23 de abr de 2015

Experiências com Projeção Astral: Tsunami, Atlântida, Cumbre Vieja e Apophis



Evento no Atlântico - Cumbre Vieja, Apophis e possíveis efeitos

No derradeiro afundamento, o território atlante (mostrado entre as linhas pontilhadas no mapa acima com as linhas ley) recebeu o choque de um asteróide, exatamente como acontecerá com o Apophis em 2036, caindo no oceano atlântico. No livro A Bíblia no 3º Milênio os efeitos dessa queda são amplamente descritos observando todo o contexto profético, enquanto que ao final do livro Brasil o Lírio das Américas há um relato mais direto sobre como tal evento pode afetar as zonas costeiras do planeta, em especial o Brasil.

Apesar dessas informações constarem nas duas obras, tenho recebido muitas perguntas de alguns leitores preocupados como seria se algum grande evento acontecer antes de 2036, visto que nas profecias de Parravicini ele informa sobre um grande evento antes do auge e que aconteceria até 2021 (final da “hora 10”), enquanto tivéssemos dois papas e quando o papa estivesse em viagem às Américas. Espero que esse post possa ajudar a esclarecer algumas questões, visto que um possível evento envolvendo o Cumbre Vieja acontecerá, segundo informado no livro A Bíblia no 3º Milênio muito próximo a queda do asteróide Apophis no oceano Atlântico   
  
Observando a imagem inicial deste post, no ponto vermelho localizado dentro do território atlante (tracejado em azul) próximo a costa Africana e Européia existia a Grande pirâmide, controlada por uma civilização descendente dos hyperbóreos que vivia naquela região, enquanto que no outro ponto vermelho dentro do território atlante, próximo as Américas, foi o local da queda do asteróide, rachando a placa tectônica abaixo do continente e fazendo com que toda aquela terra fosse tragada, segundo os relatos de Platão em um dia e uma noite.

A grande pirâmide atlanteana foi tragada por esse buraco no oceano e foi selada com a lava e a massa de terra que caiu sobre ela, tragada por esse buraco feito pelo asteróide exatamente onde hoje existe o triangulo das bermudas, uma linha perpendicular ao lago Titicaca e paralela a pirâmide de Gizé, explicando porque o asteróide caiu exatamente ali. Os sinais de tal acontecimento podem ser percebidos não apenas no centro do chamado “triangulo das bermudas” como na “cicatriz” que existe na junção das 3 placas tectônicas na região (placa norte americana, sulamerican e placa caribenha, no site do painel global é possível ver o mapa com as placas ). Na imagem abaixo, podemos observar que a ilha de La Palma (uma das ilhas Canárias), que abriga o Cumbre Vieja fica muito próxima ao ponto de queda do asteróide Apophis no oceano.



Na imagem podemos perceber a proximidade entre a ilha de La Palma (marcada em vermelho) e o ponto escuro no oceano que demarca o local de queda do asteróide Apophis descrito no livro A Bíblia no 3º Milênio, que detalha em pormenores os efeitos desse evento, inclusive a chegada da grande onda em Israel. Vamos então avançar um pouco mais no estudo...

O modelo construído por Steven Ward (Instituto de Geofísica da Universidade da Califórnia) leva em consideração a queda do trecho mais danificado do Cumbre Vieja que é a face ocidental do vulcão e a partir daí podemos analisar os efeitos em relação a distância e direção dos locais a serem atingidos pelas ondas, que atingiria Américas, Europa e África com maior força. O estudo, em vídeo, que mostrarei a seguir leva em consideração a queda de 150 a 500 quilômetros cúbicos de rocha no oceano, o que equivaleria, a aproximadamente a 500 mil toneladas de pedra caindo no oceano. Para termos uma noção em termos de comparação, o Apophis tem aproximadamente 500 milhões de toneladas e estima-se que se cair no oceano causará um buraco de 5 km de profundidade e uma potência de 20 mil bombas atômicas. Dito isso, podemos ter uma idéia da diferença de potência e amplitude entre um evento (tsunami) a partir de La Palma e um a partir da queda do Apophis, ainda que pelo vídeo abaixo possamos ter uma idéia de como as ondas chegariam às costas litorâneas do planeta:

   

Atlântida, Estela do Sonho e a Última Era de Ouro

Em virtude do trabalho que estou desenvolvendo, simultaneamente em duas obras (um livro sobre a cronologia do Apocalipse, sinais no Sermão profético e apocalipse, mapas pós auge dos eventos e algumas orientações adicionais a ser lançado em julho e um outro livro, sobre a Atlântida, o primeiro de 4 obras sobre o tema, a ser lançado em início de 2016) muitas vezes os assuntos envolvendo as duas obras se complementam, pois o que veremos no auge dos eventos do Apocalipse em 2036 é um acontecimento a nível global que já aconteceu antes, no derradeiro afundamento do território atlante, uma massa continental que serviu, por vários séculos, como a base da colônia astralina sobre aquelas terras temporariamente materializada.

As pirâmides construídas pelo mundo serviam de potentes canalizadores de energia (assunto amplamente abordado no Brasil o Lírio das Américas) que permitiam aquela civilização permanecer materializada temporariamente no físico, mas vivendo e interagindo mais ativamente com as leis do plano astral (o que explica as “lendas” sobre levitação, telecinésia, teletransporte entre os atlantes, algo plenamente realizável por qualquer projetor astral ou espírito desencarnado). Não seria exagero dizer que a civilização atlante seria como agêneres que podiam ficar mais tempo materializados artificialmente exatamente pela tecnologia das pirâmides. Em um mundo atrasado como era a Terra há 15mil anos com boa parte do planeta sendo habitada por homens das cavernas (os encarnados) se fazia necessária uma atuação mais direta do mundo espiritual, exatamente através dessas colônias materializadas.

Se observarmos no mapa que está no início deste post, veremos que o território atlante está plenamente alinhado com as pirâmides de Gizé. Se observarmos no google maps, veremos algo interessante: a cabeça da Esfinge (que originalmente era um leão inteiro) está apontando para o leste. Curiosamente existe uma estela (placa) conhecida como “estela do sonho” que mostra uma imagem curiosa: duas esfinges, uma apontando para leste e outra para oeste, cada um sobre dois pilares e entre elas o símbolo solar do disco com duas asas (também utilizado no caduceu). Ora e quais eram os dois “pilares” que separavam as duas esfinges? Exatamente os “pilares” descritos por Platão: o monte Hacho e o rochedo de Gibraltar, os pilares de Hércules, o acesso pelo mar mediterrâneo para quem viesse de embarcações pelo atlântico. Tal rota seria útil no caso de um cataclismo, pois a destruição da tecnologia dentro da Atlântida invibilizaria a utilização dos fluxos de energia das linhas ley que permitiam a locomoção aérea através dos vimanas.

Foi a partir do fim da Atlântida que surgiram as lendas de um grande dilúvio que cobriu a mais alta montanha da Terra (na verdade da terra dos atlantes!!!), de um profeta com 600 anos fugindo com a família (um agênere que se materializava por séculos para interagir com os locais do “novo mundo” até que pudesse encarnar em outro mundo seria conhecido pela sua idade na erraticidade e não no mundo físico) e levando um casal de animais na sua “arca” (se considerarmos que a tecnologia dos atlantes era superior a nossa tecnologia de hoje, esses animais seriam amostras genéticas como as que existem nos dias de hoje nas arcas que guardam sementes e outras informações genéticas em caso de algum evento ou cataclism0 ocorrer).

Estela do Sonho - Egito


Desenho da Estela do Sonho


Caduceu


DNA


Alias, os próprios símbolos da Antiguidade, como o caduceu, mostram que os “antigos” conheciam o dna humano, o que explica o grande avanço que a espécie humana vivenciou. Esse assunto foi abordado aqui em maior profundidade:  link do texto Atlântida e a evolução humana-do Egito a Era de Regeneração  


Eu demorei algum tempo para compreender o significado de certas estruturas que vislumbrei ao acessar os registros akáshicos. Porque os atlantes teriam construído na pedra, em solo egípcio, um grande animal em forma de leão? Porque havia um leão de orichalco a oeste do território atlante? Porque a leste havia um grande touro também dourado? A resposta era simples: eles queriam transmitir uma mensagem e precisavam criar um meio (no caso um símbolo) que pudéssemos entender e justamente por isso utilizaram símbolos simples de Astrologia e Astronomia que nós, a sociedade atual, pudéssemos entender. Nomear constelações no céu com nomes de animais ou seres humanos ( como Touro, Leão, Cocheiro), dividir o céu em 12 partes fixas com símbolos também de animais e que pudessem também demarcar grandes eras ou ciclos de tempo (2160 anos por Era e 25.800 anos para um grande era) seria uma forma simples de demarcar, através do movimento dos astros, certos acontecimentos históricos da humanidade e mais ainda: mostrar a origem de alguns povos.

A esfinge (que na verdade era um leão inteiro) segundo mostram as cartas celestes estava olhando, no inicio do equinócio de primavera a 10.500 Ac para a constelação de Leão, algo que nunca mais ocorreu. Curiosamente ou “coincidentemente” foi por volta dessa época que se iniciou a Era astrológica de 2160 no signo de Leão. Seria coincidência alguém construir um leão gigante de pedra, olhando pra constelação de leão (algo que só ocorreria uma vez em 10 mil anos) exatamente no inicio da era astrológica de leão (um período de 2160 anos entre 25.800 anos!!!)???

Da mesma maneira, como mostrei no link anterior, ocorreram raros alinhamentos da grande pirâmide com a estrela Alcyone (pertencente a constelação de Touro) e a estrela polar e tais eventos demarcaram, segundo relatos nos mapas da Teosofia, afundamentos ou finais de Era na Atlântida. O que isso significa? Significa que não foram os capelinos os verdadeiros atlantes, esses foram apenas espíritos em sua maioria rebeldes que encarnaram (ou melhor dizendo,se materializaram) num lugar que foi construído por espíritos muito mais adiantados vindos de outras paragens dos céus, espíritos da constelação do Touro e do Leão, os verdadeiros hiperbóreos e atlantes.  

Como também mostrado no link anterior, foram os atlantes “originais” (vindos da constelação de Leão ) que construíram a “Esfinge” (o leão inteiro) na mesma época que se iniciou a última Era de ouro atlante coincidindo com a era astrológica de Leão. Ao considerarmos a descrição na estela do sonho, com um leão olhando a leste e outro, na antiga Atlântida olhando a oeste, temos que quando um leão olhava para a constelação de Leão o outro, na Atlântida, olhava para a constelação de Aquário. Dito isso, podemos compreender que o antigo leão de pedra no Egito foi construído não apenas para marcar o início da última Era de ouro atlante, como também o início da Era de Regeneração, que se estabelecerá na Terra exatamente na Era de Aquário após 2036.

Com essa compreensão do simbolismo, podemos ainda entender que o símbolo solar entre os dois leões, mostrado na estela do sonho diz respeito ao trânsito do Sol entre uma era (em Leão a mais de 10 mil AC) e outra ( perto de 2100 DC) e que exatamente no meio dessas duas Eras (4.300 Ac a 2.200 Ac), na era de Touro o Sol está parado, exatamente quando o Egito foi unificado com Menés e adotou o culto ao touro Ápis (coincidência não?). Tal conhecimento já era compreendido desde a época de Moisés, tanto que no Velho Testamento o “relógio de Acaz” marca exatamente essa cronologia desde o final da era de ouro atlante com o afundamento até o início da era de aquário e da era de regeneração após os eventos de 2036. O entendimento do relógio de Acaz está no capítulo 18 da Bíblia no 3º Milênio. Eis os significados astrológicos e astronômicos desses simbolos que nada tem haver com “sistema solar orbitando Alcyone” como está explicado no link acima.

A partir de 2016 a história da Atlântida começará a ser contada....   



Pesquisando nas projeções astrais, verificando os registros akashicos, buscando decodificar as imagens, sons e sensações captadas eu percebi, cada vez mais, que somente com tais esforços e concentração é que poderia entender, verdadeiramente, toda a riqueza dessa história da humanidade. Processo semelhante aconteceu para que eu conseguisse compreender uma experiência projetiva, ocorrida há muitos anos, que muito me perturbou na época devido a vivacidade dos acontecimentos presenciados naquela projeção.


A tsunami na orla carioca



Naquele desdobramento consciente eu percebi que não estava vislumbrando acontecimentos no plano astral, pois quando isso acontece é visível a diferença de algumas estruturas que existem apenas no astral intermediário e não existem no plano físico. Estava presenciando algo que aconteceria em algum momento do futuro.

Era um dia de muito Sol e pela posição do Sol no céu era por volta de 11h e eu me vi no meio da orla de Ipanema, próximo ao posto 9, já na areia caminhando em direção ao mar. A praia estava cheia, indicativo de que era um final de semana ou feriado. De repente ouço um estrondo, como um trovão abafado ao longe e um barulho de água. Olhei ao redor, algumas pessoas se mostravam apreensivas, sem entender o que poderia ser aquilo. Muitos, inclusive eu, olharam na direção do mar e não vimos onda alguma ao longe, mas o barulho parecia cada vez mais próximo.

Percebi que o barulho aumentava próximo da pedra do Arpoador e da praia do diabo (um pequeno trecho de areia que fica entre a praia do arpoador-ipanema e a praia de copacabana). Quando olhei, uma onda com no mínimo uns 20 metros de altura vinha daquela direção, cruzando a praia e a avenida vieira souto ao mesmo tempo, vindo lateralmente na direção dos banhistas que estavam na areia e no mar. Após retornar ao corpo físico com a memória daquela visão tão real refleti por alguns anos sobre duas perguntas que eu não conseguia compreender. Muitas vezes queremos uma resposta ou auxilio dos amigos espirituais para esclarecer alguma dúvida, mas em alguns casos a resposta ou orientação não é mentalmente aceita, mais ou menos quando alguém faz uma pergunta, mas não quer ou não está preparado para aceitar a resposta.

Demorou muito tempo e muitas outras experiências no astral para que eu compreendesse que tal visão do futuro dizia respeito a um evento originário do atlântico. E foi exatamente quando compreendi isso é que pude obter a primeira resposta: porque a onda viria lateralmente e não diretamente “de frente” pelo mar em Ipanema (de frente para os prédios em frente a orla).

Observando a imagem que mostra o território brasileiro e mais acima o Cumbre Vieja (imagem acima) podemos observar o desenho do litoral carioca e na imagem abaixo podemos perceber que o litoral da zona sul carioca está “protegido” abaixo da região dos lagos e campos.         



Uma onda gerada pelo desabamento de parte do Cumbre Vieja ou pela queda de um asteróide no oceano Atlântico gera um efeito no oceano semelhante a alguém que atira uma pedra em cima da superfície de água: ondas são propagadas em formato circular, aumentando o diâmetro do circulo a medida que ele se distancia, através da superfície, do ponto central de impacto (como é mostrado no vídeo). No caso de um evento no Cumbre Vieja essa onda viria em sentido sudoeste para o território brasileiro, ou seja, em direção ao sul e ao oeste do litoral. Por esse motivo, um evento que gere um tsunami partindo do Atlântico, tanto através do Cumbre Vieja como de um local próximo pela queda de um asteróide, não atingiria a orla de Ipanema “de frente”, mas sim a orla do Leme e Copacabana, entrando lateralmente pelo Arpoador e pela orla de Ipanema e Leblon como podemos observar na imagem abaixo



Considerando os estudos que mostram no vídeo as conseqüências de um evento no Cumbre Vieja é possível calcular que, na pior das hipóteses, uma onda com no máximo dois a três metros atingiria a orla da zona sul carioca e muito provavelmente com um tamanho menor, devido as “barreiras” que existem ao longo do litoral carioca que pegariam a onda antes, como Campos e região dos lagos. Dito isso, a visão que eu tive, em uma das projeções mais assustadoramente reais que pude vivenciar, é que o evento que eu enxerguei não era em relação ao Cumbre Vieja, mas sim em relação ao auge dos eventos. Pra uma onda entrar lateralmente pela orla da zona sul com tranquilamente mais de 20 metros de altura somente uma coisa poderia fazer isso: um asteróide caindo na água.

Levando isso em conta e considerando que tanto um evento no Cumbre Vieja como um asteróide caindo no Atlântico permitiriam algumas horas antes que a onda chegasse ao litoral carioca, eu precisava encontrar a resposta para a segunda pergunta que eu me fazia há anos: porque tantas pessoas, sabendo que uma grande onda chegaria ao litoral iriam para a praia “curtir” um dia de Sol ao invés de tentarem, pelo menos naquelas horas restantes, buscar um local seguro?

E a resposta trazida pelos amigos guardiões foi, para mim, das mais tristes ainda que sincera: eram todas aquelas pessoas suicidas. Eu não queria acreditar no que estava vendo, mas ao acessar novamente aquelas imagens através dos registros akashicos, de forma mais facilitada pois já havia acessado diretamente através de uma projeção astral consciente no passado, pude perceber alguns detalhes, inclusive algumas falas e pensamentos das pessoas. Um senhor, dos seus 50 anos, perambulava embriagado com uma garrafa de whyski, rindo a toa pensando consigo mesmo “prefiro morrer embriagado com meu scotch 12 anos e esse lindo dia do que tentar fugir e deixar tudo o que tenho pra trás”. Em outro trecho próximo de onde eu estava (como um expectador espiritual observando aqueles acontecimentos) algumas pessoas conversam e comiam animadamente próximo a um pequeno móvel de madeira que haviam levado até a praia. Entre as falas e pensamentos daquele grupo pude observar uma das pessoas do grupo dizendo “ vamos aproveitar felizes, é o último dia da Terra, é o fim desse mundo cão”. Outro, bem animado, pensava “Jesus vai aparecer, eu sei que vai e vai ressuscitar todos nós assim que a onda passar”. Outro grupo, ainda mais animado, partia em direção ao mar com pranchas de surfe e um deles bradava “Vamo dropa a onda do fim do mundo mermão!!!! Uhuuu!!!”.

Todas aquelas pessoas haviam deliberadamente desistido de lutar pela própria vida.

Sempre me perguntei como as pessoas que moram no litoral ou próximo de zonas costeiras reagiriam ao saber que em algumas horas uma onda as atingiria e sempre imaginei que esses locais ficariam desertos, cidades fantasma, enquanto os habitantes buscassem os locais mais altos ou seguros, o mais distante possível do litoral nas horas restantes antes do impacto da tsunami. Para a minha surpresa, pelo menos em relação a experiência projetiva que eu tive, isso aconteceria de forma bem diferente ao que vi ocorrer na orla carioca naquelas imagens sobre o futuro, tanto em relação ao grande número de pessoas que permaneceram aguardando o “espetáculo” in loco, como pela própria chegada da onda, lateralmente e não “de frente” aos prédios da praia de Ipanema.

Há sempre muito o que aprender e sobretudo compreender a partir de algumas experiências espirituais, pois tão importante quanto vivenciar uma experiência projetiva ou espiritual é entender, de forma ampla, os significados que tal experiência traz.    



Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:
https://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036  

Fórum Profecias 2036:
http://www.profecias2036.com.br/forum/  


3 de abr de 2015

Shemitá, Tsunami em 2015, Luas de Sangue e Sinais do Ápice do Apocalipse para 2036

apophis, shemitá 2035-2036, sinais do apocalipse, lua de sangue


Lua de sangue chegando dia 04 de abril e o tema volta ao debate... Recebi no fórum um interessante vídeo do leitor MM93 mencionando o trabalho do rabino Jonathan Cahn com um estudo sobre os ciclos de shemitá e suas ligação com grandes eventos de ascensão e queda, não apenas dos Estados Unidos como eventos de ordem global. O vídeo está disponível aqui:



Da mesma forma que na cultura hebraica existe o shabat para o homem, ou seja, o sétimo dia da semana que é para o descanso, a terra também possui o seu shabat, que é o sétimo ano dentro de um período de sete anos. Exatamente no ano sétimo novo judaico (Rosh Hoshná) , que ocorre entre final de setembro e início de outubro segundo o calendário ocidental acontece o shemitá (7º Rosh Hoshná de um período de 7 anos).

Segundo a teoria apresentada por Jonathan Cahn (ver o vídeo) o período de setembro de 2014 a setembro de 2015 (que compreende um shemitá) poderá trazer algum evento significativo para a economia americana.  Outro argumento utilizado pelo rabino é que teremos um eclipse solar parcial dia 13 de setembro de 2015 e uma lua de sangue dia 28 de setembro, 15 dias depois e que esses seriam os sinais descritos pelos profetas bíblicos (a lua ficando vermelha como sangue, o sol escurecendo). 

A questão é que Jonathan esqueceu-se de algumas questões importantes: no Sermão Profético quando alguns sinais são descritos, Jesus cita a profecia de Daniel dos 70 períodos e durante o capítulo 12 do Apocalipse um dos sinais citados é de "uma virgem vestida de sol com a lua a seus pés" e no próprio Apocalipse, capítulo 09 é mencionado um conflito de 5 meses que precede o Armagedon (tal conflito teria que começar em abril e arrastar todas as nações do planeta para o Armagedon em setembro e o auge dos eventos profetizados na Bíblia)

Aqui temos um problema, pois 2015 não têm qualquer ligação com a profecia dos 70 períodos de Daniel e, além disso, o Sol passa pela constelação de Virgem (a virgem vestida de Sol) apenas ao final de setembro e esse, segundo o Apocalipse é o primeiro de uma série de sinais e não o sinal derradeiro. Além disso, a lua estaria aos pés da constelação, o que não aconteceu em setembro de 2014, o que demonstra que apesar das observações sobre os ciclos de shemitá estarem corretas, não será nesse shemitá (2014-2015) que veremos o auge do Apocalipse.


Um grande evento em 2015

Como já expliquei em textos anteriores do blog e sobretudo no texto com as previsões para 2015 publicado no dia 2 de janeiro, existem duas profecias, de Nostradamus e Parravicini, apontando para um evento de proporções mundiais quando o papa estivesse nas Américas e quando tivéssemos dois papas. Considerando a idade avançada de Bento XVI, a cada ano essa profecia fica mais próxima de ocorrer e pode ocorrer durante o shemitá que termina em setembro de 2015. Vale ressaltar que esse ano o papa Francisco visitará a América do Sul em julho e os Estados Unidos em setembro. Então poderemos sim ter um grande evento, nas não o auge dos eventos (nem Armagedon, nem Nibiru, nem nova era). O texto com essas profecias de Parravicini e Nostradamus está AQUI 



Parravicini profecia papa na América


"O Papa se afastará do Vaticano em viagens e chegará à América, enquanto a humanidade cairá” (Parravicini)

Na imagem aparece o desenho do papa e da Igreja sobre as águas e boiando uma garrafa com o dizer "humanidade" dentro. Indicação de um evento pelas águas. Recebi inclusive da leitora Andréa a informação de que em vários estados ao leste dos Estados Unidos uma mensagem de alerta passou em várias tvs por vários minutos, como uma espécie de teste (preparação) para um evento futuro que exija um alerta real. O único evento que poderia atingir esses estados ao mesmo tempo seria um tsunami vindo do Atlântico, exatamente por um evento ocasionado pelo Cumbre Vieja. As imagens replicadas no Twiter podem ser vistas AQUI 


Centúria e quadra profetizando dois papas


"O que penúria! Mas dois grandes de “bons ares” Por terra e mar socorrerão todas as partes” (Centúria III, Quadra V)

Temos dois papas, um é europeu e o atual é das Américas. Um santuário de Nossa Senhora de Bonaria existe na Argentina (Américas) outro na Europa (Cagliari, na Sardenha). A profecia parece indicar então essa associação entre os dois papas e os dois santuários de "bons ares"

Centúria 3 multiplicada pela Quadra 5 = 15 (2015) Será?


Shemitá 2035-2036 e o Auge dos Eventos

Então qual seria a ligação do shemitá com o auge dos eventos em 2036? A primeira delas é que teremos um shemitá entre final de setembro de 2028- setembro de 2029 e início de outubro de 2035 a outubro de 2036 e dentro desse período teremos as duas passagens próximas do asteróide Apophis, em abril de 2029 e 2036.

Temos ainda profecias de Parravicini e Nostradamus apontando que os 5 meses que precedem o Armagedon se iniciam em maio de 2035 e vão até outubro (quando começa o shemitá). Essas profecias estão aqui:





Não bastassem esses indicativos proféticos, exatamente no primeiro dia da shemitá em 2035, 04 de outubro teremos o Sol passando pela constelação de Virgem com a Lua quase "colada" aos "pés" da constelação, exatamente o sinal descrito no capítulo 12 do Apocalipse. João descreveu exatamente a "foto" do céu no dia do Hosh Roshná/ Shemitá de 2035, o último período da profecia de Daniel citada por Jesus no Sermão Profético e deixou a pista: "a lua estaria sob os pés da Virgem" algo que é pouco comum (podem conferir utilizando o programa Stelarium).

Além disso, os 70 períodos da profecia de Daniel iniciados com a restauração de Jerusalém aos hebreus em 1967 termina exatamente em 2036, sendo que antes de abril de 2036 (queda do asteróide) teremos um eclipse lunar e um eclipse solar no mesmo mês em fevereiro de 2036. Ou seja, o raciocínio do rabino sobre os ciclos de shemitá está correto, elas demarcam grandes eventos, o erro foi colocar a shemitá de 2014-2015, pois não há nada na profecia dos 70 períodos de Daniel citada por Jesus entre os sinais do Apocalipse e ao mesmo tempo não existe o sinal do sol passando pela constelação de virgem com a lua a seus pés entre 2014 e 2015. É provável sim que tenhamos um evento significativo em 2015, não apenas pelo shemitá, mas pelas profecias de Parravicini e Nostradamus que apontam nessa direção, mas não para Armagedon ou auge do Apocalipse

A linha do raciocínio de Jonathan Cahn está correta: existe uma interligação entre as profecias, sobretudo as do Sermão Profético, Daniel capítulo 09 e Apocalipse capítulo 12 que falam sobre a cronologia do Apocalipse e seus sinais, entre eles eclipse solar, lua de sangue e "uma virgem vestida de Sol com a lua a seus pés" e uma interligação entre esses sinais com o calendário das principais festas judaicas em ORDEM CRONOLÓGICA.

Esse foi o tema principal da última palestra que eu fiz com mais de 2 horas e que fala exatamente sobre isso (em breve estará disponível no Youtube), com informações inéditas em relação ao blog e em relação A Bíblia no 3º Milênio. Na palestra que fiz em março de 2015  interpretei por completo todo o Sermão Profético, resumindo de forma clara e sintetizada a cronologia do Apocalipse e os sinais contidos no capítulo 12. Todo esse material será compilado em um pequeno livro, que servirá como base e resumo simplificado para aqueles que já estudaram ou desejam estudar o conteúdo mais profundo e completo das profecias na Bíblia no 3º Milênio.

Essa cronologia do capítulo 12 do Apocalipse está explicada AQUI 


Cronologia dos Eventos – Sinais e Calendário Judaico


Os sinais do Apocalipse de 2035 -2036


O primeiro dia do shemitá em outubro de 2035 demarca o sol passando pela constelação de virgem com a lua a seus pés. É o primeiro sinal descrito no apocalipse capítulo 12.

Quando o Sol passar "dentro" da constelação de Virgem e fizer conjunção com a estrela mais brilhante (Spica) e assim a Virgem "der a luz" será exatamente 18 de outubro, diz exato em 2035 da festa do sucot (a primeira das duas colheitas celebradas no ano judaico).

Em fevereiro de 2036, dias 11 e 27 acontecerá os sinais, um eclipse solar e uma lua de sangue.

Dia 11 de abril começa a Pessach, a páscoa, que simboliza o início da primavera. No mundo cristão esse período simboliza, todos os anos, A VOLTA DE JESUS, quando ele ressuscita e fica 40 dias materializado entre os homens após ter sido crucificado. Por isso Jesus falou no Sermão que seria "como nos tempos de Noé" no qual "choveu" por 40 dias. Mas também diz que "aqueles dias seriam abreviados", pois o Apocalipse e as Escrituras falam "no dia do senhor", "o dia da ceifa", que simboliza não o Yom Kipur judaico, mas sim a colheita (ceifa)

Eclipse, lua de sangue e sinais no sermão profético


A partir da Pessach (11 abril de 2036) temos a contagem do Omer (49 dias ou 7 semanas) período que a cevada e outros grãos são colhidos e ao final, no 50º dia ocorre o Shavuot, festa que celebra a colheita do trigo, a separação do joio e do trigo, exatamente no final da primavera e início do verão, mencionado por Jesus no Sermão profético quando ele fala da geração dos frutos na figueira e menciona que tudo aquilo que ele estava profetizando aconteceria DURANTE ESSA GERAÇÃO , ou seja, durante a contagem do Omer.

Espiritualmente isso se explica claramente, pois após o desencarne de bilhões de pessoas (metade da humanidade) a separação do "joio e do trigo", ou seja, quem permanecerá na Terra e quem será exilado, só poderia acontecer após findados os eventos no mundo físico e os espíritos que fossem exilados já estivessem desencarnados. Considerando que o auge dos eventos físicos será em 24 de abril de 2036 e o final do Omer em 2036 será bem no fim de maio, com a separação do joio e do trigo, temos a exata cronologia dos eventos, com o período entre final de abril de 2036 e final de maio de 2036 como os dias que os futuros exilados já desencarnados serão encaminhados para o mundo exílio.

Podemos então compreender que o rabino Jonathan Carter chegou perto, mas faltou "o pulo do gato" que seria exatamente considerar as profecias (Daniel cap 9) e os sinais além dos eclipses, que foram citados no sermão profético e no Apocalipse para que ao unir todas essas profecias ele chegasse ao ano de 2036 ao invés de considerar 2015 como auge dos eventos do Apocalipse. É por esses motivos que o estudo comparativo e amplo das profecias evita equívocos, como o foram a "profecia maia 2012" ou "nova era em 2012", pois bastaria apenas comparar as profecias mais confiáveis do mundo para observar que nem em 2012 e nem em 2015 teremos auge do Apocalipse, a não ser que Daniel, Jesus, João no Apocalipse, Nostradamus e Parravicini (apenas para citar alguns) tenham combinado de errar em conjunto, o que devido ao grande número dos seus acertos é bem improvável.


Nova Palestra e Novo Livro sobre 2036

Espero que após a divulgação do vídeo da palestra (realizada em março e em processo de edição) e em breve o lançamento de um pequeno livro (de no máximo 150 páginas) as questões ligadas ao auge dos eventos em 2036 e sua cronologia mostrada nas profecias fique mais "palatável" devido ao grande número de informações contida no blog e na A Bíblia no 3º Milênio o que pode dificultar o estudo mais básico e resumido devido a amplitude e quantidade das informações ali mostradas.

Acredito que assim possa facilitar o estudo sobre o auge dos eventos do Apocalipse, permitindo um estudo mais fácil sobre a transição planetária e a vinda da nova era após o exílio planetário em 2036, evitando confusões como a que alguns fizeram em 2012 e esclarecendo algumas questões importantes sobre 2015 e sobre eventos em outros anos antes de 2036, mas que serão eventos que ainda não representarão o auge dos eventos. 


Dessa forma acredito que um número maior de leitores, interessados no tema profético, compreenderão melhor o desenrolar dos eventos da transição planetária, com base nos estudos comparativos das profecias dos profetas mais confiáveis do mundo, uma bússola verdadeiramente segura apontando para uma direção correta nesses estudos, sobre os sinais do Apocalipse (eclipse solar e luas de sangue) o Armagedon e a vinda da serpente primitiva (Apep) nas asas (voando) da abominação trazendo através do asteróide Apophis em 2036 o auge dos eventos da transição planetária   


Facebook Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:

Fórum Profecias o Ápice em 2036: