deus a aos santos” Centúria 9, Quadra 83

E pra que não fique dúvida alguma sobre a visão de João, vejamos o capitulo e o versículo do Apocalipse:

Se divididos: 12:3 = 4 (mês abril)

Se multiplicados: 12x 3 = 36 (ano de 2036)

E de 2012 a 2036, o Apophis vai passar visível na Terra 3 vezes (2013, 2029, 2036). Tudo apenas grandes coincidências???




Jesus assim relata esses eventos futuros:


“Quando virdes estabelecida no lugar santo a abominação da desolação que foi predita pelo profeta Daniel (Daniel 9:27) então os habitantes da Judéia fujam para as montanhas. porque então a tribulação será tão grande como nunca foi vista, desde o começo do mundo até o presente, nem jamais será. Logo após estes dias de tribulação, o sol escurecerá, a lua não terá claridade, cairão do céu as estrelas e as potências dos céus serão abaladas. Assim como foi nos tempos de Noé, assim acontecerá na vinda do Filho do Homem. E os homens de nada sabiam, até o momento em que veio o dilúvio e os levou a todos. Assim será também na volta do Filho do Homem. Então aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem. Todas as tribos da terra baterão no peito e verão o Filho do Homem vir sobre as nuvens do céu cercado de glória e de majestade. Porque, como o relâmpago parte do oriente e ilumina até o ocidente, assim será a volta do Filho do Homem. Dois homens estarão no campo: um será tomado, o outro será deixado. Duas mulheres estarão moendo no mesmo moinho: uma será tomada a outra será deixada. Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra a aflição e a angústia apoderar-se-ão das nações pelo bramido do mar e das ondas. Os homens definharão de medo, na expectativa dos males que devem sobrevir a toda a terra. As próprias forças dos céus serão abaladas. Como um laço cairá sobre aqueles que habitam a face de toda a terra. Quando começarem a acontecer estas coisas, reanimai-vos e levantai as vossas cabeças; porque se aproxima a vossa libertação”. (Mateus capitulo 24, versículos 15, 16, 21, 29, 37, 39, 30, 27, 40, 41; Lucas capitulo 21, versículos 25, 26, 35, 28)

E João assim define o ápice dos eventos no Apocalipse:

“O Dragão Vermelho varria com sua cauda uma terça parte das estrelas do céu, e as atirou à terra. Houve, então, relâmpagos, vozes e trovões, assim como um terremoto tão grande como jamais houve desde que há homens na terra. A grande cidade foi dividida em três partes, e as cidades das nações caíram. Todas as ilhas fugiram, e montanha alguma foi encontrada. O céu desapareceu como um pedaço de papiro que se enrola e todos os montes e ilhas foram tirados dos seus lugares.” (Apocalipse 12:4; 16:18-20; 6:14)





Comunidade Profecias 2036 no Orkut: http://www.orkut.com.br/Community?cmm=98634186 



2 de nov de 2010

2036 e a profecia na nota de 1 dólar



O que a contagem maia, a maçonaria e a nota de um dólar tem em comum? As três apontam pro ano 2036.

No verso da nota de um dólar está a pirâmide de 13 degraus, que termina com uma nova pirâmide, no topo, envolta de luz, com o olho que tudo vê.

Na base da nota estão os algarismos MDCCLXXVI que representam o ano de 1776, ano da independêcia dos Estados Unidos.

Mas o que os maias tem haver com isso? A contagem dos elementos do calendário maia são todos de base 20, com a exceção de um único:

Kin = 1 dia

Winal = 20 kins

Tun = 18 winal (360 dias = 1 ano)

Katun = 20 tuns ( 20 anos)

Baktun, Piktun, Kalabtun, Kinchktun, Alawtun, todos eles também tem base 20.

Vamos então começar os cálculos: 1776 é 666+1110. MCX totalizam 1110 e se os tiramos ficamos com exatamente 6 números romanos, equivalendo 666.

Se colocarmos um Katun para cada um dos degraus da pirâmide teremos 260 anos (13 degraus x 20 anos que equivalem a 1 katun). Somando 260 ao numero da base da pirâmide, 1776, temos exatamente 2036.

O número 13, que para os maçons simboliza TRANSFORMAÇÃO ou TRANSMUTAÇÃO aparece várias vezes na nota de um dólar: 13 estrelas sob a águia, 13 andares da pirâmide, 13 folhas no ramo da oliveira, 13 frutos, 13 flechas. Alem disso, na época da independência, foram 13 colônias que se tornaram independentes.

Além disso a pirâmide da nota de um dólar está claramente inserida num círculo fechado imaginário, onde a palavra “MASON” forma uma estrela de Davi (principal símbolo judeu) que tem imensa ligação com os Estados Unidos e frequentemente aparece no Apocalipse de João  associando americanos e judeus.


A escada de Jacó e os 72 dias

A Bíblia nos relata que Jacó em sua viagem para Harã, precisou repousar e utilizou-se de uma pedra como travesseiro. Em seus sonhos, ele viu uma escada que avançava da Terra até o Reino dos Céus, e que os Anjos subiam e desciam através dela, levando e trazendo as mensagens até Deus.

Sabemos que toda a Gênesis é simbólica e ocultista, cujos textos são alegorias para textos herméticos e iniciáticos relacionados com a Cabala

A escada de Jacó é uma alegoria para a estrutura completa da Árvore da Vida. Os 72 anjos da Cabala, ou “Emanações do Nome de Deus” são os anjos que aparecem simbolicamente no sonho de Jacó, trazendo as perguntas e respostas dos mestres que utilizam-se deste sistema oracular. A escada também simboliza a subida iniciática do Mundo Material até o Mundo Divino.

Em cada ser humano, quatro letras comuns (A, C, G, T) representam as bases químicas que compõem nosso código genético, e formam os “degraus” das moléculas espiraladas em forma de escada que conhecemos como DNA. As seqüências dessas letras combinam-se para criar o conjunto de instruções que constrói o ser humano, em todos os seus aspectos.

Os cabalistas nos ensinam que cada uma das 22 letras hebraicas representa uma força de energia particular, semelhante ao DNA. De acordo com a Cabala, assim como cada ser humano é constituído do alfabeto genético de quatro letras, encontrado em nosso DNA , o Universo também é construído por um alfabeto de 22 letras, encontrado nas letras hebraicas. Não apenas os seres humanos, mas toda a matéria física é formada por esse DNA espiritual. Dizem os cabalistas:

“As letras do Alef-Beis (alfabeto hebraico) são os tijolos e a argamassa de nosso Universo, e dos indivíduos, com suas habilidades pessoais”.

Da mesma forma que um prisma divide a luz solar em sete cores básicas, cada uma bem diferente da luz branca que a originou, e ao mesmo tempo fazendo parte dela, as letras hebraicas são como 22 “cores” diferentes, através das quais podemos perceber a divindade em nosso mundo material. Formam os tijolos da criação, através dos quais tudo foi formado. São como cada um dos 7 raios agindo sobre a chama Trina. Considerando as cores como luz, o BRANCO é a sobreposição de todas as cores (gerando a transparência total, símbolo máximo da pureza). A chama Trina é simbolizada pelos judeus através da Estrela de Davi, que nada mais é do que 3 quadrados perfeitos sobrepostos, que formam a Estrela com um hexagono central e 6 triângulos, o símbolo dos 7 raios. 
“A combinação das letras, conforme formuladas pelos mestres espirituais que compuseram as orações, possui o poder de elevar forças espirituais além de nossa imaginação”. Dizem os cabalistas

É dessa combinação das 22 letras que surgem os 72 nomes ou “emanações de Deus”da tradição cabalística.

Na nota de um dólar vemos a pirâmide, já sabemos que na sua base está o ano de 1776 e no topo o ano de 2036. No entanto, se compararmos as datas teremos acesso a outra impressionante “coincidência”. A independência americana, ocorrida no ano de 1776 ocorreu exatamente no dia 4 de julho. O ápice das transformações do planeta ocorrerá como já vimos aqui em 24 de abril de 2036. “Coincidentemente” são exatos 72 dias entre 24 de abril e 4 de julho é essa diferença de dias que esta também representada nos degraus da pirâmide tal qual a escada de Jacó

Outra questão interessante envolvendo o numero 72 é que no Grande Selo dos Estados Unidos, criado em 1782, a mesma pirâmide que aparece na nota de um dólar contem exatos 72 pedaços de pedra, quem quiser contar é só olhar:



A frase e o presidente

“Annuit Cieptis Novus Ordo Seclorum” ( a palavra Coeptis apresenta um “I” estilizado formando um “O” colado na letra “E”, por isso escrevi “Cieptis”)

Os números romanos nela contido são : I, C, I, I, V, D, C, L, M

Somando:

M = 1000

D = 500

CC= 200

L = 50

V= 5

III = 3

Total = 1758

Foi exatamente em 1758 que nasceu James Monroe, que viria a se tornar o quinto presidente americano e criador da doutrina Monroe, que repudiava a intervenção da Europa nos paises do continente americano , fazendo com que os Estados unidos se tornassem os comandantes das políticas externas dos paises da América Latina sob o lema : “A América para os americanos”

Monroe lutou nos conflitos da independência sendo ferido; depois como embaixador americano na França conseguiu realizar a compra do território da Luisiana. Poucos anos depois como presidente comprou a Flórida da Espanha. Alem disso a Doutrina Monroe possibilitou a expansão das fronteiras americanas rumo ao Oeste, com a matança de varias tribos indígenas que lá habitavam. Foi em suma o presidente que mais expandiu o território e domínio dos Estados unidos na América.

Mas ainda existe mais um dado curioso. James Monroe morreu num 4 de julho ( exatamente o dia da independência americana), nasceu no dia 28 de abril ( 4 dias a mais do que a data de 24 de abril de 2036) e faleceu com 73 anos ( 1 numero a mais do que o espaço em dias entre o dia 24 de abril e 4 de julho, que é de 72 dias).

Realmente seria muito improvável um presidente nascer no exato dia do ápice dos eventos apocalípticos, morrer no exato dia da independência americana e ainda ter na idade da sua morte a diferença exata entre essas duas datas. Talvez pra demarcar essa pequena diferença de 5 números exposta no parágrafo anterior, ele tenha sido exatamente o quinto presidente americano....

Na “frente” da nota o rosto do primeiro presidente maçon (G. Washington) e no “verso” da nota os algarismos romanos da frase “Ele Aprova O Nosso Empreendimento, Nova Ordem Dos Séculos” somados equivalem a data do nascimento do segundo presidente maçon (J. Monroe) que foi o quinto presidente americano. Ou seja, a nota de um dólar traz referencias aos dois primeiros presidentes maçons.

A primeira nota de um dólar foi confeccionada em 1862, mas a pirâmide com o olho que tudo vê foi colocada apenas em 1935, na presidência de Roosevelt que era maçon. O mais interessante nisso tudo é que quando o selo com a frase foi criado (1782), James Monroe era apenas um deputado federal, só se tornando presidente 35 anos depois (1817)

 
História da nota de um dólar:

Contada pelos próprios maçons: AQUI
 
Após lermos todos esses textos ficam claros ao menos dois símbolos: Um símbolo maçon: o olho que tudo vê, Um símbolo maia: a pirâmide.
 
 
 
13: Transformação, Transmutação

Porque o “13” é considerado um numero que representa transformação, transmutação? A maçonaria possui membros de diversas religiões, mas em sua grande maioria é formada por cristãos, sendo Jesus pilar básico para esses membros. Ocorre que existe um hiato nos relatos da vida de Jesus, exatamente a partir dos 13 anos, quando ele foi iniciado pelos essênios. Historicamente esse hiato vai ate o ano 30 ou 3 anos antes do seu desencarne. No entanto, informações históricas colocam o nascimento de Jesus entre o ano 3 e 4 antes do ano zero que conhecemos. Jesus teria morrido portanto com 36 anos e iniciado sua missão messiânica exatamente com 33 anos, quando foi batizado por João Batista e recebeu a presença do Cristo. Ou seja, com 33 anos Jesus estava plenamente pronto pra sua missão, havia atingido o grau máximo de suas capacidades encarnado. É exatamente por esse motivo que o ultimo grau na maçonaria é o 33 e não porque Jesus tivesse morrido no ano 33.

A idade de Jesus: AQUI



Os 52 estados


Os Estados Unidos são formados por 52 estados, existem 50 estrelas na bandeira americana. No entanto existe ainda Porto Rico denominado de “Estado livre associado de Porto Rico” (pois esta associado aos Estados Unidos) e o Distrito de Columbia, também chamado de Washington D.C (algo como é a nossa Brasília, que apesar de distrito é como mais um estado do país). Vale ressaltar que os americanos consideram 52 estados como pertencentes ao seu território, justamente por considerarem a capital e Porto Rico como estados pertencentes aos Estados Unidos.

“Coincidentemente” é 52 a soma de todas as letras das 3 frases em latim com as letras que aparecem nos números romanos da base da pirâmide. É so contar: Annuit Coeptis Novus Ordo Seclorum E pluribus unum MDCCLXXVI.

Ou seja, o selo americano criado em 1782 e que foi introduzido na nota de um dólar em 1935 contém nos seus caracteres o número exato de estados que os Estados Unidos teriam quase 200 anos depois!!!




Rússia e China


O selo criado em 1782 e presente na nota de um dólar também prevê incrivelmente que dois paises no futuro ameaçariam a hegemonia mundial americana. O cálculo é bem simples, basta somar todos os números romanos presentes no selo criado em 1782.

Na base da pirâmide, como vimos, temos 1776

Na frase “Annuit Coeptis Novus Ordo Seclorum” também já vimos, 1758

Falta a frase “E pluribus unum” que apresenta L+I+M= 1051

A soma total é 4585

Vendo no mapa a latitude 45 e longitude 85 iremos chegar exatamente na China: AQUI

Se formos ver o inverso desse número, ou seja, 5854, encontraremos na latitude 58 e na longitude 54 exatamente a Rússia: AQUI




2036 e a Pedra

A pedra parece ter um significado em todas as religiões do planeta desde tempos imemoriais.

Na Gênesis 28:18 Jacó descansa numa pedra e tem a visão da grande escadaria

Em Êxodo 30:18 é relatado que as Tabuas onde foi escrita a lei eram de pedra

Em Salmos 118 temos uma profecia velada: “ A PEDRA que os construtores rejeitaram, tornou-se PEDRA ANGULAR”. Considera-se isso uma profecia dirigida a Jesus, como o Cristo, que foi rejeitado pelos judeus, mas tornou-se a PEDRA fundamental da igreja.

Em Mateus 26:18 , Jesus se refere a Pedro como Pedra

O número 18 aparece em todas essas passagens: 6+6+6.

Em Meca (cidade sagrada pro mundo muçulmano), acha-se a PEDRA mais notável do mundo, é uma pedra negra, que está preservada na “kaaba” que fica no átrio da mesquita sagrada. É uma pedra meteórica. Esta PEDRA NEGRA tem 12 centímentros de comprimento aproximadamente, e é oval, segundo diz, ela foi quebrada durante o assédio de Meca em 683 DC, foi recomposta com cimento e encerrada numa cinta de prata. Está embutida na parede do ângulo nordeste da kaaba a uma altura que permite que os devotos a beijem em ato de adoração.

Nada mais normal do que uma imensa PEDRA, o asteróide Apophis, pra realizar o ápice dos eventos do Apocalipse


Comunidade Profecias 2036 no Orkut: http://www.orkut.com.br/Community?cmm=98634186


http://profeciasoapiceem2036.blogspot.com/